Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Variedades
Balneário Camboriú é a capital catarinense do pôquer

Prêmios diários podem chegar a R$ 10 mil

Segunda, 6/3/2017 18:14.
Waldemar Cezar Neto/Página 3

Publicidade

Por Waldemar Cezar Neto

O ambiente é bem decorado, limpo, iluminado, sem fumaça de cigarros ou barulho. Bem diferente das salas de jogatina de antigamente, vistas como antros de pecado e perdição.

O salão reúne pessoas que usam a mente, o raciocínio lógico, a psicologia e a matemática para derrotar os adversários. E elas parecem se orgulhar disso.

Algumas ostentam figurino parecido com o que se vê nas transmissões da TV, bonés enterrados na cabeça, óculos escuros... mas, independente da aparência, todas estão ali com o mesmo objetivo, embolsar os prêmios em dinheiro dos torneios de pôquer.
O pôquer é um esporte mental, por isso permitido pelas autoridades.

Eu jogo pôquer em casa com amigos e também online, mas nunca tinha entrado num clube de pôquer. Sempre achei que lá dentro seria lesado, iriam me “pelar”.

Não funciona assim, o dinheiro nesta atividade está no jogo limpo e não no sujo. Os torneios equilibram as mesas, não existem cartas marcadas, posições pré-escolhidas, é tudo sorteado na hora, feito às claras, com profissionalismo e envolvendo relativamente pouco dinheiro.

Duas semanas atrás ocorreu um torneio valendo R$ 30 mil em prêmios, (30K no jargão do setor), comemorativo aos três meses de vida do mais novo clube de pôquer da cidade, o VIP, na Terceira Avenida.

Fui lá, me inscrevi para uma classificatória e depois de perder R$ 50,00 fui eliminado. Eu poderia ter tentado mais duas vezes de R$ 30,00 –e provavelmente totalizar R$ 110,00 em perdas, mas não queria correr o risco de ganhar e passar a noite jogando, desejava apenas sentir o clima.

A final do 30K aconteceu no domingo (12), coroando cinco dias de classificatórias. Na verdade noites, não dias. Jogadores de pôquer são notívagos, os torneios começam às 20h e vão até o galo cantar quando um e só um terá derrotado todos os demais.

Cinco dias depois de acontecer o Vip 30K a coisa mudou de patamar porque centenas de jogadores de todo o país se reuniram durante uma semana no Infinity Blue Resort e Spa, pagando R$ 1.500,00 a inscrição, para disputar R$ 1 milhão em prêmios no Kings Series of Poker.

O Kings Series é promovido pela primeira empresa catarinense a se meter em voos nessas alturas. Ela bloqueou o hotel para revender a hospedagem e lucrar também com isso.

Lotado o Infinity, com despesa de hospedagem média de R$ 3.000,00 para duas pessoas, os organizadores passaram a bloquear apartamentos no Marambaia Cassino Hotel.

A Kings Eventos se tornou em oito anos a principal concorrente na região sul do país da Brasilian Series of Poker (BSOP) que já realizou torneios milionários aqui na praia, mas não tem nada previsto para Balneário em seu calendário 2017.

A Kings tem crescido usando a mesma estratégia de mercado de alguns clubes de pôquer: inscrições mais baratas nos torneios e prêmios altos. Neste ano pretende realizar cinco torneios grandões, mais um deles aqui, em agosto.

A conta é simples: no último que realizou em Balneário, pagou R$ 1.080.000,00 de prêmio e arrecadou R$ 1.450.000,00 em inscrições. Sem contar as inscrições e prêmios nos 21 torneios paralelos ao evento principal, comissão na hospedagem etc.

No pôquer a emoção de ganhar usando o cérebro

Balneário Camboriú é a capital do pôquer em Santa Catarina. Quem me disse isso foi uma figura conhecida em todo o Brasil e que pelas artes do coração acabou morando em nossa cidade.

Ele, Fábio “Mamute” Rodrigues era locutor de torneios de pôquer. Ela (Fernanda) era dealer (a pessoa que dá as cartas e controla o jogo). Um gostou do outro; ela residia aqui e com isso seis anos atrás Balneário Camboriú passou a ter mais um morador.

Mamute dirige a parte técnica da VIP e usa sua experiência com promoções para atrair jogadores num mercado disputado com outra empresa, a 4 Aces Poker Club, na Quarta Avenida.

A estimativa é que a cidade tenha uma centena de jogadores que se dividem entre os dois clubes todas as noites.

Os prêmios são proporcionais ao valor da inscrição. Às vezes os clubes promovem torneios com prêmios garantidos, independente de quantos inscritos houver.

No dia a dia as premiações costumam variar entre R$ 1.000,00 até R$ 10.000,00. Cerca de 10% dos jogadores inscritos são premiados, o dinheiro do prêmio é dividido proporcionalmente ao desempenho de cada um.

Estima-se que Santa Catarina tenha uma centena de clubes de pôquer, na maioria pequenos, com uma ou duas mesas. Clubes maiores são uma dúzia e meia e Balneário Camboriú tem dois deles.

Quando os prêmios são atraentes os jogadores viajam. Um que veio de Joinville para tentar se classificar ao 30K disse que é pertinho e apontou outros dez jogadores presentes na sala que são daquela região.

O potencial para os clubes de pôquer é grande, estima-se que no Brasil existam mais de seis milhões de jogadores online e que o número continue crescendo.

Isso ocorre porque o pôquer e emocionante, evoluir no jogo, ganhar de vez em quando, mesmo que pequenas quantias, é gratificante.
Se tiver oportunidade experimente, o máximo que você tem a perder é um pouco de dinheiro.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Waldemar Cezar Neto/Página 3

Balneário Camboriú é a capital catarinense do pôquer

Prêmios diários podem chegar a R$ 10 mil

Publicidade

Segunda, 6/3/2017 18:14.

Por Waldemar Cezar Neto

O ambiente é bem decorado, limpo, iluminado, sem fumaça de cigarros ou barulho. Bem diferente das salas de jogatina de antigamente, vistas como antros de pecado e perdição.

O salão reúne pessoas que usam a mente, o raciocínio lógico, a psicologia e a matemática para derrotar os adversários. E elas parecem se orgulhar disso.

Algumas ostentam figurino parecido com o que se vê nas transmissões da TV, bonés enterrados na cabeça, óculos escuros... mas, independente da aparência, todas estão ali com o mesmo objetivo, embolsar os prêmios em dinheiro dos torneios de pôquer.
O pôquer é um esporte mental, por isso permitido pelas autoridades.

Eu jogo pôquer em casa com amigos e também online, mas nunca tinha entrado num clube de pôquer. Sempre achei que lá dentro seria lesado, iriam me “pelar”.

Não funciona assim, o dinheiro nesta atividade está no jogo limpo e não no sujo. Os torneios equilibram as mesas, não existem cartas marcadas, posições pré-escolhidas, é tudo sorteado na hora, feito às claras, com profissionalismo e envolvendo relativamente pouco dinheiro.

Duas semanas atrás ocorreu um torneio valendo R$ 30 mil em prêmios, (30K no jargão do setor), comemorativo aos três meses de vida do mais novo clube de pôquer da cidade, o VIP, na Terceira Avenida.

Fui lá, me inscrevi para uma classificatória e depois de perder R$ 50,00 fui eliminado. Eu poderia ter tentado mais duas vezes de R$ 30,00 –e provavelmente totalizar R$ 110,00 em perdas, mas não queria correr o risco de ganhar e passar a noite jogando, desejava apenas sentir o clima.

A final do 30K aconteceu no domingo (12), coroando cinco dias de classificatórias. Na verdade noites, não dias. Jogadores de pôquer são notívagos, os torneios começam às 20h e vão até o galo cantar quando um e só um terá derrotado todos os demais.

Cinco dias depois de acontecer o Vip 30K a coisa mudou de patamar porque centenas de jogadores de todo o país se reuniram durante uma semana no Infinity Blue Resort e Spa, pagando R$ 1.500,00 a inscrição, para disputar R$ 1 milhão em prêmios no Kings Series of Poker.

O Kings Series é promovido pela primeira empresa catarinense a se meter em voos nessas alturas. Ela bloqueou o hotel para revender a hospedagem e lucrar também com isso.

Lotado o Infinity, com despesa de hospedagem média de R$ 3.000,00 para duas pessoas, os organizadores passaram a bloquear apartamentos no Marambaia Cassino Hotel.

A Kings Eventos se tornou em oito anos a principal concorrente na região sul do país da Brasilian Series of Poker (BSOP) que já realizou torneios milionários aqui na praia, mas não tem nada previsto para Balneário em seu calendário 2017.

A Kings tem crescido usando a mesma estratégia de mercado de alguns clubes de pôquer: inscrições mais baratas nos torneios e prêmios altos. Neste ano pretende realizar cinco torneios grandões, mais um deles aqui, em agosto.

A conta é simples: no último que realizou em Balneário, pagou R$ 1.080.000,00 de prêmio e arrecadou R$ 1.450.000,00 em inscrições. Sem contar as inscrições e prêmios nos 21 torneios paralelos ao evento principal, comissão na hospedagem etc.

No pôquer a emoção de ganhar usando o cérebro

Balneário Camboriú é a capital do pôquer em Santa Catarina. Quem me disse isso foi uma figura conhecida em todo o Brasil e que pelas artes do coração acabou morando em nossa cidade.

Ele, Fábio “Mamute” Rodrigues era locutor de torneios de pôquer. Ela (Fernanda) era dealer (a pessoa que dá as cartas e controla o jogo). Um gostou do outro; ela residia aqui e com isso seis anos atrás Balneário Camboriú passou a ter mais um morador.

Mamute dirige a parte técnica da VIP e usa sua experiência com promoções para atrair jogadores num mercado disputado com outra empresa, a 4 Aces Poker Club, na Quarta Avenida.

A estimativa é que a cidade tenha uma centena de jogadores que se dividem entre os dois clubes todas as noites.

Os prêmios são proporcionais ao valor da inscrição. Às vezes os clubes promovem torneios com prêmios garantidos, independente de quantos inscritos houver.

No dia a dia as premiações costumam variar entre R$ 1.000,00 até R$ 10.000,00. Cerca de 10% dos jogadores inscritos são premiados, o dinheiro do prêmio é dividido proporcionalmente ao desempenho de cada um.

Estima-se que Santa Catarina tenha uma centena de clubes de pôquer, na maioria pequenos, com uma ou duas mesas. Clubes maiores são uma dúzia e meia e Balneário Camboriú tem dois deles.

Quando os prêmios são atraentes os jogadores viajam. Um que veio de Joinville para tentar se classificar ao 30K disse que é pertinho e apontou outros dez jogadores presentes na sala que são daquela região.

O potencial para os clubes de pôquer é grande, estima-se que no Brasil existam mais de seis milhões de jogadores online e que o número continue crescendo.

Isso ocorre porque o pôquer e emocionante, evoluir no jogo, ganhar de vez em quando, mesmo que pequenas quantias, é gratificante.
Se tiver oportunidade experimente, o máximo que você tem a perder é um pouco de dinheiro.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade