Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Turismo
Autor vai pedir retirada do projeto que obriga a contratar guias de turismo

Ele diz que não é o momento para votar esse tipo de coisa

Terça, 5/5/2020 11:09.
Renata Rutes Henning.

Publicidade

O vereador Gelson Rodrigues disse ao Página 3, na manhã desta terça-feira (5), que irá pedir a retirada do projeto pautado para votação hoje à noite, que obriga a presença de guia em todos os ônibus de turismo em Balneário Camboriú.

“Antes da pandemia fizemos reuniões, e os guias tinham uma emenda para acrescentar. Vou solicitar a retirada do projeto, eu não havia pedido para ele ser votado hoje”, diz.

Gelson disse acreditar que a mesa diretora da Câmara estava com poucos projetos para serem votados e por isso colocou o dos guias na pauta.

“Mas não vai ser votado hoje, quando tudo voltar ao normal, após a pandemia, quero me reunir novamente com os guias, e daqui uns dois ou três meses o projeto pode entrar para votação. Não é o momento para votarmos isso, estamos passando por uma situação muito difícil”, acrescentou Gelson.

Ex-presidente da associação reclama do vereador

“Esse projeto é nosso, eu vinha há muitos anos encaminhando, desde a época do Piriquito, e nunca um vereador se interessou e agora é só pra ganhar votos. Todo mundo enrolou a gente. A única pessoa que nos apoiou foi a Marisa Zanoni, quando ela era vereadora”, torpedeou Marivone Batista, guia de turismo que durante vários anos presidiu a Associação dos Guias de Turismo de Balneário Camboriú (AGUITUR).

“Durante o período que estávamos sem Coronavírus por que o Gelson não fez uma reunião? Eu não acredito nele”, destacou.

“O interesse dele é que todos os guias votem nele, e fazer igual os outros fizeram. Nunca ninguém nos apoiou em nada. Todos teremos que nos reinventar, se a nossa diária era R$ 300, agora terá que ser R$ 250, até que as coisas melhorem, mas nem sei quando voltaremos a trabalhar. Mas por menos de R$ 200 não podemos trabalhar. Trabalhamos com grupos dentro de ônibus ou vans, que ficam com vidros fechados”, finalizou.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Renata Rutes Henning.

Autor vai pedir retirada do projeto que obriga a contratar guias de turismo

Ele diz que não é o momento para votar esse tipo de coisa

Publicidade

Terça, 5/5/2020 11:09.

O vereador Gelson Rodrigues disse ao Página 3, na manhã desta terça-feira (5), que irá pedir a retirada do projeto pautado para votação hoje à noite, que obriga a presença de guia em todos os ônibus de turismo em Balneário Camboriú.

“Antes da pandemia fizemos reuniões, e os guias tinham uma emenda para acrescentar. Vou solicitar a retirada do projeto, eu não havia pedido para ele ser votado hoje”, diz.

Gelson disse acreditar que a mesa diretora da Câmara estava com poucos projetos para serem votados e por isso colocou o dos guias na pauta.

“Mas não vai ser votado hoje, quando tudo voltar ao normal, após a pandemia, quero me reunir novamente com os guias, e daqui uns dois ou três meses o projeto pode entrar para votação. Não é o momento para votarmos isso, estamos passando por uma situação muito difícil”, acrescentou Gelson.

Ex-presidente da associação reclama do vereador

“Esse projeto é nosso, eu vinha há muitos anos encaminhando, desde a época do Piriquito, e nunca um vereador se interessou e agora é só pra ganhar votos. Todo mundo enrolou a gente. A única pessoa que nos apoiou foi a Marisa Zanoni, quando ela era vereadora”, torpedeou Marivone Batista, guia de turismo que durante vários anos presidiu a Associação dos Guias de Turismo de Balneário Camboriú (AGUITUR).

“Durante o período que estávamos sem Coronavírus por que o Gelson não fez uma reunião? Eu não acredito nele”, destacou.

“O interesse dele é que todos os guias votem nele, e fazer igual os outros fizeram. Nunca ninguém nos apoiou em nada. Todos teremos que nos reinventar, se a nossa diária era R$ 300, agora terá que ser R$ 250, até que as coisas melhorem, mas nem sei quando voltaremos a trabalhar. Mas por menos de R$ 200 não podemos trabalhar. Trabalhamos com grupos dentro de ônibus ou vans, que ficam com vidros fechados”, finalizou.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade