Jornal Página 3

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Romance conta a história da criação do Chanel nº 5 com base em fatos reais

Terça, 8/1/2019 12:21.

TETÉ RIBEIRO
FOLHAPRESS - O nascimento do Chanel nº 5 é intimamente ligado à vida amorosa de sua idealizadora, Gabrielle "Coco" Chanel (1883-1971). Em 1919, a estilista já era um nome de sucesso entre a elite parisiense, que vestia suas criações modernas e livres de espartilhos e outros excessos da época.

Aos 36 anos, era uma mulher rica e há 10 vivia com seu grande amor, o diplomata britânico Arthur "Boy" Chapel, apesar de ele ter se casado com uma nobre inglesa pouco mais de um ano antes e com esta ter tido um bebê de nove meses. Tudo ia bem na vida de Coco, até que Boy sofre um acidente de carro fatal na estrada que o levaria a Cannes, onde procuraria uma casa para alugar para passar o Natal com sua amante.

A notícia da morte de Boy leva a costureira à uma depressão profunda, que preocupa os amigos, em especial Misia Sert (1872-1950), sua amiga mais próxima, e seu marido, José Sert (1876-1945).

O casal resolve levar Coco Chanel quase à força para uma viagem ao sul da França, na qual ela decide por em prática o último projeto que tinha junto de seu amante: a criação de uma água de toalete para dar de presente às suas melhores clientes. A ideia era mandar fazer não mais que 100 frascos do perfume, mas o aroma tinha que refletir a filosofia da estilista, ser tão moderno e sensual quanto ela.

Até o começo do século 20, os perfumes quase sempre tinham apenas uma nota, ou seja, um cheiro, e nem sempre tinham muita aderência à pele portanto se dissipavam rapidamente.

O novo plano profissional funciona como um antidepressivo para Chanel, que aos poucos vai retomando sua vida profissional, social e, por fim, amorosa. Ela se envolve com o compositor Igor Stravinsky (1882-1971), também casado e pai de quatro crianças com uma ex-bailarina de saúde frágil, e acaba por hospedar toda a família dele na casa que dividia com Boy, ao norte de Paris.

Enquanto isso, ela mesma passa a se hospedar em uma suíte no hotel Ritz, hábito que manteve até o fim de sua vida, em 1971.

Depois da paixão de Stravinsky, que ameaça deixar a mulher e seguir Chanel o resto da vida, ela conhece um outro russo, desta vez o príncipe Dimitri Pavlovitch Romanov (1891-1942), com quem também se envolve. E é Dimitri quem a ajuda na busca de um perfumista, Ernest Beaux, que teria criado um aroma para a imperatriz Catarina 2ª, conhecida como a Grande (1729-1796), que inspiraria Chanel em sua criação mais famosa.

Eram os anos 20, e Paris era o centro do universo para os iluministas. Chanel convivia com artistas e intelectuais como Pablo Picasso (1881-1973) e Jean Cocteau (1889-1963), mas não era aceita pela elite, por seu passado pobre.

Eis o pano de fundo para o romance "Mademoiselle Chanel e o Cheiro do Amor", escrito pela alemã Michelle Marly, recém-lançado no Brasil pela editora Tordesilhas. Na Alemanha, a obra vendeu 100 mil exemplares.

O livro tem uma curiosidade: sua capa exala algumas notas do perfume que outra diva, a atriz Marilyn Monroe, famosamente disse ser a única coisa que usava para dormir.

A técnica usada para que isso aconteça se chama microencapsulamento e é um charme a mais de um livro que tem seus altos e baixos.

Entre os altos, a trama, o cenário e os personagens, imbatíveis. Entre os baixos, o estilo da narrativa, algo irritante, afetado e, por que não?, antigo -o oposto do que Coco Chanel foi em vida e representa para a moda e os costumes até hoje.

MADEMOISELLE CHANEL E O CHEIRO DO AMOR

Autor: Michelle Marly
Editora: Tordesilhas
Tradução: Claudia Abeling
Preço: R$ 39,90 (288 págs.)
Avaliação: bom 

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade



Cidade

O presidente da Caixa parece ter concordado com a necessidade de preservação


Variedades

No Sardinhas Bar e Bistrô, em Itajaí, o melhor do jazz e da música instrumental brasileira.


Cidade

Um cano rompido levava o esgoto para o pluvial


Esportes

A recordista dos 100m e 200m rasos é de Balneário Camboriú


Publicidade


Publicidade


Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade



Publicidade

Página 3

Romance conta a história da criação do Chanel nº 5 com base em fatos reais

Terça, 8/1/2019 12:21.

TETÉ RIBEIRO
FOLHAPRESS - O nascimento do Chanel nº 5 é intimamente ligado à vida amorosa de sua idealizadora, Gabrielle "Coco" Chanel (1883-1971). Em 1919, a estilista já era um nome de sucesso entre a elite parisiense, que vestia suas criações modernas e livres de espartilhos e outros excessos da época.

Aos 36 anos, era uma mulher rica e há 10 vivia com seu grande amor, o diplomata britânico Arthur "Boy" Chapel, apesar de ele ter se casado com uma nobre inglesa pouco mais de um ano antes e com esta ter tido um bebê de nove meses. Tudo ia bem na vida de Coco, até que Boy sofre um acidente de carro fatal na estrada que o levaria a Cannes, onde procuraria uma casa para alugar para passar o Natal com sua amante.

A notícia da morte de Boy leva a costureira à uma depressão profunda, que preocupa os amigos, em especial Misia Sert (1872-1950), sua amiga mais próxima, e seu marido, José Sert (1876-1945).

O casal resolve levar Coco Chanel quase à força para uma viagem ao sul da França, na qual ela decide por em prática o último projeto que tinha junto de seu amante: a criação de uma água de toalete para dar de presente às suas melhores clientes. A ideia era mandar fazer não mais que 100 frascos do perfume, mas o aroma tinha que refletir a filosofia da estilista, ser tão moderno e sensual quanto ela.

Até o começo do século 20, os perfumes quase sempre tinham apenas uma nota, ou seja, um cheiro, e nem sempre tinham muita aderência à pele portanto se dissipavam rapidamente.

O novo plano profissional funciona como um antidepressivo para Chanel, que aos poucos vai retomando sua vida profissional, social e, por fim, amorosa. Ela se envolve com o compositor Igor Stravinsky (1882-1971), também casado e pai de quatro crianças com uma ex-bailarina de saúde frágil, e acaba por hospedar toda a família dele na casa que dividia com Boy, ao norte de Paris.

Enquanto isso, ela mesma passa a se hospedar em uma suíte no hotel Ritz, hábito que manteve até o fim de sua vida, em 1971.

Depois da paixão de Stravinsky, que ameaça deixar a mulher e seguir Chanel o resto da vida, ela conhece um outro russo, desta vez o príncipe Dimitri Pavlovitch Romanov (1891-1942), com quem também se envolve. E é Dimitri quem a ajuda na busca de um perfumista, Ernest Beaux, que teria criado um aroma para a imperatriz Catarina 2ª, conhecida como a Grande (1729-1796), que inspiraria Chanel em sua criação mais famosa.

Eram os anos 20, e Paris era o centro do universo para os iluministas. Chanel convivia com artistas e intelectuais como Pablo Picasso (1881-1973) e Jean Cocteau (1889-1963), mas não era aceita pela elite, por seu passado pobre.

Eis o pano de fundo para o romance "Mademoiselle Chanel e o Cheiro do Amor", escrito pela alemã Michelle Marly, recém-lançado no Brasil pela editora Tordesilhas. Na Alemanha, a obra vendeu 100 mil exemplares.

O livro tem uma curiosidade: sua capa exala algumas notas do perfume que outra diva, a atriz Marilyn Monroe, famosamente disse ser a única coisa que usava para dormir.

A técnica usada para que isso aconteça se chama microencapsulamento e é um charme a mais de um livro que tem seus altos e baixos.

Entre os altos, a trama, o cenário e os personagens, imbatíveis. Entre os baixos, o estilo da narrativa, algo irritante, afetado e, por que não?, antigo -o oposto do que Coco Chanel foi em vida e representa para a moda e os costumes até hoje.

MADEMOISELLE CHANEL E O CHEIRO DO AMOR

Autor: Michelle Marly
Editora: Tordesilhas
Tradução: Claudia Abeling
Preço: R$ 39,90 (288 págs.)
Avaliação: bom 

Publicidade

Publicidade