Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Turismo
Convention Bureau de Itajaí não quer hospital de campanha e tenta empurrar para Balneário Camboriú

Alegação da entidade é que causará prejuízos econômicos à vizinha cidade

Domingo, 12/4/2020 11:29.
Google.

Publicidade

O Convention Bureau de Itajaí é contra um hospital de campanha na Marejada, porque causará prejuízos ao turismo e sugere que seja instalado em Balneário Camboriú.

A construção do hospital por parte do Governo do Estado, com 100 leitos, está prestes a iniciar.

Se o hospital for feito no Centro de Eventos de Balneário Camboriú, como sugere a entidade itajaiense, o prejuízo será transferido para o lado de cá da divisa municipal.

Balneário, em verdade, depende mais do turismo do que Itajaí, cuja matriz econômica é mais ampla, e o Centro de Eventos será importante para retomada econômica da cidade após a crise do coronavírus.

Clamor de um setor a beira do colapso

*Wolfgang Roedel

Sabemos da urgência e necessidades e apoiamos todo esforço em nos preparar para a pandemia COVID-19 e seus impactos. Mas também sabemos que as escolhas de hoje precisam ser avaliadas sob vários aspectos para evitar que os impactos no futuro sejam irreversíveis.

O turismo está sempre atento e ativo para que sejam mantidas as estruturas de segurança, limpeza, sinalização, saneamento, enfim, a cidade organizada. Com pontos turísticos e praias para se visitar, o turismo mantém bons restaurantes e bares, hotéis de qualidade, empresas de transporte e tudo para termos uma boa cidade para a própria comunidade também passear e se orgulhar. Sem falar nos impostos gerados que naturalmente sustentam outras áreas da economia municipal. Para se ter uma ideia, um participante de evento chega a gastar 200 dólares, em média, por dia. Apenas um evento de três dias para 1.000 visitantes somam cerca de 3,18 milhões de reais em gastos diretos, gerando grande soma em impostos que naturalmente são revertidos para a população local.

E tudo está prestes a ser paralisado por mais tempo pela escolha do único espaço de eventos da cidade que receberá aportes que o inviabilizará por, pelo menos, seis meses. Ou seja, mesmo que a crise se amenize, teremos todo o ano de 2020 comprometido.

Considerando que há outras saídas para a construção de leitos de UTI, como o hospital Santa Inês, em Balneário Camboriú, que já está desativado e mais facilmente seria adaptado para a construção das instalações do que o previsto no CentrEventos da Marejada.

Considerando que a hotelaria de Itajaí já é, sem dúvida, uma das melhores do Estado e se colocou à inteira disposição para o suporte de equipes médicas e pacientes em quarentena.

Considerando que o Governo Estadual poderia continuar ampliando as estruturas municipais e não centralizar em um único local o atendimento para os acometidos do COVID-19.

Considerando que há outros espaços de eventos que são do próprio Governo do Estado e que poderiam oferecer a logística mais adequada para entrada e saída de ambulâncias, a exemplo do Centro de Eventos de Balneário Camboriú, ainda não licitado e com boa parte de sua agenda aberta.

Considerando que bloquear o único equipamento de eventos da cidade de Itajaí (CentrEventos Marejada), tornando-se hospital de campanha, irá gerar inúmeros transtornos por se localizar no centro da cidade e por inviabilizar toda e qualquer movimentação até o final do ano, acarretando o desemprego em massa e a evasão quase que total de turistas de lazer e eventos dos hotéis, restaurantes, bares, transportes, agenciamento e outros que sobrevivem deste mercado.

Considerando que os tributos gerados pelo fluxo de viajantes é extremamente representativo para sustentar o caixa do município, que já se apresenta em condições de risco.

E considerando finalmente que a escolha do CentrEventos como hospital de campanha irá prejudicar estrategicamente o setor e colocará a cidade em isolamento para viajantes que necessariamente precisam realizar seus negócios na região de Itajaí e até para aqueles com a intenção de visitar a cidade. Sem falar de outros negócios, estamos falando de 1.500 quartos de hotéis paralisados e futuros impactos em decorrência disto.

Nosso posicionamento inicial, como exposto acima, é para que se busquem alternativas mais sensatas e viáveis para esta escolha do CentrEventos de Itajaí como hospital de campanha.

E, caso seja confirmada a decisão por paralisar o CentrEventos, pedimos encarecidamente que as autoridades municipais e estaduais tenham olhos especialmente atentos ao mercado do turismo. Precisamos de subsídios, acesso a crédito, isenção tributária, incentivo para o turismo local, espaço paralelo para retomar os eventos, enfim, alternativas para que as empresas, sonhos, empregos, estruturas erguidas a duras custas, possam de alguma forma, sobreviver.

Somos de Itajaí e nos orgulhamos de nossa região. Esperamos que as decisões vindas de autoridades públicas abram maior diálogo com o empresário local que é a máquina de geração de empregos e recursos para a nossa região. Leia o texto distribuído pelo Convention Bureau de Itajaí.

*Wolfgang Roedell é presidente do Convention & Visitors Bureau de Itajaí.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Google.

Convention Bureau de Itajaí não quer hospital de campanha e tenta empurrar para Balneário Camboriú

Alegação da entidade é que causará prejuízos econômicos à vizinha cidade

Publicidade

Domingo, 12/4/2020 11:29.

O Convention Bureau de Itajaí é contra um hospital de campanha na Marejada, porque causará prejuízos ao turismo e sugere que seja instalado em Balneário Camboriú.

A construção do hospital por parte do Governo do Estado, com 100 leitos, está prestes a iniciar.

Se o hospital for feito no Centro de Eventos de Balneário Camboriú, como sugere a entidade itajaiense, o prejuízo será transferido para o lado de cá da divisa municipal.

Balneário, em verdade, depende mais do turismo do que Itajaí, cuja matriz econômica é mais ampla, e o Centro de Eventos será importante para retomada econômica da cidade após a crise do coronavírus.

Clamor de um setor a beira do colapso

*Wolfgang Roedel

Sabemos da urgência e necessidades e apoiamos todo esforço em nos preparar para a pandemia COVID-19 e seus impactos. Mas também sabemos que as escolhas de hoje precisam ser avaliadas sob vários aspectos para evitar que os impactos no futuro sejam irreversíveis.

O turismo está sempre atento e ativo para que sejam mantidas as estruturas de segurança, limpeza, sinalização, saneamento, enfim, a cidade organizada. Com pontos turísticos e praias para se visitar, o turismo mantém bons restaurantes e bares, hotéis de qualidade, empresas de transporte e tudo para termos uma boa cidade para a própria comunidade também passear e se orgulhar. Sem falar nos impostos gerados que naturalmente sustentam outras áreas da economia municipal. Para se ter uma ideia, um participante de evento chega a gastar 200 dólares, em média, por dia. Apenas um evento de três dias para 1.000 visitantes somam cerca de 3,18 milhões de reais em gastos diretos, gerando grande soma em impostos que naturalmente são revertidos para a população local.

E tudo está prestes a ser paralisado por mais tempo pela escolha do único espaço de eventos da cidade que receberá aportes que o inviabilizará por, pelo menos, seis meses. Ou seja, mesmo que a crise se amenize, teremos todo o ano de 2020 comprometido.

Considerando que há outras saídas para a construção de leitos de UTI, como o hospital Santa Inês, em Balneário Camboriú, que já está desativado e mais facilmente seria adaptado para a construção das instalações do que o previsto no CentrEventos da Marejada.

Considerando que a hotelaria de Itajaí já é, sem dúvida, uma das melhores do Estado e se colocou à inteira disposição para o suporte de equipes médicas e pacientes em quarentena.

Considerando que o Governo Estadual poderia continuar ampliando as estruturas municipais e não centralizar em um único local o atendimento para os acometidos do COVID-19.

Considerando que há outros espaços de eventos que são do próprio Governo do Estado e que poderiam oferecer a logística mais adequada para entrada e saída de ambulâncias, a exemplo do Centro de Eventos de Balneário Camboriú, ainda não licitado e com boa parte de sua agenda aberta.

Considerando que bloquear o único equipamento de eventos da cidade de Itajaí (CentrEventos Marejada), tornando-se hospital de campanha, irá gerar inúmeros transtornos por se localizar no centro da cidade e por inviabilizar toda e qualquer movimentação até o final do ano, acarretando o desemprego em massa e a evasão quase que total de turistas de lazer e eventos dos hotéis, restaurantes, bares, transportes, agenciamento e outros que sobrevivem deste mercado.

Considerando que os tributos gerados pelo fluxo de viajantes é extremamente representativo para sustentar o caixa do município, que já se apresenta em condições de risco.

E considerando finalmente que a escolha do CentrEventos como hospital de campanha irá prejudicar estrategicamente o setor e colocará a cidade em isolamento para viajantes que necessariamente precisam realizar seus negócios na região de Itajaí e até para aqueles com a intenção de visitar a cidade. Sem falar de outros negócios, estamos falando de 1.500 quartos de hotéis paralisados e futuros impactos em decorrência disto.

Nosso posicionamento inicial, como exposto acima, é para que se busquem alternativas mais sensatas e viáveis para esta escolha do CentrEventos de Itajaí como hospital de campanha.

E, caso seja confirmada a decisão por paralisar o CentrEventos, pedimos encarecidamente que as autoridades municipais e estaduais tenham olhos especialmente atentos ao mercado do turismo. Precisamos de subsídios, acesso a crédito, isenção tributária, incentivo para o turismo local, espaço paralelo para retomar os eventos, enfim, alternativas para que as empresas, sonhos, empregos, estruturas erguidas a duras custas, possam de alguma forma, sobreviver.

Somos de Itajaí e nos orgulhamos de nossa região. Esperamos que as decisões vindas de autoridades públicas abram maior diálogo com o empresário local que é a máquina de geração de empregos e recursos para a nossa região. Leia o texto distribuído pelo Convention Bureau de Itajaí.

*Wolfgang Roedell é presidente do Convention & Visitors Bureau de Itajaí.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade