Jornal Página 3

Animação russa 'O Reino Gelado: Fogo e Gelo' não sai do morno
Divulgação.

Quinta, 10/8/2017 13:59.

MARINA GALEANO
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A franquia russa "O Reino Gelado" chega ao seu terceiro longa-metragem após um caminho de altos e baixos.

Baseada no conto do dinamarquês Hans Christian Andersen, a primeira animação do estúdio Wizart sobre a temida Rainha da Neve estreou quase um ano antes do estrondoso sucesso "Frozen" (2014), da Disney, também inspirado na obra de Andersen.

Com um enredo cuidadosamente costurado, personagens carismáticos e um aspecto visual digno de elogios, "O Reino Gelado" (2013) foi bem recebido pelo público e pela crítica.

Mas a continuação da história, lançada em 2014, não manteve o fôlego. Pelo contrário. Basicamente se afogou ao jogar o protagonismo da trama nas costas do troll Orm e forçar a barra no quesito "lição de moral".

A lição, no fim das contas, serviu ao próprio estúdio, que não insistiu nos mesmos erros e -ao menos em parte- recuperou o fio da meada em "O Reino Gelado: Fogo e Gelo".

De volta aos holofotes, Gerda e Kai ganham o status de lendas depois de terem derrotado a Rainha da Neve. Apesar da fama, eles enfrentam dificuldades financeiras e a ainda sonham em encontrar os pais.

O período de vacas magras desencadeia uma série de conflitos entre os irmãos e introduz o mote da narrativa: a importância da família.

Contrariado com as decisões de Gerda, Kai decide trilhar seu próprio rumo. Já a menina se mete na maior enrascada ao cair na conversa do pirata revoltado Roni sobre uma tal pedra do desejo.

A dupla adquire poderes mágicos (ela de gelo, ele de fogo) e acaba colocando o mundo sob uma grande ameaça. Obviamente, quando descobre que a irmã está encrencada, Kai dá meia-volta para tentar salvá-la.

Embora com problemas de desenvolvimento, um tanto inocente e superficial, o roteiro prende a atenção especialmente das crianças pequenas.

A narrativa segue o ritmo de uma fábula e equilibra momentos de aventura e emoção. As porções de humor ficam a cargo de Orm, bem melhor no papel de coadjuvante.

Em termos técnicos, o filme sobe um degrau. Os contrastes entre o gelo e o fogo rendem imagens de encher os olhos e levantam a produção.

Há de se admitir que os pontos positivos colocam o novo longa muito à frente do dispensável "Reino Gelado 2". Entretanto, ainda não são suficientes para transformá-lo num programa imperdível.

Nem o fogo nem o gelo conseguem fazer essa animação sair do morno.

O REINO GELADO: FOGO E GELO
(Snow Queen 3 - Fire and Ice)
DIREÇÃO Aleksey Tsitsilin
PRODUÇÃO Rússia, 2017, livre
AVALIAÇÃO Regular 


Publicidade


Colunistas
por Fernando Baumann
por Sonia Tetto
por Saint Clair Nickelle
por Augusto Cesar Diegoli
por Marcos Vinicios Pagelkopf
por Enéas Athanázio
Educação

Documemnto define o que as escolas brasileiras devem ensinar a cada ano 


Cidade

PIB cresceu forte sob Pavan e Spernau e desacelerou entre 2010 e 2015


Cidade

Crise econômica impacta negativamente nas contas públicas  


Cidade


Guia Legal BC

Banda se apresenta no dia 5 de janeiro


Geral

Consórcio pode ser o fato mais relevante desde que as duas cidades se separaram 53 anos atrás 


Publicidade