Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Especial
Conheça o currículo e as ideias dos sete novos vereadores de Balneário Camboriú

Os vereadores reeleitos falam de suas propostas para este novo mandato. Veja também opiniões de quem não se elegeu.

Quinta, 19/11/2020 10:47.
Alessandro Kuehne, Anderson dos Santos, Carlos Fernandes, Cristiano dos Santos, Eduardo Zanatta, Juliana Pavan e Victor Forte

Publicidade

Por Marlise Schneider Cezar e Renata Rutes
A eleição municipal ocorrida no último domingo (15), ficará marcada pela pandemia de Covid-19, que elevou o índice de abstenção para 31,80%. A cidade reelegeu o prefeito, Fabrício Oliveira, e seu vice, Carlos Humberto Metzner Silva, e 12 vereadores. A renovação legislativa se resumiu a sete vereadores, entre eles, uma só mulher. Além da baixa renovação, esta eleição reforçou uma realidade que não combina muito com a moderna e contemporânea Balneário Camboriú: a mulher não tem espaço no ambiente político.
O Página 3 apresenta nesta semana os novos vereadores e fez para eles a mesma pergunta: Quais serão os três primeiros projetos que você defenderá no Legislativo? Confira:

.

Victor Hugo Silva Forte (PL), 23 anos, eleito com 1.119 votos, é formado em Direito, sendo o vereador mais novo da história de Balneário Camboriú, cidade onde nasceu e cresceu, é solteiro e não tem filhos. Victor foi presidente do Partido Liberal (PL) Jovem de Balneário Camboriú, presidiu o PL Jovem de Santa Catarina

“Através do movimento estadual, montei diversos polos do PL Jovem pelo Estado, incentivando a juventude a entrar na política. Trabalhei bastante para me eleger, eu já havia sido candidato aos 18 anos (o candidato mais jovem da história da cidade também), e desta vez conquistei a vitória. O que mais me indigna é o candidato que some quando se elege, por isso tenho o projeto do gabinete móvel. Já estou vendo com os meus pais para comprar uma van, e irei em cada bairro para escutar a comunidade, a exemplo da vereadora Inalda do Carmo, de Camboriú. Não queremos ficar trancados na Câmara, pois vejo que os vereadores devem trabalhar pelo interesse das pessoas, e por isso é preciso estar na rua. Meu segundo projeto é o Castra Móvel, porque vejo que é necessário ampliar o número de castrações dos animais de rua na cidade. Sei que há um projeto da prefeitura com a ONG Viva Bicho, através de um convênio, mas quero ‘puxar’ essa responsabilidade para o município. Já solicitei inclusive uma emenda para conseguir uma van e equipá-la para esse serviço. O terceiro é um modelo de gestão de mandato, um mandato compartilhado e participativo. Propus isso e vou cumprir, quero que as pessoas me auxiliem, apresentem projetos de lei, há muitas ideias e não quero que dependa apenas de mim”.


Anderson dos Santos (Podemos), 37 anos, eleito com 1.063 votos, é corretor de imóveis. Natural de Blumenau, mora há 16 anos em Balneário; casado com Vanessa Correia e pai de três filhos: Bernardo, 14 anos, Maria Clara, 10 anos e Miguel, 4 anos

“Apoiarei o Projeto Rio Camboriú 2030, desenvolvido pela Univali e Comitê Rio Camboriú na construção de ações para recuperação do Rio Camboriú, eliminando o despejo de esgoto e revitalização das margens do rio. Apresentarei também o projeto Vereadores por toda cidade, para que todos os vereadores estejam presentes em todos os bairros e defenderei a modernização do mercado imobiliário, propondo ações para melhorar a prática imobiliária, possibilitando maior agilidade e facilidade para todos os agentes imobiliários, a volta do balcão do corretor e a emissão imediata do ITBI”.


Juliana Pavan Von Borstel (PSDB), 37 anos, conhecida como Ju Pavan (‘Ju para amigos e Ana para a família’), eleita com 994 votos, é empresária e apresentadora de TV, casada com Neto Von Borstel e mãe de Maria Giulia Von Borstel, de 15 anos. Juliana nasceu e viveu a vida toda em Balneário Camboriú, e desde pequena foi cercada pelo meio político por conta de seus pais (Leonel e Maria Bernardete Pavan)

“Após ver a falta de mulheres envolvidas na política, e me deparar com a cidade que nasci tomando um rumo inferior ao que a população de BC merece, decidi me envolver de uma forma mais ativa no meio político, e me tornei presidente do PSDB Mulher. E neste ano, durante a pandemia do Coronavírus, decidi colocar meu nome à disposição como candidata. Não aguentei mais ver tantas injustiças, falta de investimento e diferenças sociais só crescendo e ficar de braços cruzados. Queria expandir o trabalho que já realizava pela comunidade através da Fundação Rodesindo Pavan, e do programa que fiquei à frente por cinco anos, o Muito Mais Você com Ju Pavan. E claro, também reforçar o olhar feminino e sensível da mulher para que pudessem ajudar e solucionar muitos problemas esquecidos pela maioria dos políticos. Vejo que além da representatividade feminina no Legislativo, a mulher tem um papel fundamental de caracterizar a Câmara com a sua sensibilidade, força, garra e visão da categoria feminina. A importância nesse momento de ser a única mulher é saber que representa cada mulher e que estando em um número desigual a luta será ainda maior, pois somente uma mulher entende as necessidades de outra, e a importância de projetos que abracem a causa. Algo que tenho como verdade é de que, a cidade só é boa para o turista se ela for boa para quem nela mora, por isso, meus principais compromissos são resgatar o projeto Leite Amigo Pão, o qual ajudou muitas famílias na época que estava ativo. O projeto Leite Amigo Pão tornou-se referência nacional, pois aliava inclusão social com garantia de permanência dos estudantes na sala de aula. Infelizmente, esta ação foi descontinuada, prejudicando nossas crianças, que deixaram de receber da prefeitura apoio em forma de segurança alimentar e nutricional. Irei propor uma alteração na Lei que gerou o projeto (de 1998), criando ferramenta legal que garanta a volta da distribuição do leite e dos pães para as famílias dos estudantes da rede municipal de ensino. Outro projeto ainda voltado para a comunidade e educação. Passados 30 anos da criação do CIEP Rodesindo Pavan, creio ser necessário cobrar a ampliação do ensino integral em Balneário Camboriú. Defenderei a transformação de duas escolas já existentes em regiões estratégicas da cidade em unidades de ensino com contraturno escolar (uma na Barra – região Sul – e outra no Bairro das Nações – região Norte), propondo também que seja ofertado ensino bilíngue – português/inglês. E para superar os efeitos econômicos negativos da pandemia, cobrarei da Secretaria de Educação para que em parceria com a Secretaria de Turismo e Desenvolvimento Econômico, assim como o Sebrae, sejam promovidos cursos nas escolas municipais orientando nossos jovens quanto ao empreendedorismo, a educação financeira e emocional para inserção no mercado de trabalho”.


Carlos Souza Fernandes (Podemos), 41 anos, conhecido como Kaká, eleito com 929 votos, é natural de Santos/SP, mas reside em Balneário Camboriú há 37 anos. É empresário, casado e tem duas filhas, Milena e Gabriela – de um ano e cinco meses e 10 anos respectivamente. Iniciou sua militância no PL, nas eleições de 2008 e logo após se filiou no PSDB, onde, em 2016, alcançou 974 votos, ficando como 1º suplente do partido, o que lhe permitiu assumir a cadeira por 30 dias em 2017. Agora, está no Podemos, aliado ao prefeito Fabrício de Oliveira

“A vitória é a realização de um sonho e o cumprimento de uma promessa sob a minha vida. Foram anos construindo o caminho até aqui, e dessa vez, com a benção de Deus, alcançamos êxito nas urnas. Agora, é a oportunidade de honrar cada um dos 929 votos de confiança com um trabalho sério e comprometido, legislando para todos os cidadãos de Balneário Camboriú. Meus três primeiros projetos serão: 1) No campo da educação, vou batalhar pelos nossos professores, para aumentar a validade do contrato de ACT de um para dois anos, como já é realidade em alguns municípios próximos, o que garantirá maior segurança ao profissional da educação para elaborar seus projetos pedagógicos e a continuidade destes. 2) Já na área da saúde, nosso município demanda da criação de uma Ala Pediátrica Especializada dentro do Hospital Ruth Cardoso, para que o atendimento infantil não se dê apenas no setor privado ou no Hospital Pequeno Anjo, em Itajaí. Lutarei por essa importante causa, garantindo o acesso público e gratuito a todas as nossas crianças. 3) Na modalidade do esporte, trarei ao nosso município um novo Skate Park Olímpico, para o treinamento e desenvolvimento dos nossos jovens atletas. Tudo isso com o apoio e o compromisso já firmado do meu amigo, deputado federal Daniel Freitas, através de emendas federais. Colocaremos Balneário Camboriú na rota dos eventos nacionais e internacionais com este novo local”.


Cristiano José dos Santos (PL), 40 anos, eleito com 859 votos, é natural do Rio de Janeiro, mas mora em Balneário desde criança, era diretor da Secretaria do Turismo, é casado e tem uma filha de 14 anos. Sua vida partidária sempre esteve atrelada ao esporte e também trabalha pela causa animal, sendo voluntário há mais de 10 anos

“São duas bandeiras que quero levar, são paixões que tenho, faço porque amo de verdade. Tenho também uma passagem muito grande no serviço social. Algumas das plataformas que quero defender, à nível de parceria junto ao Executivo, são voltadas para esse lado. Minhas prioridades serão projetos para poder melhorar a situação comunitária, regulamentar também a causa animal e tentar resolver algumas situações da Secretaria de Inclusão Social. Estando na Câmara espero poder criar projetos de regulamentações, que precisam ser discutidos e que espero conseguir apresentar ao Legislativo”.


Alessandro Kuehne (Republicanos), 43 anos, conhecido como Teco, eleito com 606 votos, é educador físico e natural de Balneário Camboriú. Casado com Adriane, é pai de duas filhas, Hadassa, 7 anos, e Rebecca, de 10 meses. Teco foi superintendente da Fundação Municipal de Esportes de Balneário Camboriú (2017-2018) e vereador suplente em 2016 com 829 votos, tendo assumindo a cadeira do Legislativo em 2018 por quatro meses

“A minha principal missão será estar lado a lado com a comunidade e com todos aqueles que me elegeram, defendendo seus interesses, com transparência, no sentido de proporcionar a verdadeira mudança que todos esperam. Meus três primeiros projetos serão: 1) Esporte: defenderei a constante valorização do desporto e paradesporto. Um dos pontos cruciais se refere a atualização dos valores do bolsa atleta; 2) Turismo: Captar eventos. No tocante ao esporte vamos trabalhar para que Balneário Camboriú volte a ser sede de competições esportivas nacionais e internacionais de esportes de alto rendimento. Isto movimenta nossa economia, gerando renda e empregos para os nossos munícipes, fomentando o turismo esportivo principalmente nos períodos de baixa temporada; e 3) Economia: Estarei fomentando ações que visam a implantação de empresas voltadas a novas matrizes econômicas”.


Eduardo Zanatta de Carvalho (PDT), conhecido como Dudu, eleito com 544 votos, 35 anos, nasceu em Chapecó, mora em Balneário há 32 anos, solteiro e sem filhos, é formado em Relações Internacionais, com especialização em Filosofia Política e mestrado em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Socioambiental. Eduardo trabalhou nos últimos sete anos e meio como chefe de gabinete do vereador Pedro Francez. Ele é pesquisador do Observatório das Migrações de Santa Catarina, presidiu o Conselho da Juventude de Balneário Camboriú, participando ainda de Fóruns em outros países, como evento da ONU no Azerbaijão e do Brics na Rússia

“O vereador Pedro foi o grande incentivador da minha campanha. Eu tinha muitas dúvidas e até então nunca tinha me visto como um candidato, mas ele sempre me falou que eu estava preparado e qualificado. Foi a minha primeira disputa de eleição e eu conquistei a vitória. Eu estava com o meu projeto pronto para o Doutorado, e agora isso terá que ser adiado. Vejo que a minha vitória mostra que dá para fazer uma campanha com debates e pessoas que acreditam. Muita gente fala que você precisa ser o mais neutro possível, porque se não vai perder voto, mas eu não acredito nisso. Construí a partir de reuniões e assembleias que fizemos durante a campanha algumas ideias, como a necessidade do fortalecimento da participação da sociedade civil organizada. Há muitos grupos especialistas em diversos temas, como Acibalc, CDL, Conselhos de Direitos (Saúde, Educação, Relações Internacionais). Vejo que não há como pautar qualquer coisa sem ouvir a sociedade. Exemplo, vejo que é necessário resgatarmos o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, onde junto do Poder Executivo planejávamos e refletíamos a cidade. Precisamos pensar em como promover os negócios locais, focados nos micros e pequenos empreendedores. Há muitos jovens com boas ideias, mas o custo de Balneário está cada vez mais alto, nem todos conseguem alugar uma sala comercial. É necessária uma política para incentivar negócios na cidade. E em terceiro, quero construir políticas focadas na juventude e primeira infância, focadas em diversos pontos, como cultura, saúde e promoção da diversidade”..

.

Vereadores reeleitos falam sobre projetos para o novo mandato

Os 12 vereadores que conquistaram a reeleição em Balneário Camboriú destacam o que significa continuar no cargo por mais um período legislativo e como pretendem desempenhar sua função na continuidade do mandato.
.

Lucas Wilson Gotardo (Novo), 31 anos, reeleito para o seu 2º mandato com 1.220 votos, sendo o vereador mais votado de Balneário Camboriú

“Planejo continuar lutando por uma Balneário livre, combatendo as leis inúteis e fiscalizando as ações do Executivo com afinco! A vitória significa muito, especialmente frente ao cenário difícil: pandemia, abstenção histórica, número recorde de candidatos. Isso sem contar no poder econômico dos meus adversários, os ataques virtuais. O Novo não coligou com outros partidos e não usa fundo eleitoral e ainda assim conquistamos uma cadeira, além da maior votação para o Legislativo. Estou certo que isso é reflexo da postura independente que tomei ao longo do mandato, em defesa daquilo que é certo, mesmo que esses posicionamentos fossem impopulares para alguns setores. Em vez de rejeição, como temem meus colegas, essa postura tem conquistado apoio e a consideração das pessoas, numa corrente que está cansada dos demagogos e que também quer uma política livre das velhas práticas”.


Marcelo Achutti (MDB), 41 anos, administrador, reeleito para o seu 3º mandato com 1.203 votos

“A vitória foi muito importante, já que com a pandemia estamos vivendo um momento totalmente atípico e mesmo assim consegui levar o meu ‘recado’ junto da comunidade. Seguirei lutando pela reforma administrativa, redução do número de vereadores e enxugamento da máquina pública, assim como redução das contas públicas, coisas que a sociedade não aguenta mais. Fui o segundo mais votado. Tanto eu quanto o Lucas Gotardo, o primeiro mais votado, temos bandeiras parecidas, ele também defende a redução de vereadores e da máquina administrativa. Meu compromisso é já a partir de 1º de janeiro trazer novamente a discussão da redução do número de vereadores. Balneário não pode admitir ter 19 vereadores, temos que enxugar. Esse é um compromisso que assumi em 2018, não foi de agora em campanha. Votarei ao contrário de qualquer tipo de aumento de imposto, seguirei na bandeira para despoluirmos a praia e o rio, assim como pela luta do Hospital Ruth Cardoso, que todo mundo já conhece. Falta gente na equipe, é o momento de discutirmos qual modelo de gestão que teremos em nosso hospital, pois hoje não sabemos se ele é municipal ou regional. Seguirei brigando se preciso e cobrando. Desejo toda a sorte ao prefeito Fabrício e espero que ele faça uma excelente gestão, e que cumpra seus projetos de campanha. Porém, eu não fui eleito para defender o governo e sim a comunidade, pela cidade. Agradeço minha família e amigos que deram a oportunidade de eu me reeleger novamente”.


Asinil Medeiros (PL), 55 anos, funcionário público, reeleito para o seu 4º mandato com 1.189 votos

“Vou continuar trabalhando junto às necessidades do povo, buscando por mais saúde, educação e efetividade na assistência social. Meu mandato sempre será pautado na proximidade entre o Legislativo e todos os munícipes, e assim seguirei com muita transparência, respeito, zelo e comprometimento com toda comunidade. Essa vitória é uma das mais importantes, primeiramente porque é sinal de que o trabalho que tenho desenvolvido está sendo aprovado pela população, e segundamente porque reafirmou o elo de confiança que tenho junto aos meus eleitores. Agradeço a todos os que confiam em meu trabalho, e asseguro que continuarei trabalhando pelo povo!”


Elizeu Pereira (MDB), 52 anos, comerciante, reeleito para o seu 3º mandato com 1.127 votos

“Essa vitória é fruto do trabalho prestado nesse mandato que termina em 2020, acredito que estive representando muito bem a comunidade, principalmente a da região sul, compreendendo os bairros Nova Esperança, Barra e praias agrestes. Meu serviço como vereador é para a comunidade. Primeiramente trabalharei nesse novo mandato fiscalizando o poder público, há também várias obras que eu gostaria que o prefeito executasse, há o problema de alagamento no Rio das Ostras que precisa se resolvido, o Centro de Eventos precisa ser aberto, e a ponte da BR-101, que é algo a nível estadual e federal, mas que também precisa ser finalizada logo. Outra luta do próximo mandato será por uma base da Guarda Municipal e dos bombeiros juntos, que quero que seja instalada na região sul”.


Omar Mohamad Ali Tomalih (Podemos), 47 anos, empresário, reeleito para o seu 2º mandato com 1.105 votos

“É uma grande alegria poder servir Balneário Camboriú por mais quatro anos. Essa vitória é um reconhecimento do trabalho que venho fazendo, mas também uma responsabilidade dobrada para fazer cada vez mais. Seguirei com os projetos voltados para as minhas principais pautas, como a valorização do ser humano, combate às drogas e à automutilação nas escolas, valorização de princípios valores... tudo o que sempre defendi. Vejo que é muito positiva essa oxigenação do poder legislativo, que não pode ser um espaço para ficar a vida inteira. Sempre precisamos de renovação, acredito que esses sete novos colegas irão dar um novo gás, trazendo novas ideias e projetos. Isso faz parte da democracia e acredito que irá acrescentar muito no crescimento da nossa cidade. Agradeço os 1.005 votos que conquistei, fui um dos poucos que aumentei a votação, reforçando que estou no caminho certo e que a população aprovou o meu trabalho”.


Gelson José Rodrigues (Cidadania), 44 anos, advogado, reeleito para o seu 2º mandato com 1.001 votos

“Meus principais motivadores desta eleição é diminuir a quantidade de vereadores na Câmara, também quero trabalhar muito pela região sul, com bons projetos, incentivar o polo tecnológico e também a questão da mobilidade urbana para essa região, levar para lá uma UPA igual a do Bairro das Nações, nova e totalmente do município. Vou batalhar muito pela saúde, deixar o nosso Hospital Ruth Cardoso apenas para o município, e outra coisa também é a construção do CIEP novo, na questão da educação também vamos batalhar muito. O sentimento de vitória é gratidão aos 1.001 votos que obtive nas urnas, foi uma eleição muito difícil, diferenciada, ninguém entendeu até agora como aconteceu isso,


Nilson Frederico Probst (MDB), 55 anos, policial civil, reeleito para o seu 4º mandato com 901 votos

“Vou continuar lutando pela qualidade na saúde, educação e segurança da nossa população, principalmente a mais carente. Cobrar a redução da máquina pública. Continuarei fiscalizando e cobrando as ações do governo”.


André Furlan Meirinho (PP), 37 anos, administrador, reeleito para o seu 2º mandato com 836 votos

“Planejo continuar buscando a melhoria e aperfeiçoamento da gestão pública cobrando do Poder Executivo a implementação de indicadores para todos os setores, bem como acesso a informação clara para a população das ações e obras do governo prometidas pelo governo, conforme Plano de Metas, previsto na Lei Orgânica do Município. Avançar nas propostas de Segurança Hídrica e Desenvolvimento Sustentável; Inovação, Tecnologia e Cidade Inteligente; Adoção de praças, áreas verdes, áreas públicas de esporte, educação, cultura e lazer; Estatuto do Pedestre; regulamentação de Plebiscito e Referendo, entre outras. Também continuar desenvolvendo em parceria com a comunidade ações inovadoras, visando os equilíbrios entre os aspectos econômicos, sociais e ambientais para a qualidade de vida da nossa população. Outras informações estão no site www.andremeirinho.com.br. A vitória significa para mim reconhecimento da população pelo trabalho realizado. Foram feitas muitas ações no decorrer do mandato pensando no presente e futuro da nossa cidade, que contaram com a parceria da comunidade, inclusive no apoio e multiplicação por meio de votos conscientes. O que nos motiva continuar com a mesma dedicação ouvindo a comunidade, aprimorando estudos, e apresentando propostas e boas práticas para a melhoria da gestão pública e bem estar da nossa população. Muito obrigado a todos de coração!”.


David Fernandes ‘Labarrica’ (Patriota), 40 anos, empresário, reeleito para o seu 2º mandato com 730 votos

“No meu primeiro mandato eu caminhei ao lado do prefeito, ajudando na tramitação de projetos importantes do Executivo na Câmara. Trabalhei com seriedade e apresentei importantes projetos que viraram leis e tiveram resultado direto na vida das pessoas, com o que institui o programa municipal de Parceria Público Privada, o que permite a venda de gêneros alimentícios na faixa de areia da orla da Praia Central de Balneário Camboriú e o que declara patrimônio cultural imaterial de Balneário Camboriú a pesca artesanal para captura da tainha. Quero continuar esse trabalho junto ao prefeito, e pretendo ampliar minhas ações nas áreas do desenvolvimento econômico, saúde e esportes. Manterei o trabalho sério e a proximidade com as pessoas. A vitória significa o reconhecimento do trabalho realizado e a obrigação de continuar fazendo o que é certo e necessário, de uma maneira responsável e transparente, porque embora eu tenha tido votos de uma parcela dos eleitores de Balneário, eu sou vereador da cidade toda”.


Patrick Hernandes Machado (PDT), 39 anos, coordenador de segurança, reeleito para o seu 2º mandato com 500 votos

“Meus planos são buscar aumentar nossa atuação com os conselhos de classe e associações da nossa cidade. Buscar estar mais presente no dia a dia da nossa comunidade, ouvindo e sendo mais representativo. Vamos continuar batalhando pela ampliação da Educação Integral e por melhores condições no atendimento e melhoras nos equipamentos da nossa saúde pública. A vitória pra mim significa a oportunidade para continuar com nosso trabalho e a confirmação que estamos no caminho certo. Mas que preciso ter a humildade e reconhecer que tive alguns erros no mandato anterior e que estou tendo a oportunidade de consertar e melhorar minha atuação”.


  • Nota da Redação: Os vereadores Arlindo Cruz (PSD), reeleito com 919 votos, e Marcos Kurtz (Podemos), o Marquinho, reeleito com 1.075 votos, não retornaram o contato do jornal até o fechamento desta matéria. Caso eles queiram se posicionar, esse texto será atualizado.

.

Prefeito Fabrício governará com tranquilidade legislativa

credito - Ivan RuppPrefeito e vice com Anderson, um dos sete novos

A coligação ‘Fazer o Futuro Acontecer’, do prefeito Fabrício Oliveira, registrou 133 candidatos a vereador. Destes, 12 se elegeram, correspondendo a 63% das 19 vagas da Câmara. Com isso, o governo municipal tem uma forte bancada de apoio no Legislativo, com cinco vereadores de oposição reeleitos: Lucas Gotardo (Novo), Marcelo Achutti (MDB), Elizeu Pereira (MDB), André Meirinho (PP) e Nilson Probst (MDB).

O prefeito tem ‘do seu lado’ os novos vereadores Victor Forte (PL), Anderson dos Santos (Podemos), Kaká Fernandes (Podemos), Cristiano José dos Santos (PL) e Eduardo Zanatta (PDT) e os reeleitos Asinil Medeiros (PL), Omar Tomalih (Podemos), Marcos Kurtz (Podemos), Gelson Rodrigues (Cidadania), Arlindo Cruz (PSD), David Fernandez (Patriota) e Patrick Machado (PDT).

Fabrício diz que os vereadores que se elegeram na sua coligação conquistaram a vitória exatamente por estarem ‘dentro de uma proposta’.

“Temos vários temas já alinhados, mas serão sempre discutidos, respeitando a isenção e autonomia”, diz.

Sobre a oposição, ele vê que o foco do trabalho da prefeitura e dos vereadores é em nome da cidade, e por isso ‘crê que não haverá problemas’.

“Manteremos um diálogo institucional, o governo se comunica através de ações, ofícios, acredito que tudo pode ser dialogado”, afirma.


Vereadores mais ‘combativos’ seguirão na mesma linha

O prefeito reeleito Fabrício Oliveira seguirá governando com ampla maioria legislativa na próxima gestão, mas os vereadores que nesta legislatura mais cobraram, questionaram ou votaram contra determinados projetos do Executivo, também seguirão seus mandatos. Eles afirmam que continuarão aprovando todos os projetos importantes para Balneário Camboriú. Mas também prometem seguir cumprindo com rigor uma das principais funções de um legislador: a de fiscalizar as ações do Executivo. Fazer oposição saudável é bom para qualquer governo e todos, em algum momento, deveriam exercer o dever que o cargo impõe.

Lucas Gotardo (NOVO), o mais votado e Marcelo Achutti (MDB), o segundo mais votado, podem ser um bom exemplo de que exercer independência ou fazer uma ‘oposição saudável’, rende apoio do eleitor, que anda desacreditado de políticos em geral. Nessa linha também estão Nilson Probst e Elizeu Pereira (MDB) e André Meirinho (PP).

Esta semana a reportagem ouviu quatro deles e todos reafirmam que o governo terá apoio em todos os projetos que beneficiem a cidade, mas já sinalizaram problemas que esperam por respostas e como pretendem desempenhar na próxima legislatura.

Acompanhe:

..

Lucas Gotardo:

“Não tem nada melhor que ser independente”

credito - Dani Sisnandes

“Não me considero oposição, sempre tive uma postura independente, 80 a 90% dos projetos do Executivo votei favorável. Alguns votei contrário, fui um pouco mais enérgico, até porque o governo não aceita bem ser contrariado, questionado e confesso que minha personalidade não é de levar desaforo para casa, então batia de frente, fazia perguntas e quando não queriam explicar, responder, votava contrário.

Por isso as pessoas acabaram interpretando que sou contra o governo, que sou oposição, que sou um traidor, não é nada disso.

Eu não sou despachante de prefeito. Quero fazer o que é certo. Quando tenho dúvida, gosto que sejam sanadas. Meu papel é esse, fiscalizar, questionar, entender e votar sim ou não de acordo com aquilo que entendo. Não estou ali para agradar A ou B, pra ser amigo de A ou B ou pra trocar voto por meia dúzia de cargo.

Me considero independente, porque eu tive essa autonomia de não ter rabo preso com ninguém.

Na próxima legislatura, independente de prefeito que tivesse ganho, seguirei buscando minha independência sempre, porque não existe nada melhor do que ser um vereador independente.

Vejo que o Fabrício terá uma governabilidade muito fácil, tranquila, até porque a maior parte da base é muito submissa a ele, o pessoal tem um medo, não sei explicar o que é...mas vou seguir na minha linha de independência, aquilo que eu acreditar que é correto, vai ter meu voto favorável, assim como a maioria dos projetos da atual legislatura teve meu voto favorável. Só que quando encontrar algo para questionar, ou não tiver de acordo, ou não tiver seguro para votar, meu voto será contrário, pode ficar brabo, pode me chamar de traidor, não tô nem aí.

Minha preocupação é com o desenvolvimento da cidade e com a autonomia do meu mandato buscando sempre trazer transparência.

Sobre outras candidaturas, acho cedo, mas não escondo o jogo que tenho vontade de alcançar voos maiores, não quero ser um vereador carreirista, ter quatro, cinco mandatos, como muitos tiveram, já te antecipo que esta foi minha última eleição para vereador. O que me espera no futuro ainda não sei, tenho vontade de concorrer a um cargo maior, mas nada definido, se para deputado, prefeito, senador, só sei que a vereador não venho mais. Isso posso afirmar.

E isso não vai impedir de dar continuidade na Câmara de Vereadores, combatendo leis inúteis, buscando reduzir o número de burocracias, revogar leis, fiscalização intensa, cobranças com muita responsabilidade.

Uma das coisas que quero fazer é focar em cima dos contratos, principalmente de licitação, inclusive deixo meu gabinete à disposição para as pessoas que estão lendo a matéria, que preciso de ajuda externa para analisar esses contratos que são densos e sozinho não vou conseguir fazer. Aproveito para reiterar meus parabéns ao prefeito Fabrício, mais de 50% dos eleitores o escolheram, ele fez uma excelente eleição, no governo dele teve bastante coisas que desenvolveu, muitas outras ficaram para trás, mas vou continuar fazendo meu papel sem pessoalizar, minha função exige que eu tenha algum posicionamento mais fiscalizatório, isso incomoda um pouco, sei que ele está chateado comigo, mas faz parte, não dá para fazer política com estômago.

Vou fazer meu papel, fui eleito para isso e poucas pessoas hoje cumprem o verdadeiro papel de vereador. E como estou recebendo - e bem - para isso, fui eleito para isso, as pessoas esperam isso de mim, eu vou fazer o meu papel com a maior intensidade possível.

Se tivermos um parlamento em que todos pensam igual, não teria necessidade de ter um parlamento.

Ter pessoas que às vezes tiram o prefeito da zona de conforto é extremamente saudável, acho que ele deveria ouvir mais isso, infelizmente ele não gosta de críticas, porque se um dia a cidade me der oportunidade de ser prefeito, eu gostaria de ter pessoas que me alertassem sobre possíveis irregularidades. Tenho certeza que nenhum prefeito tem controle absoluto de uma prefeitura. Humanamente impossível você liderar sete mil funcionários como tem na prefeitura de Balneário. Lembra da primeira entrevista que dei para ti? Tenho guardada até hoje, eu dizendo que ia buscar fazer o meu trabalho com excelência e está escrito no jornal que eu não iria agradar A nem B, fiscalizar, aprovar o que é importante, está lá escrito, no final de 2016...eu cumpri com aquilo que falei e só reforço aquela matéria que vou sempre fazer um trabalho de excelência”.


Marcelo Achutti:

“Assumi compromisso pela redução do número de vereadores”

credito - Divulgação

“Esta eleição para vereadores foi atípica, mostrou que as pessoas não estavam interessadas em promessas, mas em avaliar o que eles fizeram nos últimos 4 anos.

Vejo por mim, defendi várias bandeiras, com destaque para a redução do número de vereadores, que propomos em 2018, porque não podemos admitir que em Balneário Camboriú, com 47 quilômetros quadrados, tenha uma Câmara com 19 vereadores. Cada vereador custa em média R$ 1 milhão, então são R$ 19 milhões na conta da sociedade de Balneário Camboriú. Assumi o compromisso de retomar o projeto de redução no primeiro dia da nova legislatura.

Outro assunto que precisamos trazer de volta é a Reforma Administrativa que não aconteceu. Essa Reforma foi uma promessa da administração Fabrício e Carlos Humberto. Ela pode economizar vários milhões de reais. Estamos encerrando o ano com déficit de mais de R$ 150 milhões, compreendemos que a arrecadação caiu, que estamos vivendo um momento de pandemia, mas não consigo compreender porque a Reforma Administrativa foi retirada da Câmara de Vereadores, temos que retomar isso o mais rápido possível, porque é isso que a sociedade espera de nós.

Também posso adiantar que não apoiarei nenhum tipo de aumento de impostos, porque fui eleito para defender a comunidade e isso vou fazer com muita garra, determinação e muita vontade de trabalhar.

O governo vai ter maior tranquilidade para governar, tem ampla maioria, e nós vamos fazer nosso papel, fiscalizar, propor e acima de tudo, todas as matérias que forem importantes terão meu apoio”.


Nilson Probst:

“Vamos cobrar uma Reforma Administrativa drástica”

credito - Divulgação

“Eleição foi difícil, diferente, 31 mil pessoas deixaram de votar. Os vereadores que foram mais combativos se reelegeram. Os projetos que foram bons para a cidade sempre iremos aprovar, mas vamos cobrar bastante.

Como por exemplo, uma Reforma Administrativa drástica, porque o município está em situação difícil. Um governo que recebeu R$ 200 milhões em caixa, hoje a previsão orçamentária é de R$ 150 milhões negativos para o próximo ano, usaram a máquina de uma maneira muito forte com cargos, nomearam comissões acima do normal, é preciso enxugar a máquina.

Outra cobrança será referente ao Plano Diretor. Há quatro anos, eu era o presidente da Câmara, o prefeito eleito pediu para que não votássemos, porque ele iria mandar o projeto logo em seguida, no início do seu mandato para ser votado. Passaram-se quatro anos e o projeto não veio para a Câmara.

Tem outras questões que precisamos cobrar, além da redução da máquina pública e do Plano Diretor, a questão do não cuidado,,,por exemplo, ficamos sete meses com as escolas fechadas e tem algumas que não podem ser utilizadas, exemplo, a Dona Lili, que não foi utilizada neste domingo de eleições, porque não tem condições de uso. Imagina quando voltar as aulas, como faz?

Tem muitas coisas com problemas. Fizeram um estudo para terceirizar o hospital, pagaram R$ 800 mil e já faz mais de um ano, e até hoje esse estudo não foi apresentado.

Outro assunto é a quantidade de pessoas na fila para cirurgias eletivas. Só para ter uma ideia, para cirurgia de catarata, que é muito simples, tem 300 pessoas na fila esperando.

A educação não está numa situação boa, pela primeira vez na historia o IDEB caiu no município.

Então essa vai ser a nossa atuação, cobrar muito forte as ações do governo municipal que estão sem resposta”, afirmou.


André Meirinho:

“Contrapontos são importantes”

credito - Divulgação

“Vamos continuar o trabalho pensando no melhor para Balneário Camboriú, não sou da base do governo (situação), mas não farei oposição a bons projetos do governo que visem o bem da cidade. No entanto, fazer e aprovar as leis que conduzem a sociedade não é e não pode ser uma tarefa automática, os contrapontos são importantes para que o refinamento dos projetos de lei recebam análise criteriosa, no que for necessário se opor o farei visando leis coerentes com interesse público. Vou manter meu posicionamento de Posição para o bem de Balneário Camboriú defendendo projetos com visão de cidade, que pensem na qualidade de vida do presente e futuro da nossa população, com visão coletiva, não para defender interesses pessoais, porque é exatamente o que entendo que o cidadão espera, independente de partidos políticos”.

..

Mulheres não têm vez no Legislativo de Balneário

Em 55 anos, 13 mulheres em 13 legislaturas

credito - Arquivo JP3

Iolanda Achutti fez cinco legislaturas..

No domingo (15), dia da eleição municipal, dia da Proclamação da República foi também dia do aniversário do Legislativo de Balneário Camboriú, que completou 55 anos.

Desde o dia 15 de novembro de 1965 ocuparam as cadeiras legislativas 126 vereadores (entre titulares e suplentes). Entre eles, apenas 13 mulheres (saiba quem são as 13 no quadro abaixo). E nestes 55 anos pouca coisa mudou e a prova disso veio nas urnas desta eleição: apenas uma mulher foi eleita, Juliana Pavan. Ela ocupa vaga de Juliethe Nitz, que também foi a única eleita quatro anos atrás.

Na atual legislatura duas suplentes assumiram por algumas semanas, Osnilda Amorim (Nena Amorim), em novembro de 2019 e Claudineia da Costa Wolff (Zezé Wolff), em fevereiro de 2020.Não foi por falta de opções, porque entre os 308 candidatos, tinha 95 mulheres, correspondendo a 30,8%. E entre elas, uma novidade: um coletivo formado por cinco mulheres.

“Nosso desafio é o de ampliar a representatividade da mulher não somente na Câmara de Vereadores, mas também nos espaços da sociedade civil”, disse Juliana Pavan.

A reportagem buscou a opinião da única vereadora eleita, de uma integrante do primeiro coletivo que disputou uma eleição em Balneário Camboriú e de uma ex-vereadora, que já sentiu na pele essa ‘solidão’ feminina no Legislativo municipal.

Confira:
.

Juliana Pavan, única vereadora eleita:

“O que falta realmente é incentivo”

credito - Lucas Bazan

“Entendo que precisamos inicialmente envolver a mulher na política de Balneário Camboriú por meio das entidades, associações, e também dos próprios partidos. Quantas mulheres presidem partidos em nossa cidade? Qual a proporção de mulheres que compõem o secretariado da prefeitura? Vale a reflexão.

Naturalmente eu tive uma grande motivação já no âmbito familiar, pela trajetória eleitoral do meu pai, sempre sendo respaldado em todos os momentos pela força e sensibilidade da minha mãe, que construiu um grande legado na área do desenvolvimento social. Então sempre me inspirei neles, sendo para mim este momento a realização de um sonho: trabalhar para também deixar a minha contribuição para Balneário Camboriú e seu povo.

Acredito que as mulheres estão sim preparadas, o que falta realmente é um incentivo a fim de que transitem para um patamar de maior protagonismo. O despertar feminino para o exercício da liderança política precisa de bandeiras de motivação. Saúde, educação, segurança... envolvendo as mulheres em pautas que façam a diferença na sua própria vida, fazendo resgatar essa crença de que sim - é por meio da política que vamos conseguir as mudanças que avanços que tanto sonhamos – e que vão impactar inicialmente no nosso próprio lar. E são estas as bandeiras que vou defender na Câmara Municipal!

Como disse já durante a campanha, espero honrar a trajetória das poucas mulheres que me antecederam ocupando vagas no Poder Legislativo. E para tanto não vou subir o tom de voz e nem me impor simplesmente por ser mulher, pois entendo que uma representante precisa ser esteio de todos os segmentos, e de todos os bairros. Mas creio que o mais importante é ter a capacidade de ouvir as pessoas e suas demandas, utilizando como única força a do argumento, exercitando a capacidade de ouvir e assim demonstrar que as mulheres podem sim fazer a diferença e ajudar na construção de uma sociedade mais justa, igualitária e sobretudo democrática”.


Ciça Muller, integrante do Coletivo, junto com Bia Mattar, Dagma Castro, Gisele Santos e Rafaela Cruz:

“Nossa sociedade é machista e elitista”

credito - Divulgação

“As eleições municipais em Balneário Camboriú foram muito frustrantes. Mais uma vez o triste resultado para as mulheres: somente uma representante no Legislativo, mesmo com tantas candidatas capacitadas para ocupar uma vaga. Precisamos refletir o porque as mulheres não conseguem chegar lá. Vejamos, as entidades de classe e clubes de serviços da cidade, em sua maioria são presididas por mulheres. Escolas são dirigidas por mulheres. Empresas são administradas por mulheres. As mulheres também são chefes de família, e quando há problemas de saúde em casa, geralmente são as mulheres que tomam a frente para cuidar dos familiares. Nos partidos a preocupação é cumprir a cota, mas o apoio às candidatas nem sempre é o mesmo que é dado aos candidatos. Afinal, será que nossa cidade não quer mulheres ocupando os espaços de liderança? Elas são sim dedicadas, corretas, determinadas e resilientes. E então, por que não? Nossa sociedade é machista e elitista, talvez embora pareça uma cidade cosmopolita, ainda tenhamos uma cultura de república”.


Marisa Zanoni Fernandes, única vereadora eleita na 12a.legislatura (2013/2016):

“18 homens brancos, heterossexuais e uma mulher”

credito - Arquivo Pessoal

“Lamentar a ausência de maior representação feminina nos espaços políticos na nossa cidade exige uma ampla reflexão sobre o modo como essa cidade historicamente se constitui: dominada pelos mesmos grupos políticos – ligados a setores majoritariamente econômicos religiosos conservadores. Nesse viés, o resultado mais uma vez é esse: 18 homens brancos, heterossexuais e apenas uma mulher.

O que me espanta é que “vendemos” uma imagem de cidade plural, cosmopolita, receptiva, contemporânea, mas que na realidade não passa apenas de uma imagem ilusória.

Acredito que reparar a desigualdade de gênero é uma tarefa que deve começar nas escolas (debate de gênero – excluído do Plano de Educação pela Câmara de Vereadores), nas casas, nos espaços de trabalho, nas praças. Refletir e desconstruir ideologias e práticas conservadoras que perpetuam e ocultam as causas dessa desigualdade, como por exemplo, criminalizando e menosprezando os movimentos feministas, os movimentos LGBTs, minimizando os altos índices de violência contra a mulher, o machismo, o patriarcado tão enraizado e tão brutal.

Precisamos de estratégias que assegurem uma vivência política partidária contínua e não apenas a busca por mulheres no período de eleição para cumprir o percentual de gênero, que promovam e fortaleçam lideranças femininas na cidade. Precisamos de homens e mulheres que se unam em torno de um projeto coletivo de cidade mais democrática - vejamos quantas ocupam as ruas, as praças, os seminários para debater esse tema?

Enquanto ficarmos apenas lamentando, uma ou outra sentará naquelas cadeiras. Essa desigualdade não pode ser cena que perpassa aos olhos de quatro em quatro anos. O que faremos hoje, o que seremos capazes de descortinar hoje poderá ser uma janela mais esperançosa para nossas meninas amanhã”.


Galeria das ex-vereadoras da CVBC

1a. Vereadora: Wanda de Abreu Webler

  • 4ª Legislatura - 1977/1983

2a.Vereadora: Remi da Silva Osório

  • 5ª Legislatura - 1983/1988
  • 6ª Legislatura - 1989/1992
  • Presidente da Mesa Diretora no biênio 1991/1992
  • 7ª Legislatura - 1993/1996

3a. Vereadora: Iolanda Achutti

  • 6ª Legislatura - 1989/1992
  • 8ª Legislatura - 1997/2000
  • 9ª Legislatura - 2001/2004
  • Presidente da Mesa Diretora em 2004
  • 10ª Legislatura - 2005/2008
  • Presidente da Mesa Diretora no biênio 2007/2008
  • 11ª Legislatura – 2ª suplente em 2009

4a. Vereadora: Terezinha Lenita de Miranda Novaes*

  • 6ª Legislatura - 2ª suplente em 1992

5a. Vereadora: Anna Christina Barichello*

  • 8ª Legislatura - 1997/2000
  • 10ª Legislatura - 2005/2008
  • Presidente da Mesa Diretora em 2005
  • 11ª Legislatura – 1ª suplente em 2009

6a. Vereadora: Joselene Manfredini (Guga)*

  • 9ª Legislatura - 1ª suplente - (uma vez em 2001, duas em 2002 e uma em 2004)

7a. Vereadora: Nilcéa T. P. Barichello*

  • 9ª Legislatura – 1ª suplente em 2004

8a.Vereadora: Délia Terezinha Pavan*

  • 10ª Legislatura – 2ª suplente em 2006 e 2007

9a. Vereadora: Sílvia de Mello*

  • 11ª Legislatura – 1ª suplente em 2010 e 2011

10a. Vereadora: Marisa Zanoni Fernandes*

  • 12ª Legislatura – 2013/2016

11a. Vereadora: Juliethe Pereira Nitz*

  • 13ª Legislatura – 2017/2020

12a. Vereadora: Osnilda Amorim (Nena Amorim)*

  • 13ª legislatura – 2ª suplente em novembro de 2019

13a. Vereadora: Claudineia da Costa Wolff (Zezé Wolff)*

  • 13ª Legislatura – 1ª suplente em fevereiro de 2020
A Galeria das ex-vereadoras de BC foi criada pela Resolução 486/2011, de autoria do vereador Dão Koeddermann, e implantada na presidência do vereador Orlando Angioletti, no dia 8 de março de 2012.

..

Vereadores que não conquistaram a reeleição ou não participaram do pleito opinam

Sete vereadores de Balneário Camboriú não se reelegeram ou optaram por não participar das eleições deste ano. Quatro deles, Aldemar ‘Bola’ Pereira, Juliethe Nitz, Roberto Souza Junior e Joceli Nazari ficaram como suplentes, já Pedro Francez, Moacir Schmidt e Orlando Angioletti (suplente) não concorreram. O vereador Leonardo Martins Machado, o Piruka, foi candidato a vice-prefeito junto com Auri Pavoni.

O Página 3 conversou com eles, que opinam sobre o trabalho desenvolvido até aqui e como veem os próximos quatro anos.

...

Não reeleitos – todos ficaram como suplentes

“Provavelmente não voltarei a ser candidato”

Aldemar ‘Bola’ Pereira (PSDB), conquistou 680 votos

“Trabalhei muito na rua, em todos os bairros, fiz 1.192 indicações, andei na comunidade mesmo. Esses últimos quatro anos ficarão marcados para mim por isso. Minha atuação foi permanente, estava sempre com a comunidade, ouvindo e vendo os problemas, pedindo por solução. Fui oposição, estava sempre fiscalizando, cobrando melhorias na educação, a falta de material para os professores trabalharem, necessidades de reformas nos centros comunitários, a questão da EMASA, onde a água suja afetou milhares de pessoas nesses anos todos, principalmente em 2018. Sou um vereador de contato, de visitar meus eleitores, e devido a pandemia ficou muito difícil fazer campanha na rua. Nas redes sociais há candidatos que são mais ativos. O fator econômico também afetou, foi muito precária a coligação, isso dificultou. Havia uma grande quantidade de candidatos que concorreram, e isso dilui ainda mais os votos, além da abstenção, que foi gigante. As pessoas também estão desacreditadas da política, na Câmara houve muitos escândalos, processos judiciais, a questão da CPI das obras, isso acabou manchando o nome do Legislativo. Eu voltarei a ser corretor de imóveis e provavelmente não voltarei a ser candidato. Eu já havia saído da política por oito anos, e agora quero que essa saída seja definitiva. Sou suplente, e se me chamarem farei a minha obrigação, mas agora não planejo me candidatar mais. Fiquei dois mandatos como vereador, fui vice-prefeito por oito anos, fiquei oito anos fora, voltei porque a comunidade pedia e agora não me reelegi. Vejo que a política mudou muito o foco, está difícil trabalhar, não se vive mais a política honesta e séria, é de negociações. As pessoas não votam mais por ideais. Me considero um vereador muito atuante, acho que deixo um legado com o Hospital Municipal Ruth Cardoso, apoiei na concretização de mais de 600 unidades habitacionais, fui prefeito por 150 dias, mais de 30 ruas que não tinham pavimentação eu apoiei e foram pavimentadas. Agradeço a Deus, minha família e todos que ajudaram a construir minha vida política em Balneário Camboriú”.


“Não desistirei”

Joceli Nazari (Cidadania), conquistou 645 votos

“Avalio que nesse meu mandato tive a oportunidade de fazer grandes defesas, presidi a Comissão de Saúde e Educação, visitei todas as escolas e unidades de saúde, consegui indicações para reformar unidades escolares. Fiz diversos enfrentamentos que deram certo. Sou administrador hospital, consegui R$ 2,5 milhões em emendas para a nossa cidade, ampliei a entrega de vacinação para idosos e pessoas com dificuldade de mobilidade também. Saio de cabeça erguida, acredito que colaborei muito com o nosso município. Agora é uma nova fase, não deixarei de atuar como cidadão, cobrando questões da saúde, onde o nosso principal problema é a demora das filas para atendimento. Fiz várias indicações ao prefeito também, como a criação do Bairro Jardim Bandeiras, que deve ser desmembrado do Nova Esperança, onde poderá ser construída uma nova unidade de saúde, que já está cadastrada junto ao Ministério da Saúde. Balneário é uma cidade que ainda tem muito a crescer, e a saúde precisa evoluir junto. O Hospital Ruth Cardoso é do município, mas por ser habilitado junto ao Ministério da Saúde tem a regra do SUS que não pode restringir atendimento para outras cidades, é a universalização, então precisamos atender moradores de outras cidades. A questão do Covid-19 também está preocupando muito, e exigirá um investimento cada vez maior. Eu vejo que o foco deve ser trabalhar na atenção primária, tratando a doença no início para a pessoa não precisar ir para o hospital. Minha campanha foi totalmente baseada em falar a verdade, apresentei o meu trabalho, pedi mais uma oportunidade e estou muito feliz pelos votos verdadeiros que recebi. Não foi suficiente, fiquei como 1º suplente, meu partido é da base do governo, então as portas estão abertas. Não desistirei, porque ainda tenho muito a fazer pela cidade. Devo voltar para a minha profissão, gostaria de atuar na região ou em Balneário, mas se não conseguir irei me mudar, mas continuarei acompanhando a cidade”.


“O futuro a Deus pertence”

Juliethe Nitz (PL), conquistou 855 votos

“Eu trabalhei estes quatro anos pautada sempre nos meus valores de honestidade, compromisso e transparência, lutei pela verdade, pelos ideais que eu acredito, sempre estive de portas abertas para receber as pessoas e ouvir suas demandas e sugestões para a nossa cidade, por isso tenho muito orgulho da minha trajetória. Como empresária, sempre fui envolvida com o setor privado e estando no poder público eu busquei uma ligação entre estes setores, uma maior comunicação que beneficiasse todos, assim, pensando desta forma, eu consegui implementar a Procuradoria Especial da Mulher, onde eu recebi as vítimas de violência e auxiliava levando estas mulheres até a rede de apoio. A integração na prática já está acontecendo gradativamente, mas um sonho que ainda não foi realizado seria a integração por meio de um sistema. Tenho vários projetos em destaque, mas sem dúvidas a PEM é uma das minhas maiores realizações, aqui além de receber as denúncias de violência doméstica recebíamos também as denúncias sobre qualquer tipo de violência institucional na hora do atendimento e eu pessoalmente cobrava a responsabilidade de órgão acusado. Eu acredito que cada pessoa é única. Felizmente eu recebi muitas mensagens de apoio de mulheres dizendo que se sentiram bem representadas por mim na Câmara de Vereadores e isso me traz a sensação de dever cumprido. Mantive sempre o foco no meu trabalho, me empenhei para trazermos mais segurança para as mulheres, hoje temos o Grupo de Proteção à Mulher que mostra um resultado incrível no atendimento, mas ainda existem muitas barreiras a serem quebradas. A política é um exemplo, tivemos 19 chances de eleger mais mulheres e novamente temos apenas uma representando, eu desejo boa sorte à candidata eleita e espero que ela faça um bom mandato. Minha campanha foi linda, honesta, limpa e forte. Fui bem recebida em todos os locais e as pessoas me reconheciam, vejo isso como um reflexo do meu mandato, pois eu estive sempre aberta a todos que me procuraram. Por ser uma eleição atípica, muitas pessoas não votaram e isso prejudicou muitos candidatos, mas mesmo com esse obstáculo eu e minha equipe demos nosso máximo, foram 855 pessoas que depositaram sua confiança em mim e em honra a estas pessoas eu vou terminar meu mandato com o mesmo comprometimento que eu iniciei. O futuro a Deus pertence, a Bíblia diz que “a vontade de Deus é boa, perfeita e agradável” e como cristã eu acredito fielmente nEle, sei que Ele tem preparado coisas inimagináveis para a minha vida. Como advogada, corretora de imóveis e avaliadora mercadológica eu seguirei trabalhando nestes segmentos e por ser uma pessoa que acredita muito no terceiro setor, pretendo continuar sendo voluntária e fazer o que está ao meu alcance pelas pessoas da nossa cidade. Sou uma cidadã que quer ver Balneário Camboriú cada vez melhor, é a minha cidade, onde eu nasci, cresci e estou criando meus filhos e me orgulho muito de contribuir para um futuro melhor. Quero agradecer a Deus, a minha família e a todos que confiaram em mim, sigo acreditando em um futuro melhor para o nosso município e para o meu país, e como cidadã, continuarei fazendo a minha parte. Meu muito obrigada e que Deus ilumine as nossas escolhas”.


  • Nota da Redação: O vereador Roberto Souza Junior (Podemos), que conquistou 925 votos e ficou como suplente, não retornou o contato da reportagem do Página 3 até o fechamento desta matéria. Caso ele queira se pronunciar, esse texto será atualizado.

Piruka deixou a Câmara para concorrer à majoritária

“Agora vou me dedicar à construção partidária”

Leonardo Martins Machado, o Piruka, conquistou 5.717 votos junto com Auri Pavoni (10,11% do total), ficando em 3º lugar na disputa pela prefeitura

“Eu acredito que o resultado não tenha sido o esperado nem para nós e nem para ninguém porque, infelizmente, a população não participou dessa eleição como deveria, um pouco por conta da pandemia e outro pouco por conta dessa questão do descrédito que a política está e do descontentamento das pessoas com a classe política. Nós tivemos uma abstenção histórica, muito superior a que tivemos na última eleição – que já era alta, e isso é muito triste e faz a nossa classe política reavaliar as suas atitudes e principalmente reavaliar a sua relação com a sociedade. Ficar quatro anos fora da Câmara para mim vai ser uma experiência nova, já que estou lá há oito anos, mas vai ser normal. Eu não nasci sentado em um banco da Câmara de Vereadores, não nasci vereador. Durante muito tempo militei nas políticas sociais, fui do movimento estudantil e estava na Câmara. A vontade de transformar a cidade não está vinculada a um cargo ou mandato e sim é a minha missão. A missão de transformar Balneário Camboriú em uma cidade melhor. Meu trabalho é reconhecido lá, mas era muito mais o meu trabalho enquanto cidadão que era reconhecido e também se vinculava um pouco ao meu trabalho como vereador. Agora vou me dedicar à construção partidária, o nosso partido não obteve os resultados esperados. Vamos reanalisar tudo isso e começar a refazer a ‘lição de casa’, para que nas próximas eleições tenhamos um crescimento maior do que nesta eleição”.


Três vereadores optaram por não concorrer

“Esse ano o meu momento chegou”

Moacir Schmidt (PSDB), o Moacir da Antártica, 75 anos, foi vereador por cinco mandatos consecutivos

“Encerro final desse ano minha participação direta na política de Balneário Camboriú por entender, neste momento, que já é tempo. Fiz meu melhor para retribuir essa cidade que acolheu a minha família e me presenteou com excelentes amizades (irmãos de vida). Me orgulho de entre outras coisas, como presidente do Legislativo ter sido o primeiro a chamar servidores via concurso público. Apesar de ainda ter disposição e ser uma decisão muito difícil, penso que todos tem que saber o momento de encerrar o ciclo e entendi, junto com minha família e amigos, que esse ano o meu momento chegou. Só posso agradecer a todos pela confiança. Quem sabe do amanhã é Deus, eu procuro trilhar os caminhos que ele me oferece. Continuarei com minhas visitas, mateadas e conversas diárias como sempre fiz, isso mantém meu coração e mente repletos de felicidades. Com muito respeito, sempre que puder fazer algo por Balneário Camboriú, aqui estarei para o meu melhor, pois amo essa cidade”.


“Não vou parar, a política está no meu coração”

Pedro Francez (PL), 60 anos, foi vereador por dois mandatos consecutivos

“Em 2012, quando me lancei candidato pela primeira vez, reuni minha família e amigos, dizendo que eu pretendia contribuir com a cidade. Eu sempre tive essa vontade, até pelo tempo que trabalhei como voluntário e social, através da igreja e também no Lions Clube Balneário Camboriú Centro, onde contribuo até hoje. Eu via que como vereador eu poderia fazer ainda mais. A intenção era me candidatar por um mandato, pois eu e minha família sempre entendemos que o mandato de vereador, deputado, senador, deveria ser como o do Executivo, no máximo dois. Eu sempre defendi e acreditei nisso, mas não tenho nada contra quem decide ir mais, eu só não comungo disso. Talvez amanhã posso voltar, mas acredito que deve haver uma interrupção, até para dar uma oportunidade para novas lideranças. Na eleição de 2016 eu decidi ir novamente, para mais um mandato, e se encerra agora em 2020. Decidi que diante da minha proposta de no máximo dois mandatos abdiquei de concorrer. Meus dois mandatos sempre foram pautados na juventude e nos idosos. Decidi apoiar e dar a oportunidade para essa nova liderança, o Eduardo Zanatta, que trabalhou comigo durante sete anos e meio. Foi o meu braço direito, a pessoa que pensava comigo os projetos, elaborava, estava sempre do meu lado. Eu vejo no Eduardo uma grande liderança, uma pessoa que pode dar continuidade ao nosso trabalho, ao nosso mandato. Ele tem uma formação muito boa, é um cara muito preparado para exercer a função. Não estou me afastando da política, tive uma conversa com o prefeito Fabrício Oliveira, me colocando à disposição se ele achar que devo ser aproveitado no governo, na cidade. Continuarei com o meu trabalho voluntário e social através da Paróquia Santa Inês, do Lions Clube. Tenho uma parceria com o deputado Maurício Eskudlark, em 2022 tem uma nova eleição pela frente, então não vou me afastar, quero continuar dando a minha contribuição para Balneário Camboriú, como já dou há 40 anos, desde que tenho 20 anos. Não vou parar, a política está no meu coração, no meu dia a dia”.


“O ciclo terminou”

Orlando Angioletti (DEM), 49 anos, foi vereador quatro vezes e neste quinto pleito, ficou como suplente

“Como tudo na vida, tem hora de começar e terminar, e a responsabilidade que um vereador deve ter com a cidade é muito, muito, muito grande mesmo. Eu entendo que um dia eu estive na condição física, psicológica e social a altura de fazer um trabalho e tentar de alguma forma dar um resultado positivo para a nossa cidade Balneário Camboriú. Pelos mandatos sucessivos que eu tive, eu acho que eu consegui, mas eu também entendo que chega um momento em que a gente não consegue mais corresponder a altura e tem que dar oportunidade e reconhecer outras pessoas que têm esse vigor, essa inteligência e disposição e ajuda-los. Eu resolvi, com essa leitura, não participar dessa eleição em Balneário, e apoiar o prefeito Fabrício, que acredito que o melhor do mandato dele está por vir. O ciclo terminou, quem sabe um dia eu inicie outro, com outra dinâmica, compreensão da dinâmica da nossa cidade, que se transforma muito rápido. Se a vida me der essa oportunidade novamente, posso voltar a disputar uma eleição em nosso município, talvez não em um mandato, mas em um grupo, continuando a contribuir pela nossa cidade”.

,

... e os candidatos menos votados nestas eleições?

Balneário Camboriú teve nesta eleição um recorde de candidatos a vereador, 308 e muitos deles receberam poucos votos, mas mesmo assim ficaram como suplentes.

Entre os suplentes menos votados, aparecem com quatro votos Eliane da Coopermar (PDT), Alexandre Florentino de Souza (Republicanos), Muniz das Almofadas (PSD), Carol Thomazelli (PL) e Edinis Ronaldo (Novo).

Com três votos, ficaram na suplência Cláudio Castilhos (PDT) e Edson Kraus dos Santos (Republicanos).

Aparecem ainda entre os suplentes Yuri Ricardo Piemontez (Republicanos), com dois votos e Pâmela (PL), com um voto.

Na relação do TSE entre os não eleitos, os menos votados nesta eleição foram Vilson Renato (PSC, 10 votos), que há muitos anos tenta se eleger para alguma coisa; Samantha Carvalho (DEM, 10 votos); Dias Negro (DEM, 7 votos); Jéssika Simão (DEM, 7 votos); Thiago Panda (Patriota, 6 votos, anulados, sub judice); Zé Carlos (PRTB, 5 votos); Teresa Maria (PSB, 4 votos); Zeni Dutra (PSB, 3 votos) e Ieda Maria (PSC, 2 votos).

Mesmo candidatos com pequena votação foram importantes para seus partidos

Dos 308 candidatos a vereador em Balneário Camboriú no último domingo, mais da metade (179) fez menos de 100 votos.

No entanto, com o fim das coligações que permitiam união de vários partidos nas eleições legislativas, lançar diversos candidatos, mesmo que com menor potencial de votos, passou a ser fundamental.

Até para o vereador mais votado, Lucas Gotardo, que não se elegeria sem o apoio para legenda de Naifer (659 votos); Osmundo (413); Marco (274); Vera Lucia (222) e Mario Cezar (168).

Lançar candidatos com menos potencial é corriqueiro em eleições, quatro anos atrás, quando havia 55 a menos na disputa, quase a metade também não chegou aos 100 votos.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


Publicidade














Página 3
Alessandro Kuehne, Anderson dos Santos, Carlos Fernandes, Cristiano dos Santos, Eduardo Zanatta, Juliana Pavan e Victor Forte
Alessandro Kuehne, Anderson dos Santos, Carlos Fernandes, Cristiano dos Santos, Eduardo Zanatta, Juliana Pavan e Victor Forte

Conheça o currículo e as ideias dos sete novos vereadores de Balneário Camboriú

Os vereadores reeleitos falam de suas propostas para este novo mandato. Veja também opiniões de quem não se elegeu.

Publicidade

Quinta, 19/11/2020 10:47.
Por Marlise Schneider Cezar e Renata Rutes
A eleição municipal ocorrida no último domingo (15), ficará marcada pela pandemia de Covid-19, que elevou o índice de abstenção para 31,80%. A cidade reelegeu o prefeito, Fabrício Oliveira, e seu vice, Carlos Humberto Metzner Silva, e 12 vereadores. A renovação legislativa se resumiu a sete vereadores, entre eles, uma só mulher. Além da baixa renovação, esta eleição reforçou uma realidade que não combina muito com a moderna e contemporânea Balneário Camboriú: a mulher não tem espaço no ambiente político.
O Página 3 apresenta nesta semana os novos vereadores e fez para eles a mesma pergunta: Quais serão os três primeiros projetos que você defenderá no Legislativo? Confira:

.

Victor Hugo Silva Forte (PL), 23 anos, eleito com 1.119 votos, é formado em Direito, sendo o vereador mais novo da história de Balneário Camboriú, cidade onde nasceu e cresceu, é solteiro e não tem filhos. Victor foi presidente do Partido Liberal (PL) Jovem de Balneário Camboriú, presidiu o PL Jovem de Santa Catarina

“Através do movimento estadual, montei diversos polos do PL Jovem pelo Estado, incentivando a juventude a entrar na política. Trabalhei bastante para me eleger, eu já havia sido candidato aos 18 anos (o candidato mais jovem da história da cidade também), e desta vez conquistei a vitória. O que mais me indigna é o candidato que some quando se elege, por isso tenho o projeto do gabinete móvel. Já estou vendo com os meus pais para comprar uma van, e irei em cada bairro para escutar a comunidade, a exemplo da vereadora Inalda do Carmo, de Camboriú. Não queremos ficar trancados na Câmara, pois vejo que os vereadores devem trabalhar pelo interesse das pessoas, e por isso é preciso estar na rua. Meu segundo projeto é o Castra Móvel, porque vejo que é necessário ampliar o número de castrações dos animais de rua na cidade. Sei que há um projeto da prefeitura com a ONG Viva Bicho, através de um convênio, mas quero ‘puxar’ essa responsabilidade para o município. Já solicitei inclusive uma emenda para conseguir uma van e equipá-la para esse serviço. O terceiro é um modelo de gestão de mandato, um mandato compartilhado e participativo. Propus isso e vou cumprir, quero que as pessoas me auxiliem, apresentem projetos de lei, há muitas ideias e não quero que dependa apenas de mim”.


Anderson dos Santos (Podemos), 37 anos, eleito com 1.063 votos, é corretor de imóveis. Natural de Blumenau, mora há 16 anos em Balneário; casado com Vanessa Correia e pai de três filhos: Bernardo, 14 anos, Maria Clara, 10 anos e Miguel, 4 anos

“Apoiarei o Projeto Rio Camboriú 2030, desenvolvido pela Univali e Comitê Rio Camboriú na construção de ações para recuperação do Rio Camboriú, eliminando o despejo de esgoto e revitalização das margens do rio. Apresentarei também o projeto Vereadores por toda cidade, para que todos os vereadores estejam presentes em todos os bairros e defenderei a modernização do mercado imobiliário, propondo ações para melhorar a prática imobiliária, possibilitando maior agilidade e facilidade para todos os agentes imobiliários, a volta do balcão do corretor e a emissão imediata do ITBI”.


Juliana Pavan Von Borstel (PSDB), 37 anos, conhecida como Ju Pavan (‘Ju para amigos e Ana para a família’), eleita com 994 votos, é empresária e apresentadora de TV, casada com Neto Von Borstel e mãe de Maria Giulia Von Borstel, de 15 anos. Juliana nasceu e viveu a vida toda em Balneário Camboriú, e desde pequena foi cercada pelo meio político por conta de seus pais (Leonel e Maria Bernardete Pavan)

“Após ver a falta de mulheres envolvidas na política, e me deparar com a cidade que nasci tomando um rumo inferior ao que a população de BC merece, decidi me envolver de uma forma mais ativa no meio político, e me tornei presidente do PSDB Mulher. E neste ano, durante a pandemia do Coronavírus, decidi colocar meu nome à disposição como candidata. Não aguentei mais ver tantas injustiças, falta de investimento e diferenças sociais só crescendo e ficar de braços cruzados. Queria expandir o trabalho que já realizava pela comunidade através da Fundação Rodesindo Pavan, e do programa que fiquei à frente por cinco anos, o Muito Mais Você com Ju Pavan. E claro, também reforçar o olhar feminino e sensível da mulher para que pudessem ajudar e solucionar muitos problemas esquecidos pela maioria dos políticos. Vejo que além da representatividade feminina no Legislativo, a mulher tem um papel fundamental de caracterizar a Câmara com a sua sensibilidade, força, garra e visão da categoria feminina. A importância nesse momento de ser a única mulher é saber que representa cada mulher e que estando em um número desigual a luta será ainda maior, pois somente uma mulher entende as necessidades de outra, e a importância de projetos que abracem a causa. Algo que tenho como verdade é de que, a cidade só é boa para o turista se ela for boa para quem nela mora, por isso, meus principais compromissos são resgatar o projeto Leite Amigo Pão, o qual ajudou muitas famílias na época que estava ativo. O projeto Leite Amigo Pão tornou-se referência nacional, pois aliava inclusão social com garantia de permanência dos estudantes na sala de aula. Infelizmente, esta ação foi descontinuada, prejudicando nossas crianças, que deixaram de receber da prefeitura apoio em forma de segurança alimentar e nutricional. Irei propor uma alteração na Lei que gerou o projeto (de 1998), criando ferramenta legal que garanta a volta da distribuição do leite e dos pães para as famílias dos estudantes da rede municipal de ensino. Outro projeto ainda voltado para a comunidade e educação. Passados 30 anos da criação do CIEP Rodesindo Pavan, creio ser necessário cobrar a ampliação do ensino integral em Balneário Camboriú. Defenderei a transformação de duas escolas já existentes em regiões estratégicas da cidade em unidades de ensino com contraturno escolar (uma na Barra – região Sul – e outra no Bairro das Nações – região Norte), propondo também que seja ofertado ensino bilíngue – português/inglês. E para superar os efeitos econômicos negativos da pandemia, cobrarei da Secretaria de Educação para que em parceria com a Secretaria de Turismo e Desenvolvimento Econômico, assim como o Sebrae, sejam promovidos cursos nas escolas municipais orientando nossos jovens quanto ao empreendedorismo, a educação financeira e emocional para inserção no mercado de trabalho”.


Carlos Souza Fernandes (Podemos), 41 anos, conhecido como Kaká, eleito com 929 votos, é natural de Santos/SP, mas reside em Balneário Camboriú há 37 anos. É empresário, casado e tem duas filhas, Milena e Gabriela – de um ano e cinco meses e 10 anos respectivamente. Iniciou sua militância no PL, nas eleições de 2008 e logo após se filiou no PSDB, onde, em 2016, alcançou 974 votos, ficando como 1º suplente do partido, o que lhe permitiu assumir a cadeira por 30 dias em 2017. Agora, está no Podemos, aliado ao prefeito Fabrício de Oliveira

“A vitória é a realização de um sonho e o cumprimento de uma promessa sob a minha vida. Foram anos construindo o caminho até aqui, e dessa vez, com a benção de Deus, alcançamos êxito nas urnas. Agora, é a oportunidade de honrar cada um dos 929 votos de confiança com um trabalho sério e comprometido, legislando para todos os cidadãos de Balneário Camboriú. Meus três primeiros projetos serão: 1) No campo da educação, vou batalhar pelos nossos professores, para aumentar a validade do contrato de ACT de um para dois anos, como já é realidade em alguns municípios próximos, o que garantirá maior segurança ao profissional da educação para elaborar seus projetos pedagógicos e a continuidade destes. 2) Já na área da saúde, nosso município demanda da criação de uma Ala Pediátrica Especializada dentro do Hospital Ruth Cardoso, para que o atendimento infantil não se dê apenas no setor privado ou no Hospital Pequeno Anjo, em Itajaí. Lutarei por essa importante causa, garantindo o acesso público e gratuito a todas as nossas crianças. 3) Na modalidade do esporte, trarei ao nosso município um novo Skate Park Olímpico, para o treinamento e desenvolvimento dos nossos jovens atletas. Tudo isso com o apoio e o compromisso já firmado do meu amigo, deputado federal Daniel Freitas, através de emendas federais. Colocaremos Balneário Camboriú na rota dos eventos nacionais e internacionais com este novo local”.


Cristiano José dos Santos (PL), 40 anos, eleito com 859 votos, é natural do Rio de Janeiro, mas mora em Balneário desde criança, era diretor da Secretaria do Turismo, é casado e tem uma filha de 14 anos. Sua vida partidária sempre esteve atrelada ao esporte e também trabalha pela causa animal, sendo voluntário há mais de 10 anos

“São duas bandeiras que quero levar, são paixões que tenho, faço porque amo de verdade. Tenho também uma passagem muito grande no serviço social. Algumas das plataformas que quero defender, à nível de parceria junto ao Executivo, são voltadas para esse lado. Minhas prioridades serão projetos para poder melhorar a situação comunitária, regulamentar também a causa animal e tentar resolver algumas situações da Secretaria de Inclusão Social. Estando na Câmara espero poder criar projetos de regulamentações, que precisam ser discutidos e que espero conseguir apresentar ao Legislativo”.


Alessandro Kuehne (Republicanos), 43 anos, conhecido como Teco, eleito com 606 votos, é educador físico e natural de Balneário Camboriú. Casado com Adriane, é pai de duas filhas, Hadassa, 7 anos, e Rebecca, de 10 meses. Teco foi superintendente da Fundação Municipal de Esportes de Balneário Camboriú (2017-2018) e vereador suplente em 2016 com 829 votos, tendo assumindo a cadeira do Legislativo em 2018 por quatro meses

“A minha principal missão será estar lado a lado com a comunidade e com todos aqueles que me elegeram, defendendo seus interesses, com transparência, no sentido de proporcionar a verdadeira mudança que todos esperam. Meus três primeiros projetos serão: 1) Esporte: defenderei a constante valorização do desporto e paradesporto. Um dos pontos cruciais se refere a atualização dos valores do bolsa atleta; 2) Turismo: Captar eventos. No tocante ao esporte vamos trabalhar para que Balneário Camboriú volte a ser sede de competições esportivas nacionais e internacionais de esportes de alto rendimento. Isto movimenta nossa economia, gerando renda e empregos para os nossos munícipes, fomentando o turismo esportivo principalmente nos períodos de baixa temporada; e 3) Economia: Estarei fomentando ações que visam a implantação de empresas voltadas a novas matrizes econômicas”.


Eduardo Zanatta de Carvalho (PDT), conhecido como Dudu, eleito com 544 votos, 35 anos, nasceu em Chapecó, mora em Balneário há 32 anos, solteiro e sem filhos, é formado em Relações Internacionais, com especialização em Filosofia Política e mestrado em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Socioambiental. Eduardo trabalhou nos últimos sete anos e meio como chefe de gabinete do vereador Pedro Francez. Ele é pesquisador do Observatório das Migrações de Santa Catarina, presidiu o Conselho da Juventude de Balneário Camboriú, participando ainda de Fóruns em outros países, como evento da ONU no Azerbaijão e do Brics na Rússia

“O vereador Pedro foi o grande incentivador da minha campanha. Eu tinha muitas dúvidas e até então nunca tinha me visto como um candidato, mas ele sempre me falou que eu estava preparado e qualificado. Foi a minha primeira disputa de eleição e eu conquistei a vitória. Eu estava com o meu projeto pronto para o Doutorado, e agora isso terá que ser adiado. Vejo que a minha vitória mostra que dá para fazer uma campanha com debates e pessoas que acreditam. Muita gente fala que você precisa ser o mais neutro possível, porque se não vai perder voto, mas eu não acredito nisso. Construí a partir de reuniões e assembleias que fizemos durante a campanha algumas ideias, como a necessidade do fortalecimento da participação da sociedade civil organizada. Há muitos grupos especialistas em diversos temas, como Acibalc, CDL, Conselhos de Direitos (Saúde, Educação, Relações Internacionais). Vejo que não há como pautar qualquer coisa sem ouvir a sociedade. Exemplo, vejo que é necessário resgatarmos o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, onde junto do Poder Executivo planejávamos e refletíamos a cidade. Precisamos pensar em como promover os negócios locais, focados nos micros e pequenos empreendedores. Há muitos jovens com boas ideias, mas o custo de Balneário está cada vez mais alto, nem todos conseguem alugar uma sala comercial. É necessária uma política para incentivar negócios na cidade. E em terceiro, quero construir políticas focadas na juventude e primeira infância, focadas em diversos pontos, como cultura, saúde e promoção da diversidade”..

.

Vereadores reeleitos falam sobre projetos para o novo mandato

Os 12 vereadores que conquistaram a reeleição em Balneário Camboriú destacam o que significa continuar no cargo por mais um período legislativo e como pretendem desempenhar sua função na continuidade do mandato.
.

Lucas Wilson Gotardo (Novo), 31 anos, reeleito para o seu 2º mandato com 1.220 votos, sendo o vereador mais votado de Balneário Camboriú

“Planejo continuar lutando por uma Balneário livre, combatendo as leis inúteis e fiscalizando as ações do Executivo com afinco! A vitória significa muito, especialmente frente ao cenário difícil: pandemia, abstenção histórica, número recorde de candidatos. Isso sem contar no poder econômico dos meus adversários, os ataques virtuais. O Novo não coligou com outros partidos e não usa fundo eleitoral e ainda assim conquistamos uma cadeira, além da maior votação para o Legislativo. Estou certo que isso é reflexo da postura independente que tomei ao longo do mandato, em defesa daquilo que é certo, mesmo que esses posicionamentos fossem impopulares para alguns setores. Em vez de rejeição, como temem meus colegas, essa postura tem conquistado apoio e a consideração das pessoas, numa corrente que está cansada dos demagogos e que também quer uma política livre das velhas práticas”.


Marcelo Achutti (MDB), 41 anos, administrador, reeleito para o seu 3º mandato com 1.203 votos

“A vitória foi muito importante, já que com a pandemia estamos vivendo um momento totalmente atípico e mesmo assim consegui levar o meu ‘recado’ junto da comunidade. Seguirei lutando pela reforma administrativa, redução do número de vereadores e enxugamento da máquina pública, assim como redução das contas públicas, coisas que a sociedade não aguenta mais. Fui o segundo mais votado. Tanto eu quanto o Lucas Gotardo, o primeiro mais votado, temos bandeiras parecidas, ele também defende a redução de vereadores e da máquina administrativa. Meu compromisso é já a partir de 1º de janeiro trazer novamente a discussão da redução do número de vereadores. Balneário não pode admitir ter 19 vereadores, temos que enxugar. Esse é um compromisso que assumi em 2018, não foi de agora em campanha. Votarei ao contrário de qualquer tipo de aumento de imposto, seguirei na bandeira para despoluirmos a praia e o rio, assim como pela luta do Hospital Ruth Cardoso, que todo mundo já conhece. Falta gente na equipe, é o momento de discutirmos qual modelo de gestão que teremos em nosso hospital, pois hoje não sabemos se ele é municipal ou regional. Seguirei brigando se preciso e cobrando. Desejo toda a sorte ao prefeito Fabrício e espero que ele faça uma excelente gestão, e que cumpra seus projetos de campanha. Porém, eu não fui eleito para defender o governo e sim a comunidade, pela cidade. Agradeço minha família e amigos que deram a oportunidade de eu me reeleger novamente”.


Asinil Medeiros (PL), 55 anos, funcionário público, reeleito para o seu 4º mandato com 1.189 votos

“Vou continuar trabalhando junto às necessidades do povo, buscando por mais saúde, educação e efetividade na assistência social. Meu mandato sempre será pautado na proximidade entre o Legislativo e todos os munícipes, e assim seguirei com muita transparência, respeito, zelo e comprometimento com toda comunidade. Essa vitória é uma das mais importantes, primeiramente porque é sinal de que o trabalho que tenho desenvolvido está sendo aprovado pela população, e segundamente porque reafirmou o elo de confiança que tenho junto aos meus eleitores. Agradeço a todos os que confiam em meu trabalho, e asseguro que continuarei trabalhando pelo povo!”


Elizeu Pereira (MDB), 52 anos, comerciante, reeleito para o seu 3º mandato com 1.127 votos

“Essa vitória é fruto do trabalho prestado nesse mandato que termina em 2020, acredito que estive representando muito bem a comunidade, principalmente a da região sul, compreendendo os bairros Nova Esperança, Barra e praias agrestes. Meu serviço como vereador é para a comunidade. Primeiramente trabalharei nesse novo mandato fiscalizando o poder público, há também várias obras que eu gostaria que o prefeito executasse, há o problema de alagamento no Rio das Ostras que precisa se resolvido, o Centro de Eventos precisa ser aberto, e a ponte da BR-101, que é algo a nível estadual e federal, mas que também precisa ser finalizada logo. Outra luta do próximo mandato será por uma base da Guarda Municipal e dos bombeiros juntos, que quero que seja instalada na região sul”.


Omar Mohamad Ali Tomalih (Podemos), 47 anos, empresário, reeleito para o seu 2º mandato com 1.105 votos

“É uma grande alegria poder servir Balneário Camboriú por mais quatro anos. Essa vitória é um reconhecimento do trabalho que venho fazendo, mas também uma responsabilidade dobrada para fazer cada vez mais. Seguirei com os projetos voltados para as minhas principais pautas, como a valorização do ser humano, combate às drogas e à automutilação nas escolas, valorização de princípios valores... tudo o que sempre defendi. Vejo que é muito positiva essa oxigenação do poder legislativo, que não pode ser um espaço para ficar a vida inteira. Sempre precisamos de renovação, acredito que esses sete novos colegas irão dar um novo gás, trazendo novas ideias e projetos. Isso faz parte da democracia e acredito que irá acrescentar muito no crescimento da nossa cidade. Agradeço os 1.005 votos que conquistei, fui um dos poucos que aumentei a votação, reforçando que estou no caminho certo e que a população aprovou o meu trabalho”.


Gelson José Rodrigues (Cidadania), 44 anos, advogado, reeleito para o seu 2º mandato com 1.001 votos

“Meus principais motivadores desta eleição é diminuir a quantidade de vereadores na Câmara, também quero trabalhar muito pela região sul, com bons projetos, incentivar o polo tecnológico e também a questão da mobilidade urbana para essa região, levar para lá uma UPA igual a do Bairro das Nações, nova e totalmente do município. Vou batalhar muito pela saúde, deixar o nosso Hospital Ruth Cardoso apenas para o município, e outra coisa também é a construção do CIEP novo, na questão da educação também vamos batalhar muito. O sentimento de vitória é gratidão aos 1.001 votos que obtive nas urnas, foi uma eleição muito difícil, diferenciada, ninguém entendeu até agora como aconteceu isso,


Nilson Frederico Probst (MDB), 55 anos, policial civil, reeleito para o seu 4º mandato com 901 votos

“Vou continuar lutando pela qualidade na saúde, educação e segurança da nossa população, principalmente a mais carente. Cobrar a redução da máquina pública. Continuarei fiscalizando e cobrando as ações do governo”.


André Furlan Meirinho (PP), 37 anos, administrador, reeleito para o seu 2º mandato com 836 votos

“Planejo continuar buscando a melhoria e aperfeiçoamento da gestão pública cobrando do Poder Executivo a implementação de indicadores para todos os setores, bem como acesso a informação clara para a população das ações e obras do governo prometidas pelo governo, conforme Plano de Metas, previsto na Lei Orgânica do Município. Avançar nas propostas de Segurança Hídrica e Desenvolvimento Sustentável; Inovação, Tecnologia e Cidade Inteligente; Adoção de praças, áreas verdes, áreas públicas de esporte, educação, cultura e lazer; Estatuto do Pedestre; regulamentação de Plebiscito e Referendo, entre outras. Também continuar desenvolvendo em parceria com a comunidade ações inovadoras, visando os equilíbrios entre os aspectos econômicos, sociais e ambientais para a qualidade de vida da nossa população. Outras informações estão no site www.andremeirinho.com.br. A vitória significa para mim reconhecimento da população pelo trabalho realizado. Foram feitas muitas ações no decorrer do mandato pensando no presente e futuro da nossa cidade, que contaram com a parceria da comunidade, inclusive no apoio e multiplicação por meio de votos conscientes. O que nos motiva continuar com a mesma dedicação ouvindo a comunidade, aprimorando estudos, e apresentando propostas e boas práticas para a melhoria da gestão pública e bem estar da nossa população. Muito obrigado a todos de coração!”.


David Fernandes ‘Labarrica’ (Patriota), 40 anos, empresário, reeleito para o seu 2º mandato com 730 votos

“No meu primeiro mandato eu caminhei ao lado do prefeito, ajudando na tramitação de projetos importantes do Executivo na Câmara. Trabalhei com seriedade e apresentei importantes projetos que viraram leis e tiveram resultado direto na vida das pessoas, com o que institui o programa municipal de Parceria Público Privada, o que permite a venda de gêneros alimentícios na faixa de areia da orla da Praia Central de Balneário Camboriú e o que declara patrimônio cultural imaterial de Balneário Camboriú a pesca artesanal para captura da tainha. Quero continuar esse trabalho junto ao prefeito, e pretendo ampliar minhas ações nas áreas do desenvolvimento econômico, saúde e esportes. Manterei o trabalho sério e a proximidade com as pessoas. A vitória significa o reconhecimento do trabalho realizado e a obrigação de continuar fazendo o que é certo e necessário, de uma maneira responsável e transparente, porque embora eu tenha tido votos de uma parcela dos eleitores de Balneário, eu sou vereador da cidade toda”.


Patrick Hernandes Machado (PDT), 39 anos, coordenador de segurança, reeleito para o seu 2º mandato com 500 votos

“Meus planos são buscar aumentar nossa atuação com os conselhos de classe e associações da nossa cidade. Buscar estar mais presente no dia a dia da nossa comunidade, ouvindo e sendo mais representativo. Vamos continuar batalhando pela ampliação da Educação Integral e por melhores condições no atendimento e melhoras nos equipamentos da nossa saúde pública. A vitória pra mim significa a oportunidade para continuar com nosso trabalho e a confirmação que estamos no caminho certo. Mas que preciso ter a humildade e reconhecer que tive alguns erros no mandato anterior e que estou tendo a oportunidade de consertar e melhorar minha atuação”.


  • Nota da Redação: Os vereadores Arlindo Cruz (PSD), reeleito com 919 votos, e Marcos Kurtz (Podemos), o Marquinho, reeleito com 1.075 votos, não retornaram o contato do jornal até o fechamento desta matéria. Caso eles queiram se posicionar, esse texto será atualizado.

.

Prefeito Fabrício governará com tranquilidade legislativa

credito - Ivan RuppPrefeito e vice com Anderson, um dos sete novos

A coligação ‘Fazer o Futuro Acontecer’, do prefeito Fabrício Oliveira, registrou 133 candidatos a vereador. Destes, 12 se elegeram, correspondendo a 63% das 19 vagas da Câmara. Com isso, o governo municipal tem uma forte bancada de apoio no Legislativo, com cinco vereadores de oposição reeleitos: Lucas Gotardo (Novo), Marcelo Achutti (MDB), Elizeu Pereira (MDB), André Meirinho (PP) e Nilson Probst (MDB).

O prefeito tem ‘do seu lado’ os novos vereadores Victor Forte (PL), Anderson dos Santos (Podemos), Kaká Fernandes (Podemos), Cristiano José dos Santos (PL) e Eduardo Zanatta (PDT) e os reeleitos Asinil Medeiros (PL), Omar Tomalih (Podemos), Marcos Kurtz (Podemos), Gelson Rodrigues (Cidadania), Arlindo Cruz (PSD), David Fernandez (Patriota) e Patrick Machado (PDT).

Fabrício diz que os vereadores que se elegeram na sua coligação conquistaram a vitória exatamente por estarem ‘dentro de uma proposta’.

“Temos vários temas já alinhados, mas serão sempre discutidos, respeitando a isenção e autonomia”, diz.

Sobre a oposição, ele vê que o foco do trabalho da prefeitura e dos vereadores é em nome da cidade, e por isso ‘crê que não haverá problemas’.

“Manteremos um diálogo institucional, o governo se comunica através de ações, ofícios, acredito que tudo pode ser dialogado”, afirma.


Vereadores mais ‘combativos’ seguirão na mesma linha

O prefeito reeleito Fabrício Oliveira seguirá governando com ampla maioria legislativa na próxima gestão, mas os vereadores que nesta legislatura mais cobraram, questionaram ou votaram contra determinados projetos do Executivo, também seguirão seus mandatos. Eles afirmam que continuarão aprovando todos os projetos importantes para Balneário Camboriú. Mas também prometem seguir cumprindo com rigor uma das principais funções de um legislador: a de fiscalizar as ações do Executivo. Fazer oposição saudável é bom para qualquer governo e todos, em algum momento, deveriam exercer o dever que o cargo impõe.

Lucas Gotardo (NOVO), o mais votado e Marcelo Achutti (MDB), o segundo mais votado, podem ser um bom exemplo de que exercer independência ou fazer uma ‘oposição saudável’, rende apoio do eleitor, que anda desacreditado de políticos em geral. Nessa linha também estão Nilson Probst e Elizeu Pereira (MDB) e André Meirinho (PP).

Esta semana a reportagem ouviu quatro deles e todos reafirmam que o governo terá apoio em todos os projetos que beneficiem a cidade, mas já sinalizaram problemas que esperam por respostas e como pretendem desempenhar na próxima legislatura.

Acompanhe:

..

Lucas Gotardo:

“Não tem nada melhor que ser independente”

credito - Dani Sisnandes

“Não me considero oposição, sempre tive uma postura independente, 80 a 90% dos projetos do Executivo votei favorável. Alguns votei contrário, fui um pouco mais enérgico, até porque o governo não aceita bem ser contrariado, questionado e confesso que minha personalidade não é de levar desaforo para casa, então batia de frente, fazia perguntas e quando não queriam explicar, responder, votava contrário.

Por isso as pessoas acabaram interpretando que sou contra o governo, que sou oposição, que sou um traidor, não é nada disso.

Eu não sou despachante de prefeito. Quero fazer o que é certo. Quando tenho dúvida, gosto que sejam sanadas. Meu papel é esse, fiscalizar, questionar, entender e votar sim ou não de acordo com aquilo que entendo. Não estou ali para agradar A ou B, pra ser amigo de A ou B ou pra trocar voto por meia dúzia de cargo.

Me considero independente, porque eu tive essa autonomia de não ter rabo preso com ninguém.

Na próxima legislatura, independente de prefeito que tivesse ganho, seguirei buscando minha independência sempre, porque não existe nada melhor do que ser um vereador independente.

Vejo que o Fabrício terá uma governabilidade muito fácil, tranquila, até porque a maior parte da base é muito submissa a ele, o pessoal tem um medo, não sei explicar o que é...mas vou seguir na minha linha de independência, aquilo que eu acreditar que é correto, vai ter meu voto favorável, assim como a maioria dos projetos da atual legislatura teve meu voto favorável. Só que quando encontrar algo para questionar, ou não tiver de acordo, ou não tiver seguro para votar, meu voto será contrário, pode ficar brabo, pode me chamar de traidor, não tô nem aí.

Minha preocupação é com o desenvolvimento da cidade e com a autonomia do meu mandato buscando sempre trazer transparência.

Sobre outras candidaturas, acho cedo, mas não escondo o jogo que tenho vontade de alcançar voos maiores, não quero ser um vereador carreirista, ter quatro, cinco mandatos, como muitos tiveram, já te antecipo que esta foi minha última eleição para vereador. O que me espera no futuro ainda não sei, tenho vontade de concorrer a um cargo maior, mas nada definido, se para deputado, prefeito, senador, só sei que a vereador não venho mais. Isso posso afirmar.

E isso não vai impedir de dar continuidade na Câmara de Vereadores, combatendo leis inúteis, buscando reduzir o número de burocracias, revogar leis, fiscalização intensa, cobranças com muita responsabilidade.

Uma das coisas que quero fazer é focar em cima dos contratos, principalmente de licitação, inclusive deixo meu gabinete à disposição para as pessoas que estão lendo a matéria, que preciso de ajuda externa para analisar esses contratos que são densos e sozinho não vou conseguir fazer. Aproveito para reiterar meus parabéns ao prefeito Fabrício, mais de 50% dos eleitores o escolheram, ele fez uma excelente eleição, no governo dele teve bastante coisas que desenvolveu, muitas outras ficaram para trás, mas vou continuar fazendo meu papel sem pessoalizar, minha função exige que eu tenha algum posicionamento mais fiscalizatório, isso incomoda um pouco, sei que ele está chateado comigo, mas faz parte, não dá para fazer política com estômago.

Vou fazer meu papel, fui eleito para isso e poucas pessoas hoje cumprem o verdadeiro papel de vereador. E como estou recebendo - e bem - para isso, fui eleito para isso, as pessoas esperam isso de mim, eu vou fazer o meu papel com a maior intensidade possível.

Se tivermos um parlamento em que todos pensam igual, não teria necessidade de ter um parlamento.

Ter pessoas que às vezes tiram o prefeito da zona de conforto é extremamente saudável, acho que ele deveria ouvir mais isso, infelizmente ele não gosta de críticas, porque se um dia a cidade me der oportunidade de ser prefeito, eu gostaria de ter pessoas que me alertassem sobre possíveis irregularidades. Tenho certeza que nenhum prefeito tem controle absoluto de uma prefeitura. Humanamente impossível você liderar sete mil funcionários como tem na prefeitura de Balneário. Lembra da primeira entrevista que dei para ti? Tenho guardada até hoje, eu dizendo que ia buscar fazer o meu trabalho com excelência e está escrito no jornal que eu não iria agradar A nem B, fiscalizar, aprovar o que é importante, está lá escrito, no final de 2016...eu cumpri com aquilo que falei e só reforço aquela matéria que vou sempre fazer um trabalho de excelência”.


Marcelo Achutti:

“Assumi compromisso pela redução do número de vereadores”

credito - Divulgação

“Esta eleição para vereadores foi atípica, mostrou que as pessoas não estavam interessadas em promessas, mas em avaliar o que eles fizeram nos últimos 4 anos.

Vejo por mim, defendi várias bandeiras, com destaque para a redução do número de vereadores, que propomos em 2018, porque não podemos admitir que em Balneário Camboriú, com 47 quilômetros quadrados, tenha uma Câmara com 19 vereadores. Cada vereador custa em média R$ 1 milhão, então são R$ 19 milhões na conta da sociedade de Balneário Camboriú. Assumi o compromisso de retomar o projeto de redução no primeiro dia da nova legislatura.

Outro assunto que precisamos trazer de volta é a Reforma Administrativa que não aconteceu. Essa Reforma foi uma promessa da administração Fabrício e Carlos Humberto. Ela pode economizar vários milhões de reais. Estamos encerrando o ano com déficit de mais de R$ 150 milhões, compreendemos que a arrecadação caiu, que estamos vivendo um momento de pandemia, mas não consigo compreender porque a Reforma Administrativa foi retirada da Câmara de Vereadores, temos que retomar isso o mais rápido possível, porque é isso que a sociedade espera de nós.

Também posso adiantar que não apoiarei nenhum tipo de aumento de impostos, porque fui eleito para defender a comunidade e isso vou fazer com muita garra, determinação e muita vontade de trabalhar.

O governo vai ter maior tranquilidade para governar, tem ampla maioria, e nós vamos fazer nosso papel, fiscalizar, propor e acima de tudo, todas as matérias que forem importantes terão meu apoio”.


Nilson Probst:

“Vamos cobrar uma Reforma Administrativa drástica”

credito - Divulgação

“Eleição foi difícil, diferente, 31 mil pessoas deixaram de votar. Os vereadores que foram mais combativos se reelegeram. Os projetos que foram bons para a cidade sempre iremos aprovar, mas vamos cobrar bastante.

Como por exemplo, uma Reforma Administrativa drástica, porque o município está em situação difícil. Um governo que recebeu R$ 200 milhões em caixa, hoje a previsão orçamentária é de R$ 150 milhões negativos para o próximo ano, usaram a máquina de uma maneira muito forte com cargos, nomearam comissões acima do normal, é preciso enxugar a máquina.

Outra cobrança será referente ao Plano Diretor. Há quatro anos, eu era o presidente da Câmara, o prefeito eleito pediu para que não votássemos, porque ele iria mandar o projeto logo em seguida, no início do seu mandato para ser votado. Passaram-se quatro anos e o projeto não veio para a Câmara.

Tem outras questões que precisamos cobrar, além da redução da máquina pública e do Plano Diretor, a questão do não cuidado,,,por exemplo, ficamos sete meses com as escolas fechadas e tem algumas que não podem ser utilizadas, exemplo, a Dona Lili, que não foi utilizada neste domingo de eleições, porque não tem condições de uso. Imagina quando voltar as aulas, como faz?

Tem muitas coisas com problemas. Fizeram um estudo para terceirizar o hospital, pagaram R$ 800 mil e já faz mais de um ano, e até hoje esse estudo não foi apresentado.

Outro assunto é a quantidade de pessoas na fila para cirurgias eletivas. Só para ter uma ideia, para cirurgia de catarata, que é muito simples, tem 300 pessoas na fila esperando.

A educação não está numa situação boa, pela primeira vez na historia o IDEB caiu no município.

Então essa vai ser a nossa atuação, cobrar muito forte as ações do governo municipal que estão sem resposta”, afirmou.


André Meirinho:

“Contrapontos são importantes”

credito - Divulgação

“Vamos continuar o trabalho pensando no melhor para Balneário Camboriú, não sou da base do governo (situação), mas não farei oposição a bons projetos do governo que visem o bem da cidade. No entanto, fazer e aprovar as leis que conduzem a sociedade não é e não pode ser uma tarefa automática, os contrapontos são importantes para que o refinamento dos projetos de lei recebam análise criteriosa, no que for necessário se opor o farei visando leis coerentes com interesse público. Vou manter meu posicionamento de Posição para o bem de Balneário Camboriú defendendo projetos com visão de cidade, que pensem na qualidade de vida do presente e futuro da nossa população, com visão coletiva, não para defender interesses pessoais, porque é exatamente o que entendo que o cidadão espera, independente de partidos políticos”.

..

Mulheres não têm vez no Legislativo de Balneário

Em 55 anos, 13 mulheres em 13 legislaturas

credito - Arquivo JP3

Iolanda Achutti fez cinco legislaturas..

No domingo (15), dia da eleição municipal, dia da Proclamação da República foi também dia do aniversário do Legislativo de Balneário Camboriú, que completou 55 anos.

Desde o dia 15 de novembro de 1965 ocuparam as cadeiras legislativas 126 vereadores (entre titulares e suplentes). Entre eles, apenas 13 mulheres (saiba quem são as 13 no quadro abaixo). E nestes 55 anos pouca coisa mudou e a prova disso veio nas urnas desta eleição: apenas uma mulher foi eleita, Juliana Pavan. Ela ocupa vaga de Juliethe Nitz, que também foi a única eleita quatro anos atrás.

Na atual legislatura duas suplentes assumiram por algumas semanas, Osnilda Amorim (Nena Amorim), em novembro de 2019 e Claudineia da Costa Wolff (Zezé Wolff), em fevereiro de 2020.Não foi por falta de opções, porque entre os 308 candidatos, tinha 95 mulheres, correspondendo a 30,8%. E entre elas, uma novidade: um coletivo formado por cinco mulheres.

“Nosso desafio é o de ampliar a representatividade da mulher não somente na Câmara de Vereadores, mas também nos espaços da sociedade civil”, disse Juliana Pavan.

A reportagem buscou a opinião da única vereadora eleita, de uma integrante do primeiro coletivo que disputou uma eleição em Balneário Camboriú e de uma ex-vereadora, que já sentiu na pele essa ‘solidão’ feminina no Legislativo municipal.

Confira:
.

Juliana Pavan, única vereadora eleita:

“O que falta realmente é incentivo”

credito - Lucas Bazan

“Entendo que precisamos inicialmente envolver a mulher na política de Balneário Camboriú por meio das entidades, associações, e também dos próprios partidos. Quantas mulheres presidem partidos em nossa cidade? Qual a proporção de mulheres que compõem o secretariado da prefeitura? Vale a reflexão.

Naturalmente eu tive uma grande motivação já no âmbito familiar, pela trajetória eleitoral do meu pai, sempre sendo respaldado em todos os momentos pela força e sensibilidade da minha mãe, que construiu um grande legado na área do desenvolvimento social. Então sempre me inspirei neles, sendo para mim este momento a realização de um sonho: trabalhar para também deixar a minha contribuição para Balneário Camboriú e seu povo.

Acredito que as mulheres estão sim preparadas, o que falta realmente é um incentivo a fim de que transitem para um patamar de maior protagonismo. O despertar feminino para o exercício da liderança política precisa de bandeiras de motivação. Saúde, educação, segurança... envolvendo as mulheres em pautas que façam a diferença na sua própria vida, fazendo resgatar essa crença de que sim - é por meio da política que vamos conseguir as mudanças que avanços que tanto sonhamos – e que vão impactar inicialmente no nosso próprio lar. E são estas as bandeiras que vou defender na Câmara Municipal!

Como disse já durante a campanha, espero honrar a trajetória das poucas mulheres que me antecederam ocupando vagas no Poder Legislativo. E para tanto não vou subir o tom de voz e nem me impor simplesmente por ser mulher, pois entendo que uma representante precisa ser esteio de todos os segmentos, e de todos os bairros. Mas creio que o mais importante é ter a capacidade de ouvir as pessoas e suas demandas, utilizando como única força a do argumento, exercitando a capacidade de ouvir e assim demonstrar que as mulheres podem sim fazer a diferença e ajudar na construção de uma sociedade mais justa, igualitária e sobretudo democrática”.


Ciça Muller, integrante do Coletivo, junto com Bia Mattar, Dagma Castro, Gisele Santos e Rafaela Cruz:

“Nossa sociedade é machista e elitista”

credito - Divulgação

“As eleições municipais em Balneário Camboriú foram muito frustrantes. Mais uma vez o triste resultado para as mulheres: somente uma representante no Legislativo, mesmo com tantas candidatas capacitadas para ocupar uma vaga. Precisamos refletir o porque as mulheres não conseguem chegar lá. Vejamos, as entidades de classe e clubes de serviços da cidade, em sua maioria são presididas por mulheres. Escolas são dirigidas por mulheres. Empresas são administradas por mulheres. As mulheres também são chefes de família, e quando há problemas de saúde em casa, geralmente são as mulheres que tomam a frente para cuidar dos familiares. Nos partidos a preocupação é cumprir a cota, mas o apoio às candidatas nem sempre é o mesmo que é dado aos candidatos. Afinal, será que nossa cidade não quer mulheres ocupando os espaços de liderança? Elas são sim dedicadas, corretas, determinadas e resilientes. E então, por que não? Nossa sociedade é machista e elitista, talvez embora pareça uma cidade cosmopolita, ainda tenhamos uma cultura de república”.


Marisa Zanoni Fernandes, única vereadora eleita na 12a.legislatura (2013/2016):

“18 homens brancos, heterossexuais e uma mulher”

credito - Arquivo Pessoal

“Lamentar a ausência de maior representação feminina nos espaços políticos na nossa cidade exige uma ampla reflexão sobre o modo como essa cidade historicamente se constitui: dominada pelos mesmos grupos políticos – ligados a setores majoritariamente econômicos religiosos conservadores. Nesse viés, o resultado mais uma vez é esse: 18 homens brancos, heterossexuais e apenas uma mulher.

O que me espanta é que “vendemos” uma imagem de cidade plural, cosmopolita, receptiva, contemporânea, mas que na realidade não passa apenas de uma imagem ilusória.

Acredito que reparar a desigualdade de gênero é uma tarefa que deve começar nas escolas (debate de gênero – excluído do Plano de Educação pela Câmara de Vereadores), nas casas, nos espaços de trabalho, nas praças. Refletir e desconstruir ideologias e práticas conservadoras que perpetuam e ocultam as causas dessa desigualdade, como por exemplo, criminalizando e menosprezando os movimentos feministas, os movimentos LGBTs, minimizando os altos índices de violência contra a mulher, o machismo, o patriarcado tão enraizado e tão brutal.

Precisamos de estratégias que assegurem uma vivência política partidária contínua e não apenas a busca por mulheres no período de eleição para cumprir o percentual de gênero, que promovam e fortaleçam lideranças femininas na cidade. Precisamos de homens e mulheres que se unam em torno de um projeto coletivo de cidade mais democrática - vejamos quantas ocupam as ruas, as praças, os seminários para debater esse tema?

Enquanto ficarmos apenas lamentando, uma ou outra sentará naquelas cadeiras. Essa desigualdade não pode ser cena que perpassa aos olhos de quatro em quatro anos. O que faremos hoje, o que seremos capazes de descortinar hoje poderá ser uma janela mais esperançosa para nossas meninas amanhã”.


Galeria das ex-vereadoras da CVBC

1a. Vereadora: Wanda de Abreu Webler

  • 4ª Legislatura - 1977/1983

2a.Vereadora: Remi da Silva Osório

  • 5ª Legislatura - 1983/1988
  • 6ª Legislatura - 1989/1992
  • Presidente da Mesa Diretora no biênio 1991/1992
  • 7ª Legislatura - 1993/1996

3a. Vereadora: Iolanda Achutti

  • 6ª Legislatura - 1989/1992
  • 8ª Legislatura - 1997/2000
  • 9ª Legislatura - 2001/2004
  • Presidente da Mesa Diretora em 2004
  • 10ª Legislatura - 2005/2008
  • Presidente da Mesa Diretora no biênio 2007/2008
  • 11ª Legislatura – 2ª suplente em 2009

4a. Vereadora: Terezinha Lenita de Miranda Novaes*

  • 6ª Legislatura - 2ª suplente em 1992

5a. Vereadora: Anna Christina Barichello*

  • 8ª Legislatura - 1997/2000
  • 10ª Legislatura - 2005/2008
  • Presidente da Mesa Diretora em 2005
  • 11ª Legislatura – 1ª suplente em 2009

6a. Vereadora: Joselene Manfredini (Guga)*

  • 9ª Legislatura - 1ª suplente - (uma vez em 2001, duas em 2002 e uma em 2004)

7a. Vereadora: Nilcéa T. P. Barichello*

  • 9ª Legislatura – 1ª suplente em 2004

8a.Vereadora: Délia Terezinha Pavan*

  • 10ª Legislatura – 2ª suplente em 2006 e 2007

9a. Vereadora: Sílvia de Mello*

  • 11ª Legislatura – 1ª suplente em 2010 e 2011

10a. Vereadora: Marisa Zanoni Fernandes*

  • 12ª Legislatura – 2013/2016

11a. Vereadora: Juliethe Pereira Nitz*

  • 13ª Legislatura – 2017/2020

12a. Vereadora: Osnilda Amorim (Nena Amorim)*

  • 13ª legislatura – 2ª suplente em novembro de 2019

13a. Vereadora: Claudineia da Costa Wolff (Zezé Wolff)*

  • 13ª Legislatura – 1ª suplente em fevereiro de 2020
A Galeria das ex-vereadoras de BC foi criada pela Resolução 486/2011, de autoria do vereador Dão Koeddermann, e implantada na presidência do vereador Orlando Angioletti, no dia 8 de março de 2012.

..

Vereadores que não conquistaram a reeleição ou não participaram do pleito opinam

Sete vereadores de Balneário Camboriú não se reelegeram ou optaram por não participar das eleições deste ano. Quatro deles, Aldemar ‘Bola’ Pereira, Juliethe Nitz, Roberto Souza Junior e Joceli Nazari ficaram como suplentes, já Pedro Francez, Moacir Schmidt e Orlando Angioletti (suplente) não concorreram. O vereador Leonardo Martins Machado, o Piruka, foi candidato a vice-prefeito junto com Auri Pavoni.

O Página 3 conversou com eles, que opinam sobre o trabalho desenvolvido até aqui e como veem os próximos quatro anos.

...

Não reeleitos – todos ficaram como suplentes

“Provavelmente não voltarei a ser candidato”

Aldemar ‘Bola’ Pereira (PSDB), conquistou 680 votos

“Trabalhei muito na rua, em todos os bairros, fiz 1.192 indicações, andei na comunidade mesmo. Esses últimos quatro anos ficarão marcados para mim por isso. Minha atuação foi permanente, estava sempre com a comunidade, ouvindo e vendo os problemas, pedindo por solução. Fui oposição, estava sempre fiscalizando, cobrando melhorias na educação, a falta de material para os professores trabalharem, necessidades de reformas nos centros comunitários, a questão da EMASA, onde a água suja afetou milhares de pessoas nesses anos todos, principalmente em 2018. Sou um vereador de contato, de visitar meus eleitores, e devido a pandemia ficou muito difícil fazer campanha na rua. Nas redes sociais há candidatos que são mais ativos. O fator econômico também afetou, foi muito precária a coligação, isso dificultou. Havia uma grande quantidade de candidatos que concorreram, e isso dilui ainda mais os votos, além da abstenção, que foi gigante. As pessoas também estão desacreditadas da política, na Câmara houve muitos escândalos, processos judiciais, a questão da CPI das obras, isso acabou manchando o nome do Legislativo. Eu voltarei a ser corretor de imóveis e provavelmente não voltarei a ser candidato. Eu já havia saído da política por oito anos, e agora quero que essa saída seja definitiva. Sou suplente, e se me chamarem farei a minha obrigação, mas agora não planejo me candidatar mais. Fiquei dois mandatos como vereador, fui vice-prefeito por oito anos, fiquei oito anos fora, voltei porque a comunidade pedia e agora não me reelegi. Vejo que a política mudou muito o foco, está difícil trabalhar, não se vive mais a política honesta e séria, é de negociações. As pessoas não votam mais por ideais. Me considero um vereador muito atuante, acho que deixo um legado com o Hospital Municipal Ruth Cardoso, apoiei na concretização de mais de 600 unidades habitacionais, fui prefeito por 150 dias, mais de 30 ruas que não tinham pavimentação eu apoiei e foram pavimentadas. Agradeço a Deus, minha família e todos que ajudaram a construir minha vida política em Balneário Camboriú”.


“Não desistirei”

Joceli Nazari (Cidadania), conquistou 645 votos

“Avalio que nesse meu mandato tive a oportunidade de fazer grandes defesas, presidi a Comissão de Saúde e Educação, visitei todas as escolas e unidades de saúde, consegui indicações para reformar unidades escolares. Fiz diversos enfrentamentos que deram certo. Sou administrador hospital, consegui R$ 2,5 milhões em emendas para a nossa cidade, ampliei a entrega de vacinação para idosos e pessoas com dificuldade de mobilidade também. Saio de cabeça erguida, acredito que colaborei muito com o nosso município. Agora é uma nova fase, não deixarei de atuar como cidadão, cobrando questões da saúde, onde o nosso principal problema é a demora das filas para atendimento. Fiz várias indicações ao prefeito também, como a criação do Bairro Jardim Bandeiras, que deve ser desmembrado do Nova Esperança, onde poderá ser construída uma nova unidade de saúde, que já está cadastrada junto ao Ministério da Saúde. Balneário é uma cidade que ainda tem muito a crescer, e a saúde precisa evoluir junto. O Hospital Ruth Cardoso é do município, mas por ser habilitado junto ao Ministério da Saúde tem a regra do SUS que não pode restringir atendimento para outras cidades, é a universalização, então precisamos atender moradores de outras cidades. A questão do Covid-19 também está preocupando muito, e exigirá um investimento cada vez maior. Eu vejo que o foco deve ser trabalhar na atenção primária, tratando a doença no início para a pessoa não precisar ir para o hospital. Minha campanha foi totalmente baseada em falar a verdade, apresentei o meu trabalho, pedi mais uma oportunidade e estou muito feliz pelos votos verdadeiros que recebi. Não foi suficiente, fiquei como 1º suplente, meu partido é da base do governo, então as portas estão abertas. Não desistirei, porque ainda tenho muito a fazer pela cidade. Devo voltar para a minha profissão, gostaria de atuar na região ou em Balneário, mas se não conseguir irei me mudar, mas continuarei acompanhando a cidade”.


“O futuro a Deus pertence”

Juliethe Nitz (PL), conquistou 855 votos

“Eu trabalhei estes quatro anos pautada sempre nos meus valores de honestidade, compromisso e transparência, lutei pela verdade, pelos ideais que eu acredito, sempre estive de portas abertas para receber as pessoas e ouvir suas demandas e sugestões para a nossa cidade, por isso tenho muito orgulho da minha trajetória. Como empresária, sempre fui envolvida com o setor privado e estando no poder público eu busquei uma ligação entre estes setores, uma maior comunicação que beneficiasse todos, assim, pensando desta forma, eu consegui implementar a Procuradoria Especial da Mulher, onde eu recebi as vítimas de violência e auxiliava levando estas mulheres até a rede de apoio. A integração na prática já está acontecendo gradativamente, mas um sonho que ainda não foi realizado seria a integração por meio de um sistema. Tenho vários projetos em destaque, mas sem dúvidas a PEM é uma das minhas maiores realizações, aqui além de receber as denúncias de violência doméstica recebíamos também as denúncias sobre qualquer tipo de violência institucional na hora do atendimento e eu pessoalmente cobrava a responsabilidade de órgão acusado. Eu acredito que cada pessoa é única. Felizmente eu recebi muitas mensagens de apoio de mulheres dizendo que se sentiram bem representadas por mim na Câmara de Vereadores e isso me traz a sensação de dever cumprido. Mantive sempre o foco no meu trabalho, me empenhei para trazermos mais segurança para as mulheres, hoje temos o Grupo de Proteção à Mulher que mostra um resultado incrível no atendimento, mas ainda existem muitas barreiras a serem quebradas. A política é um exemplo, tivemos 19 chances de eleger mais mulheres e novamente temos apenas uma representando, eu desejo boa sorte à candidata eleita e espero que ela faça um bom mandato. Minha campanha foi linda, honesta, limpa e forte. Fui bem recebida em todos os locais e as pessoas me reconheciam, vejo isso como um reflexo do meu mandato, pois eu estive sempre aberta a todos que me procuraram. Por ser uma eleição atípica, muitas pessoas não votaram e isso prejudicou muitos candidatos, mas mesmo com esse obstáculo eu e minha equipe demos nosso máximo, foram 855 pessoas que depositaram sua confiança em mim e em honra a estas pessoas eu vou terminar meu mandato com o mesmo comprometimento que eu iniciei. O futuro a Deus pertence, a Bíblia diz que “a vontade de Deus é boa, perfeita e agradável” e como cristã eu acredito fielmente nEle, sei que Ele tem preparado coisas inimagináveis para a minha vida. Como advogada, corretora de imóveis e avaliadora mercadológica eu seguirei trabalhando nestes segmentos e por ser uma pessoa que acredita muito no terceiro setor, pretendo continuar sendo voluntária e fazer o que está ao meu alcance pelas pessoas da nossa cidade. Sou uma cidadã que quer ver Balneário Camboriú cada vez melhor, é a minha cidade, onde eu nasci, cresci e estou criando meus filhos e me orgulho muito de contribuir para um futuro melhor. Quero agradecer a Deus, a minha família e a todos que confiaram em mim, sigo acreditando em um futuro melhor para o nosso município e para o meu país, e como cidadã, continuarei fazendo a minha parte. Meu muito obrigada e que Deus ilumine as nossas escolhas”.


  • Nota da Redação: O vereador Roberto Souza Junior (Podemos), que conquistou 925 votos e ficou como suplente, não retornou o contato da reportagem do Página 3 até o fechamento desta matéria. Caso ele queira se pronunciar, esse texto será atualizado.

Piruka deixou a Câmara para concorrer à majoritária

“Agora vou me dedicar à construção partidária”

Leonardo Martins Machado, o Piruka, conquistou 5.717 votos junto com Auri Pavoni (10,11% do total), ficando em 3º lugar na disputa pela prefeitura

“Eu acredito que o resultado não tenha sido o esperado nem para nós e nem para ninguém porque, infelizmente, a população não participou dessa eleição como deveria, um pouco por conta da pandemia e outro pouco por conta dessa questão do descrédito que a política está e do descontentamento das pessoas com a classe política. Nós tivemos uma abstenção histórica, muito superior a que tivemos na última eleição – que já era alta, e isso é muito triste e faz a nossa classe política reavaliar as suas atitudes e principalmente reavaliar a sua relação com a sociedade. Ficar quatro anos fora da Câmara para mim vai ser uma experiência nova, já que estou lá há oito anos, mas vai ser normal. Eu não nasci sentado em um banco da Câmara de Vereadores, não nasci vereador. Durante muito tempo militei nas políticas sociais, fui do movimento estudantil e estava na Câmara. A vontade de transformar a cidade não está vinculada a um cargo ou mandato e sim é a minha missão. A missão de transformar Balneário Camboriú em uma cidade melhor. Meu trabalho é reconhecido lá, mas era muito mais o meu trabalho enquanto cidadão que era reconhecido e também se vinculava um pouco ao meu trabalho como vereador. Agora vou me dedicar à construção partidária, o nosso partido não obteve os resultados esperados. Vamos reanalisar tudo isso e começar a refazer a ‘lição de casa’, para que nas próximas eleições tenhamos um crescimento maior do que nesta eleição”.


Três vereadores optaram por não concorrer

“Esse ano o meu momento chegou”

Moacir Schmidt (PSDB), o Moacir da Antártica, 75 anos, foi vereador por cinco mandatos consecutivos

“Encerro final desse ano minha participação direta na política de Balneário Camboriú por entender, neste momento, que já é tempo. Fiz meu melhor para retribuir essa cidade que acolheu a minha família e me presenteou com excelentes amizades (irmãos de vida). Me orgulho de entre outras coisas, como presidente do Legislativo ter sido o primeiro a chamar servidores via concurso público. Apesar de ainda ter disposição e ser uma decisão muito difícil, penso que todos tem que saber o momento de encerrar o ciclo e entendi, junto com minha família e amigos, que esse ano o meu momento chegou. Só posso agradecer a todos pela confiança. Quem sabe do amanhã é Deus, eu procuro trilhar os caminhos que ele me oferece. Continuarei com minhas visitas, mateadas e conversas diárias como sempre fiz, isso mantém meu coração e mente repletos de felicidades. Com muito respeito, sempre que puder fazer algo por Balneário Camboriú, aqui estarei para o meu melhor, pois amo essa cidade”.


“Não vou parar, a política está no meu coração”

Pedro Francez (PL), 60 anos, foi vereador por dois mandatos consecutivos

“Em 2012, quando me lancei candidato pela primeira vez, reuni minha família e amigos, dizendo que eu pretendia contribuir com a cidade. Eu sempre tive essa vontade, até pelo tempo que trabalhei como voluntário e social, através da igreja e também no Lions Clube Balneário Camboriú Centro, onde contribuo até hoje. Eu via que como vereador eu poderia fazer ainda mais. A intenção era me candidatar por um mandato, pois eu e minha família sempre entendemos que o mandato de vereador, deputado, senador, deveria ser como o do Executivo, no máximo dois. Eu sempre defendi e acreditei nisso, mas não tenho nada contra quem decide ir mais, eu só não comungo disso. Talvez amanhã posso voltar, mas acredito que deve haver uma interrupção, até para dar uma oportunidade para novas lideranças. Na eleição de 2016 eu decidi ir novamente, para mais um mandato, e se encerra agora em 2020. Decidi que diante da minha proposta de no máximo dois mandatos abdiquei de concorrer. Meus dois mandatos sempre foram pautados na juventude e nos idosos. Decidi apoiar e dar a oportunidade para essa nova liderança, o Eduardo Zanatta, que trabalhou comigo durante sete anos e meio. Foi o meu braço direito, a pessoa que pensava comigo os projetos, elaborava, estava sempre do meu lado. Eu vejo no Eduardo uma grande liderança, uma pessoa que pode dar continuidade ao nosso trabalho, ao nosso mandato. Ele tem uma formação muito boa, é um cara muito preparado para exercer a função. Não estou me afastando da política, tive uma conversa com o prefeito Fabrício Oliveira, me colocando à disposição se ele achar que devo ser aproveitado no governo, na cidade. Continuarei com o meu trabalho voluntário e social através da Paróquia Santa Inês, do Lions Clube. Tenho uma parceria com o deputado Maurício Eskudlark, em 2022 tem uma nova eleição pela frente, então não vou me afastar, quero continuar dando a minha contribuição para Balneário Camboriú, como já dou há 40 anos, desde que tenho 20 anos. Não vou parar, a política está no meu coração, no meu dia a dia”.


“O ciclo terminou”

Orlando Angioletti (DEM), 49 anos, foi vereador quatro vezes e neste quinto pleito, ficou como suplente

“Como tudo na vida, tem hora de começar e terminar, e a responsabilidade que um vereador deve ter com a cidade é muito, muito, muito grande mesmo. Eu entendo que um dia eu estive na condição física, psicológica e social a altura de fazer um trabalho e tentar de alguma forma dar um resultado positivo para a nossa cidade Balneário Camboriú. Pelos mandatos sucessivos que eu tive, eu acho que eu consegui, mas eu também entendo que chega um momento em que a gente não consegue mais corresponder a altura e tem que dar oportunidade e reconhecer outras pessoas que têm esse vigor, essa inteligência e disposição e ajuda-los. Eu resolvi, com essa leitura, não participar dessa eleição em Balneário, e apoiar o prefeito Fabrício, que acredito que o melhor do mandato dele está por vir. O ciclo terminou, quem sabe um dia eu inicie outro, com outra dinâmica, compreensão da dinâmica da nossa cidade, que se transforma muito rápido. Se a vida me der essa oportunidade novamente, posso voltar a disputar uma eleição em nosso município, talvez não em um mandato, mas em um grupo, continuando a contribuir pela nossa cidade”.

,

... e os candidatos menos votados nestas eleições?

Balneário Camboriú teve nesta eleição um recorde de candidatos a vereador, 308 e muitos deles receberam poucos votos, mas mesmo assim ficaram como suplentes.

Entre os suplentes menos votados, aparecem com quatro votos Eliane da Coopermar (PDT), Alexandre Florentino de Souza (Republicanos), Muniz das Almofadas (PSD), Carol Thomazelli (PL) e Edinis Ronaldo (Novo).

Com três votos, ficaram na suplência Cláudio Castilhos (PDT) e Edson Kraus dos Santos (Republicanos).

Aparecem ainda entre os suplentes Yuri Ricardo Piemontez (Republicanos), com dois votos e Pâmela (PL), com um voto.

Na relação do TSE entre os não eleitos, os menos votados nesta eleição foram Vilson Renato (PSC, 10 votos), que há muitos anos tenta se eleger para alguma coisa; Samantha Carvalho (DEM, 10 votos); Dias Negro (DEM, 7 votos); Jéssika Simão (DEM, 7 votos); Thiago Panda (Patriota, 6 votos, anulados, sub judice); Zé Carlos (PRTB, 5 votos); Teresa Maria (PSB, 4 votos); Zeni Dutra (PSB, 3 votos) e Ieda Maria (PSC, 2 votos).

Mesmo candidatos com pequena votação foram importantes para seus partidos

Dos 308 candidatos a vereador em Balneário Camboriú no último domingo, mais da metade (179) fez menos de 100 votos.

No entanto, com o fim das coligações que permitiam união de vários partidos nas eleições legislativas, lançar diversos candidatos, mesmo que com menor potencial de votos, passou a ser fundamental.

Até para o vereador mais votado, Lucas Gotardo, que não se elegeria sem o apoio para legenda de Naifer (659 votos); Osmundo (413); Marco (274); Vera Lucia (222) e Mario Cezar (168).

Lançar candidatos com menos potencial é corriqueiro em eleições, quatro anos atrás, quando havia 55 a menos na disputa, quase a metade também não chegou aos 100 votos.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade