- Publicidade -
- Publicidade -
21.8 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Em 2024, escolas municipais de Balneário Camboriú vão trabalhar currículo com mais inovação e tecnologia

A partir de 2024, os alunos dos Centros Educacionais Municipais de Balneário Camboriú irão vivenciar o novo referencial curricular de inovação e tecnologia no Ensino Fundamental, tendo um contato maior com tecnologias na sala de aula. A novidade é resultado de um projeto de formação continuada desenvolvido ao longo do ano com 600 professores da rede municipal sob coordenação da Secretaria de Educação e apoio técnico de parceiros.

O secretário de Educação de Balneário Camboriú, Marcelo Achutti, conta que o investimento em tecnologia era um desejo antigo do governo municipal, e que agora estão conseguindo colocar em prática. 

Ele usa como exemplo o CAIC Ayrton Senna da Silva, que recebeu ampliação no laboratório de informática através de emenda parlamentar conquistada pela Câmara Mirim.

“Queremos revitalizar todas as escolas com novos laboratórios de informática. Queremos introduzir como conteúdo semanal para os alunos. O contato com a tecnologia será muito presente na sala de aula – esse é o intuito. Queremos automatizar, melhorar laboratórios, para assim proporcionar essa interação com equipamentos para os alunos e professores”, explica.

- Publicidade -

Na prática, os alunos dos Centros Educacionais Municipais terão conteúdos de computação inseridos de forma progressiva no cotidiano escolar, seguindo o Parecer CNE/CEB 02/2022 (homologado pelo Ministério da Educação), em atividades envolvendo o uso ou não de dispositivos eletrônicos. 

Nos anos iniciais (1º a 5º), a inclusão acontece de forma interdisciplinar; nos anos finais (6º ao 9º), estará nas disciplinas de Matemática e Ciências.

Divulgação/PMBC

O referencial utilizado pelas escolas municipais de Balneário Camboriú foi elaborado de forma conjunta pelos profissionais de educação participantes sob a supervisão técnica da Universidade do Vale do Itajaí, que busca servir como suporte e inspiração para o aproveitamento orientado, criativo, inovador e bem-sucedido de conceitos computacionais nos ambientes de estudo. 

O documento, sistematizado em formato digital, está organizado nos eixos Pensamento Computacional, Mundo Digital e Cultura Digital e conta com a aprovação do Conselho Municipal de Educação.

Segundo o professor Juliano Júnior Machado, de Balneário, para elaborar o documento foram realizadas sequências didáticas adaptando determinados conteúdos ensinados de forma tradicional na sala de aula, utilizando ferramentas inovadoras. 

Em média, 80 horas de estudos foram ministradas em encontros presenciais, conforme a área de atuação do professor. 

A Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Instituto Federal Catarinense (IFC) e Instituto Itaú Social também contribuíram com o projeto na condição de formadores.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -