- Publicidade -
21.7 C
Balneário Camboriú

“LIVROS & LIVROS” JJLEAL, O CRONISTA

Depois de longa e bem-sucedida carreira no Ministério Público e como professor universitário, João José Leal vem se dedicando ao gênero literário que mais o agrada: a crônica. Publicou agora mais um livro do gênero sob o título de “Cinco Tempos” (Editora Secco – Florianópolis – 2021) onde reuniu uma seleção de trabalhos focalizando de preferência os temas dominantes em cada um dos segmentos.

No primeiro deles aborda os dias terríveis que vivemos confinados em virtude do Coronavírus, com a constante presença do medo e sempre rondados pela morte. Não obstante, a vida continua a fluir e as pessoas conversam, ainda que temerosas das reuniões. Em textos ágeis e leves o cronista aborda os mais variados aspectos do assunto do momento, inclusive com incursões no passado quando outras pestes assolaram o país e o mundo. Nesse meio não poderiam estar ausentes as conversas femininas em suas costumeiras, ainda que desconfiadas, reuniões. E elas acontecem em toda parte e em todas as camadas sociais. A diferença está em que as madames de Leal se encontram e debatem em amplo e luxuoso salão à beira-mar enquanto as minhas proseiam por cima das cercas chanfradas, no fundo dos lotes, ainda enxugando as mãos no avental nos intervalos das lavagens de roupas.

Já o segundo tempo aborda a chegada da Internet e a revolução por ela causada em todo o mundo com a comunicação instantânea. O cronista se revela grande observador e atento aos efeitos da nova técnica. Como dizia Gilberto Amado, o cronista terá de ser, antes de tudo, um observador minucioso, captando os assuntos “cronicáveis” ao seu redor.  Diante dessa realidade, constata ele, nem os mais críticos da Internet negam que houve um extraordinário avanço nas comunicações. ”Admitem que este século esteja conhecendo uma verdadeira revolução cibernética” – anota o cronista.

Polêmicas, no entanto, surgiram, O cronista escreve: “Mas, dizem os críticos, que esta revolução se restringe ao campo tecnológico e não ao social. Para esses críticos a Internet é apenas um produto da globalização e um poderoso instrumento a serviço do poder dominante para continuar o processo de exploração capitalista das nações pobres e das classes dominadas. Portanto, conforme essa leitura ideologizada, a Internet não deve ser vista como uma rede democrática da comunicação social.” Discorda o cronista dessa visão. Quanto a mim, ainda que usando a Internet e entrando numa discussão que não é minha, tenho minhas dúvidas. Na suspensão das aulas presenciais, milhões de alunos ficaram sem acesso às aulas, fato melancólico que me aconselhou a pensar melhor no assunto.

Nos tempos posteriores o cronista se detém sobre um ror de assuntos. A solidariedade humana, a defesa da Amazônia, o combate à violência, a economia, o futuro do planeta, os grandes poetas, o amor e a esperança, além de outros tantos assuntos são tratados com leveza e algum humor nos pontos adequados. Não faltam sequer algumas lembranças do passado e dos dias inesquecíveis de criança.

E assim JJLeal se firma entre os bons cronistas de nosso Estado. 

- Publicidade -
Enéas Athanázio
Promotor de Justiça (aposentado), advogado e escritor. Tem 59 livros publicados em variados gêneros literários. É detentor de vários prêmios e pertence a diversas entidades culturais. Assina colunas no Jornal Página 3, na revista Blumenau em Cadernos e no site Coojornal - Revista Rio Total.
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -