- Publicidade -
- Publicidade -
17.1 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Orçado em R$ 13mi, projeto do Parque Linear do Rio Marambaia está tramitando na Câmara de Vereadores

Está tramitando na Câmara de Vereadores de Balneário Camboriú o projeto do novo Parque Linear do Rio Marambaia (confira aqui). Orçado em R$ 13 milhões (veja a tabela aqui), a ‘Operação Urbana Consorciada– Parque Linear Marambaia’ quer autorizar o governo municipal a captar o valor por meio de outorgas onerosas da construção civil.

O futuro parque, se sair do papel, será baseado em um projeto do escritório Arquipólis, de Enio Faqueti, apresentado em 2013. A ideia é tornar o Rio Marambaia, um ponto crítico de Balneário Camboriú há anos, em um atrativo turístico da cidade, além de auxiliar na despoluição. 

A prefeitura já realizou duas dragagens no rio nos últimos anos, mas agora pretende fazer de fato um parque, com áreas para a comunidade aproveitar o entorno. 

- Publicidade -
(Foto Arquipolis Arquitetura)

O projeto divide a região em quatro setores (setor 1 entre a Rua Julieta Lins, Avenida Brasil e a Avenida Atlântica, setor 2 entre as ruas Osmar de Souza Nunes, Julieta Lins, Av. Brasil e Av. Atlântica, setor 3 entre as ruas 2001, Osmar de Souza Nunes, Av. Brasil e Av. Atlântica e setor 4 entre as ruas 1.801, 1.901 e 2.001 e Av. Brasil e Atlântica).

O presidente da Associação de Moradores do Bairro dos Pioneiros, César Rafael Sedrez Gonzaga, explica que não há um prazo para a obra começar porque é agora que ‘as coisas estão andando’ – o IMA está estudando o projeto, que também está tramitando na Câmara. 

“Não dá para dizer quando vai começar, mas eu acredito que nos próximos dois ou três meses devemos ter algo. Há todo um levantamento de vegetação e estrutura que precisa ser atualizado, a própria dragagem mexeu com alguma coisa ali também. Então, isso tudo vai estar em um inventário, e também estão fazendo um serviço topográfico”, pontua.

Gonzaga aponta que a aprovação da Câmara de Vereadores é importante para o andamento, e analisa que como a ideia é que o orçamento seja por outorga acaba sendo um benefício, já que as próprias empresas vão pagar. 

“Então o financeiro até é tranquilo. Eu creio que até o meio do ano, junho ou julho, deve estar iniciando. Não estou dando prazo nenhum, mas é o que eu acredito. Eu acho que já foi uma grande vitória nós conseguirmos desengavetar um projeto de mais de 10 anos, que vai dar uma atenção especial à situação do Rio Marambaia, vai mostrar ele com outro foco, pode ser até um ponto turístico. Eu vou ter muita atenção em cima disso porque eu quero que fique uma coisa legal”, acrescenta.

O presidente da AMPI também comenta que sonha em ter a Univali junto no projeto, por conta da expertise que a instituição possui. 

“Vou fazer isso, é a minha intenção e um sonho ter a Univali com a gente. Todo esse projeto é um sonho que está se tornando realidade, que nem eu acreditava. Essas pessoas estão há anos brigando por isso e conseguimos desengavetar esse projeto, que era muito utópico, e estamos conseguindo colocar em pauta”, completa.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -