- Publicidade -
- Publicidade -
19.2 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Dia Internacional da Mulher: em Balneário Camboriú várias lideranças femininas no comando de instituições

Balneário Camboriú possui diversas entidades de classe, como Associação Empresarial (Acibalc), Convention Bureau, Ordem dos Advogados (OAB-BC), Sindicato do Comércio Varejista e Atacadista (Sindilojas) e Sindicato dos Empregados no Comércio Hoteleiro, Bares, Restaurantes e Similares de Balneário Camboriú e Região (Sechobar). 

O que todos esses têm em comum é que são presididos por mulheres, empresárias da cidade que se dedicam ao trabalho voluntário representando suas classes. 

O Página 3 conversou com algumas delas, que destacam a importância do Dia Internacional da Mulher, comemorado nesta quarta-feira (8).

- Publicidade -

“A representatividade feminina é fundamental”

Divulgação

Katia Tonioti, presidente da Acibalc – “O poder da mulher é inegável, e a representatividade das mulheres em posições de liderança é fundamental para garantir a igualdade de gênero e a diversidade nas empresas, organizações, associações e entidades de classe. 

Quando as mulheres ocupam cargos de destaque, elas trazem perspectivas únicas e experiências que enriquecem a tomada de decisões e ajudam a promover mudanças positivas. 

A representatividade feminina é fundamental para garantir a diversidade de ideias e perspectivas, além de ajudar a construir uma sociedade mais igualitária e justa. Equilibrar as responsabilidades familiares e profissionais é um dos desafios que sinto no dia a dia”.

“As mulheres têm feito a diferença nas lideranças”

Divulgação

Andrezza Negrini, presidente do Balneário Camboriú Convention & Visitors Bureau – “As mulheres vieram com o privilégio divino de gerar vida, de alimentar do seu próprio corpo e de serem gestoras do equilíbrio do lar. Em um momento de grandes conquistas, as mulheres no mundo têm feito a diferença nas lideranças, escrevendo uma nova história que pode ser mais suave, solidária, colaborativa, afetuosa… e a cada dia percebemos que isso cresce, ressignificando a história e sociedade. Que consigamos construir um futuro mais justo para mulheres e homens”.

“Não estamos aqui para competir, é preciso sororidade”

Divulgação

Olga Ferreira, presidente do Sechobar – “A importância da mulher na sociedade deve ser lembrada todos os dias, pois a cada dia damos um passinho… cada dia é um passo por vez. O tema sororidade precisa ser praticado. Nós mulheres que estamos a frente, que estamos dando a cara a tapa o tempo todo, seja na política ou dentro da sociedade civil organizada, cumprimos papel de muita relevância, mas de cada 15 homens, tem uma mulher, e a mulher normalmente para escrever a ata, para ser a secretária – a gente vê isso nos sindicatos, federações, em uma OAB Nacional. Colocam só mulheres nas Comissões das Mulheres, quando também deveriam ter homens, porque eles precisam nos ouvir. Não tem que separar em grupos. Isso tem que ser mudado, a maioria dos homens ainda estão dominando os cargos, sendo que capacidades nós temos iguais. Aí entra a sororidade e está faltando entre nós. 

Em 2022 o Sechobar fez o movimento Sechobar Abraça em relação às mulheres, às trans, por assédio moral, assédio sexual… distribuímos material, o Página 3 ajudou a divulgar, e na Câmara de Vereadores fizeram um projeto semelhante ao nosso, mas por que não nos chamaram para conversar? Depois de lançado, vieram me procurar para conversar comigo porque eu tinha anunciado esse projeto. Foi o vereador Patrick Machado, mas estamos apoiando-o. Não estamos aqui para competir, é preciso sororidade, é a palavra para tudo – 68% dos trabalhadores da hotelaria de Balneário são mulheres, e estão em cargos operacionais. 

Por isso temos o maior piso do Brasil, temos insalubridade, lutamos para essas pessoas, menos favorecidas… é nelas o nosso foco, sendo que a maioria são chefes de famílias. E está faltando essa contrapartida, delas saberem que dentro do sindicato quem luta por elas é uma mulher, eu sinto falta disso. 

- Publicidade -

Eu comecei como camareira, eu sei como é, e ainda não senti o reflexo dessa sororidade, por isso quero levar essa palavra para que uma se coloque no lugar da outra. É uma missão e somos fortes, seguimos”.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -