- Publicidade -
- Publicidade -
21.8 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Economia da Semana

BR-101: desafios no Litoral de SC 

Quem trafega com frequência pela BR-101 em SC costuma sentir na pele o problema dos congestionamentos em um trecho que é considerado um dos principais gargalos de infraestrutura do Estado: o trajeto que corta as cidades de Navegantes, Itajaí, Balneário Camboriú e Itapema. Esta faixa do Estado, famosa pelo recente crescimento do mercado de imóveis e do turismo, inclui quatro das 10 cidades que mais ganharam moradores na última década, segundo o Censo 2022. Também foram responsáveis por R$ 75 bilhões, 17% de tudo o que foi produzido pelo Estado em 2021, conforme dados do PIB por municípios, divulgado pelo IBGE. 

Transtornos 

- Publicidade -

Os transtornos vão muito além de atrasos e impaciência no trânsito. Reconhecida pela atividade portuária, com os terminais de Itajaí e Navegantes, responsáveis por metade da movimentação dos portos de SC, a região deixa presos nas filas caminhões com cargas de indústrias catarinenses. O resultado é prejuízo à eficiência logística, às empresas e até mesmo ao Estado, com o consequente impacto na arrecadação. A região tem basicamente dois grandes gargalos do ponto de vista de infraestrutura. O primeiro é a mobilidade, com a sobrecarregada BR-101, a necessidade de conclusão da duplicação da BR-470, que liga o Litoral ao Vale, que se arrasta há anos e vias de acesso aos portos, segundo o presidente da Associação de Municípios da Foz do Rio Itajaí. A segunda urgência de infraestrutura são os próprios portos com ampliação dos canais de acesso, para permitir a entrada e saída de embarcações maiores de 400 metros. Atualmente, os terminais recebem no máximo navios de 350 metros. 

Corretora 

Pela primeira vez em sua história de 50 anos, o Conselho de Corretores de Imóveis de SC (Creci-SC) tem uma mulher na presidência. A joinvilense Rubia Tânia Welter, que ocupava a 1ª vice-presidência, assumiu a função com a licença do presidente Fernando Willrich. Detalhe: nos últimos dois anos passou de 33% para 40% a presença feminina delas credenciadas no conselho. 

Cesta básica (1)

Ficou para o futuro, uma emenda com tal proposta foi rejeitada, a ideia de se incluir peixe e linguiça na cesta básica catarinense. Se incluída acabaria com a absurda tributação de 41% de ICMS sobre ambos. Os produtos que já estão na cesta e tem 7% daquele tributo. 

Cesta básica (2)

A cesta básica de Brusque continua apresentando o 13º maior preço entre as 18 cidades onde a pesquisa é realizada, custando R$ 619,95 em novembro, com um aumento de 1,17% em relação a outubro. Além de Brusque, o Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos) realiza mensalmente a Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos em 17 capitais. No município, a pesquisa é realizada por meio de uma parceria com o Fórum de Entidades Sindicais de Trabalhadores de Brusque e Região (Fórum Sindical) e com o Sindicato dos Trabalhadores Têxteis (Sintrafite). 

- Publicidade -

Para pequenos negócios 

Para este ano, os pequenos negócios de SC terão mais opções de crédito acessível pelos projetos aprovados. O presidente do Conselho de Administração do Badesc informa que vai colaborar com o governador para estruturar a operacionalização do Programa Estadual de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte Catarinenses, o Pronampe-SC, aprovado na Assembleia Legislativa. O Pronampe Emergencial, para empresas afetadas pelas enchentes, já está em vigor e com alta adesão. O Pronampe permanente tem uma linha geral para pequenas empresas, uma para mulheres e outra para inovação. Essas últimas vão emprestar até R$ 150 mil para investimentos. 

Carrocerias Diegoli 

A fábrica de carrocerias de ônibus de Brusque (SC), ativa nas décadas de 60 e 70. Seu estilo seguia as tendências da “escola” gaúcha, especialmente da Eliziário. Fornecendo predominantemente para o mercado nacional, a empresa também logrou relativo sucesso no transporte de longa distância, especialmente nos estados do norte, talvez por sua parecença com a Eliziário, tomando-se um sucedâneo mais barato daquela que era considerada, na época, a “rainha” das carrocerias rodoviárias. Mais adiante, nos últimos anos da década de 60, a Diegoli atualizou seu projeto, que entretanto manteve as linhas austeras, algo semelhantes aos mais recentes lançamentos da Nicola. A empresa não sobreviveu ao crescimento e modernização dos concorrentes, encerrando as atividades na primeira metade dos anos 70.

Parques aquáticos 

Os parques aquáticos têm ganhado cada vez mais espaço no turismo catarinense com atrações para todos os públicos. Em Piratuba, por exemplo, as piscinas com águas termais atraem milhares de visitantes todos os anos. Em Alfredo Wagner, os toboáguas radicais são perfeitos para quem busca uma atração repleta de adrenalina. Florianópolis, Gaspar, Itajaí, Porto Belo e outras cidades oferecem ao visitante a oportunidade de escapar da areia e aproveitar um dia na piscina ao lado da família e amigos.  

BMW

Os responsáveis pela vinda da BMW Group Brasil para SC comemoram, em rede social, o anúncio de aumento de 10% (11 mil unidades) na produção da planta de Araquari a partir de 2024. Adicionalmente, a força de trabalho também aumentará em 5%, com mais 50 colaboradores especializados para apoiar o aumento de produção na maior fábrica de carros premium da América do Sul. 

Risco de perder gigantes do Agro 

Dois fatores ameaçam o pujante agronegócio catarinense. O primeiro deles é a questão logística, com rodovias em condições precárias, saturadas e que aumentam, sobremaneira, o custo do frete. O segundo ponto, não menos importante, é que trazer o grão que serve de insumo na produção está cada vez mais caro. Carecemos de muitas melhorias em infraestrutura. Precisamos de investimentos para nos permitir ter competitividade e expandir negócios, ou outros estados que tenham vantagens logísticas podem atrair as nossas empresas. Corremos esse risco, não apenas pelo fator logístico, mas pelas regiões que são mais produtoras de grãos, segundo o presidente da Cooperativa Aurora Alimentos. 

Manutenção do ICMS 

O Conselho das Federações Empresariais de SC reuniu-se com o governador de SC e destacou a importância da decisão dele de não aumentar o ICMS no estado. O encontro foi realizado na Federação das Indústrias de SC, em Florianópolis. Segundo o presidente da  Fiesc, “prestamos um agradecimento ao governador pela sua atitude corajosa e inteligente de não aderir à proposição de aumentar os impostos. Esse foi um compromisso e o senhor tem honrado”. 

Caged novembro 

O Caged de novembro registrou 130 mil novos empregos registrados. O comércio registrou (+88.760), Serviços (+92.620), Agropecuária (-21.017), Construção civil (-17.300) e Indústria (-12.911). Os destaques nos Estados foram: São Paulo (+47.273), Rio de Janeiro (+23.514), Rio Grande do Sul (+11.799), Paraná (+7.842) e Pernambuco (+7.664). Santa Catarina teve aumento de (+6.672). Em SC, os municípios com maior destaque foram: Florianópolis (+1.580), Joinville (+853), São José (+570), Itajaí (+448) e Balneário Camboriú (+432). Rio do Sul (-210), Blumenau (-202), Concórdia (-199), São João Batista (-191) e Gaspar (-155). Nova Trento (-127) e Brusque (-90) foram os destaques negativos.  

Oportunidades 

O agronegócio é hoje a principal locomotiva da economia brasileira. Segundo dados do Centro de estudos Avançados em Economia Aplicada, em parceria com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, o PIB do setor pode avançar R$ 2,63 trilhões. Considerando-se também o desempenho da economia brasileira como um todo, até o momento, o agro pode responder por 24,4% do PIB do País em 2023. Os expressivos números atraem cada vez mais os empreendedores que enxergam nesse cenário excelentes oportunidades. Outro setor em crescimento é o franchising. Somente no terceiro trimestre de 2023, o mercado cresceu expressivo 11,4 %. Esse desempenho demonstra a solidez do segmento, tornando-se uma excelente opção de investimento. 

Tendências para o agronegócio 

O 2º semestre de 2023 contou com instabilidades climáticas constantes no território brasileiro. Fortes chuvas na região sul, ondas de calor superando 40 graus em diversos estados brasileiros, todas as situações sob influência do fenômeno El Ninõ. Os impactos dessas variações no clima atingiram diretamente o agronegócio no país. Para 2024, o cenário climático continuará a ditar as regras de como o setor se desenvolverá ao longo do novo ano. A tendência para a próxima safra é de crescimento, em comparação com a safra do ano passado. A expectativa para a cultura é acima de 153 milhões de toneladas, marca alcançada pelo país em 2022. 

Não é fake news

Não é notícia falsa a emitida pelo governo estadual a partir de 1º de janeiro: o custo do gás a ser repassado em tarifa média para os segmentos automotivo, industrial, comercial e residencial terá redução estimada de -8,29 em SC. Considerando os reajustes de janeiro e julho de 2023 em conjunto com este previsto para janeiro, a redução média totalizará -27,9% no custo do gás no Estado. Parece mentira, mas não é. 

Imóveis de luxo 

O Brasil vive um bom momento na comercialização de imóveis de médio e alto luxo. No ano de 2022, por exemplo, teve salto de 67% nas vendas em relação a 2021, conforme dados da Associação Brasileira de Imóveis. Em 2023, até setembro, o aumento foi de 18,9% na comparação com os nove meses do ano anterior, analisados os valores comercializados nos nove primeiros meses do ano, houve aumento de 13% na comparação com 2022.

Falso brilhante

Com toda aquela prosperidade que a mídia vem mostrando até com certo exagero. Itapema tem muitos sonegadores de tributos, alguns acima de qualquer suspeita. Acham que nunca vão pagar o que devem, mas não perdem por esperar.  Um acordo que acaba de ser firmado fará com que cada notificação fiscal emitida pela Prefeitura tenha uma cópia para o Ministério Público de SC. Será uma prova nas ações penais que vierem a ser propostas. 

 Nova licitação 

A Secretaria de Infraestrutura de SC reconhece a possibilidade de início da obra no primeiro semestre de 2024. Novidades sobre a obra da intersecção da rodovia Antônio Heil (SC-486) com a BR-101, o novo trevo, podem ser divulgadas em breve. A obra deve custar R$ 80 milhões. A intenção é que sejam construídas quatro alças e dois elevados. A demanda é de interesse principalmente dos municípios de Itajaí e Brusque, pois o intenso tráfego na região afeta diretamente as duas cidades. 

Ex-aluno do Colégio Cônsul 

O ex-aluno do Colégio Cônsul Carlos Renaux, de Brusque, Paulo Henrique Gamba, de 24 anos, marcou seu nome na história da educação universitária catarinense. O jovem recebeu da Universidade Federal de SC, onde se formou no primeiro semestre do ano passado, uma menção honrosa por ter atingido a maior média geral da história do curso de Engenharia de produção Mecânica, que existe desde 1979. Pelo sucesso obtido, o brusquense também recebeu congratulações do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de SC e da Associação Catarinense de Engenheiros. O Colégio, que possui participação importante no currículo do jovem, não escondeu o orgulho e a satisfação em ver mais um diamante lapidado brilhando no estado.

Aids ainda mata 

Nos últimos 10 anos, SC registrou queda de 30% no coeficiente de mortalidade por aids, que passou de 6,5 para 4,5 óbitos por 100 mil habitantes. Em 2022, o Estado registrou 455 óbitos tendo o HIV ou a aids como causa básica, 7,8% menos que os 494 em 2012. Entre as capitais, Florianópolis registrou 9,7 mortes para cada 100 mil habitantes no ano passado, número superior à taxa nacional. As informações são do novo Boletim Epidemiológico sobre HIV/aids, do Ministério da Saúde, que também aponta taxa detecção de aids de SC de 25,3 casos por 100 mil habitantes. 

PIB de Brusque 

Brusque teve um crescimento expressivo de 24,5% no PIB no ano de 2021, de acordo com dados divulgados pelo IBGE. A soma de todos os bens e serviços finais produzidos pelo município resultou em pouco mais de R$ 8,7 bilhões, contra R$ 7 bilhões do ano anterior. Com esses números, Brusque se mantém como a nona maior economia do estado, à frente de cidades como Palhoça e Lages, que têm população maior e também de Balneário Camboriú. Itajaí é a primeira de SC, com valor de R$ 47,7 bilhões e um crescimento de 11,14%, seguida de Joinville com R$ 45,1 bilhões e um crescimento de 10,52%. A terceira cidade com maior PIB é Florianópolis com R$ 23,6 bilhões e um crescimento de 5,5%. Blumenau ostenta a quarta posição em SC com R$ 50,6 bilhões e um crescimento de 4,7%. 

Câmeras policiais 

Decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo permite que policiais militares não usem câmeras nos uniformes nas operações, criando enorme polêmica. Decisões judiciais aqui e ali fazem com que apenas 6,6% dos PMs do país usem o dispositivo. SC é uma honrosa exceção: tem o maior percentual de agentes monitorados (22,6% da tropa). A medida foi implementada em 2022, antes do atual governador assumir. Alguns deputados eram contra as câmeras, mas o governador tem projeto de modernizar a farda dos PMs sem tirar o equipamento. 

Atenção maior 

A partir de um questionário aplicado a seus próprios membros e uma pesquisa de opinião pública em que pediu a indicação dos que poderiam ser os temas mais relevantes para sua atuação no biênio 2024/2025, o Ministério Público de SC reuniu tudo e a área criminal foi a mais citada, seguida pelas de moralidade administrativa, infância e juventude, saúde pública e direitos humanos. 

Escolas militares

Bancadas políticas na Assembleia Legislativa estão unidas numa garantia: de que as nove escolas cívico-militares continuarão funcionando em 2024 em SC, com acréscimo de mais uma, em Joinville. Como o atual presidente as suspendeu, os militares do Exército e da Marinha, principalmente, que integravam seu corpo docente, serão substituídos por integrantes da Polícia Militar e dos Bombeiros Militar catarinenses. 

Sem endereço 

Que sirva de exemplo para outras prefeituras o programa Floripa Regular, em Florianópolis, que visa regularizar vielas, servidões e ruas que existem há décadas, mas nunca foram oficializadas, gerando todo tipo de humilhação a seus moradores que, no final das contas, não tem um endereço. Vivem nessa situação, na capital catarinense, cerca de 25 mil famílias. 

Mais notícias

acdiegoli.blogspot.com

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -