Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Zuckerberg anuncia integração de WhatsApp, Messenger e Instagram
Arquivo JP3/Folhapress.

Quinta, 7/3/2019 5:41.

PAULA SOPRANA
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Mark Zuckerberg, presidente-executivo do Facebook, anunciou na quarta-feira (6) que as mensagens do Messenger, do WhatsApp e do Instagram serão integradas em um canal de comunicações "focado em privacidade".

De acordo com o texto publicado na rede social, a empresa permitirá que usuários enviem mensagens para seus contatos usando qualquer um dos serviços do Facebook. A interoperabilidade será estendida também ao SMS, muito utilizado nos EUA.

Segundo Zuckerberg, o usuário poderá manter as contas separadas se desejar. "Acredito que uma plataforma de comunicações com foco em privacidade se tornará mais importante do que as plataformas abertas de hoje."

Em um discurso que cita privacidade 25 vezes -comportamento esperado diante do escrutínio que a empresa enfrenta de reguladores -Zuckerberg destaca que a troca de mensagens será mais segura.

A mudança, sem data para acontecer, fortalecerá interações privadas, criptografia, interoperabilidade e armazenamento seguro. Sobre o último ponto, Zuckerberg diz o Facebook não guardará dados confidenciais de usuários em países que atacam direitos como privacidade e liberdade de expressão.

A afirmação pode ser um indicativo de que ele finalmente desistirá de um espaço na China, onde o governo controla o conteúdo da internet.
Há alguns anos, Zuckerberg tenta levar o Facebook ao gigante mercado chinês, mas sofre negativas do governo.

O país conta com o WeChat, aplicativo nacional, líder entre os cidadãos e que reúne uma série de serviços e de diferentes fontes de monetização -de comunicações interpessoais a transporte e alimentação.

Apelidado de superapp, ele vem inspirando outros aplicativos ao redor do mundo, incluindo o Facebook. Ao integrar suas plataformas, a empresa de Zuckerberg demonstra que busca mais uma fórmula de gerar receita, embora ela ainda não esteja clara.

"O WhatsApp não tem um modelo de negócios consolidado. A compra foi cara e ele precisa dar um retorno financeiro. O WhatsApp Business é uma tentativa, mas não tem gerado um grande retorno", diz Francisco Brito Cruz, diretor e pesquisador do Internet Lab.

Segundo o especialista, o Facebook terá que resolver a contradição de tentar tornar seus canais de mensagens cada vez mais seguros, interpessoais e fechados à medida que o WhatsApp ganha o perfil de "praça pública" em países emergentes, com a disseminação irrestrita de informações.

O anúncio desta quarta surge um ano após o escândalo envolvendo a Cambridge Analytica, consultoria contratada pela equipe de Donald Trump que direcionou propaganda política a pessoas que não autorizaram o uso de suas informações a um aplicativo na rede social. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Zuckerberg anuncia integração de WhatsApp, Messenger e Instagram

Arquivo JP3/Folhapress.

Publicidade

Quinta, 7/3/2019 5:41.

PAULA SOPRANA
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Mark Zuckerberg, presidente-executivo do Facebook, anunciou na quarta-feira (6) que as mensagens do Messenger, do WhatsApp e do Instagram serão integradas em um canal de comunicações "focado em privacidade".

De acordo com o texto publicado na rede social, a empresa permitirá que usuários enviem mensagens para seus contatos usando qualquer um dos serviços do Facebook. A interoperabilidade será estendida também ao SMS, muito utilizado nos EUA.

Segundo Zuckerberg, o usuário poderá manter as contas separadas se desejar. "Acredito que uma plataforma de comunicações com foco em privacidade se tornará mais importante do que as plataformas abertas de hoje."

Em um discurso que cita privacidade 25 vezes -comportamento esperado diante do escrutínio que a empresa enfrenta de reguladores -Zuckerberg destaca que a troca de mensagens será mais segura.

A mudança, sem data para acontecer, fortalecerá interações privadas, criptografia, interoperabilidade e armazenamento seguro. Sobre o último ponto, Zuckerberg diz o Facebook não guardará dados confidenciais de usuários em países que atacam direitos como privacidade e liberdade de expressão.

A afirmação pode ser um indicativo de que ele finalmente desistirá de um espaço na China, onde o governo controla o conteúdo da internet.
Há alguns anos, Zuckerberg tenta levar o Facebook ao gigante mercado chinês, mas sofre negativas do governo.

O país conta com o WeChat, aplicativo nacional, líder entre os cidadãos e que reúne uma série de serviços e de diferentes fontes de monetização -de comunicações interpessoais a transporte e alimentação.

Apelidado de superapp, ele vem inspirando outros aplicativos ao redor do mundo, incluindo o Facebook. Ao integrar suas plataformas, a empresa de Zuckerberg demonstra que busca mais uma fórmula de gerar receita, embora ela ainda não esteja clara.

"O WhatsApp não tem um modelo de negócios consolidado. A compra foi cara e ele precisa dar um retorno financeiro. O WhatsApp Business é uma tentativa, mas não tem gerado um grande retorno", diz Francisco Brito Cruz, diretor e pesquisador do Internet Lab.

Segundo o especialista, o Facebook terá que resolver a contradição de tentar tornar seus canais de mensagens cada vez mais seguros, interpessoais e fechados à medida que o WhatsApp ganha o perfil de "praça pública" em países emergentes, com a disseminação irrestrita de informações.

O anúncio desta quarta surge um ano após o escândalo envolvendo a Cambridge Analytica, consultoria contratada pela equipe de Donald Trump que direcionou propaganda política a pessoas que não autorizaram o uso de suas informações a um aplicativo na rede social. 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade