- Publicidade -
28 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Atletas e técnica de Balneário Camboriú convocados para seleção brasileira de handebol em cadeira de rodas

A técnica Gévelyn Almeida e quatro atletas do Instituto Catarinense de Esportes para Deficientes (ICED), de Balneário Camboriú, receberam convocação para a seleção brasileira de handebol em cadeira de rodas, que prepara-se para o Mundial da modalidade, no próximo ano.

O Mundial está previsto para acontecer em junho, mas a sede ainda não está definida. A expectativa é que aconteça na América do Sul.

“A Federação Internacional de Handebol (IHF) organiza esse Mundial e a Associação Brasileira está convocando para as etapas de treinamento no próximo ano que definirão os atletas que representarão o Brasil”, disse Gévelyn.

Ao todo foram convocados 26 atletas e 4 membros da Comissão Técnica. As cinco etapas de treinamento serão entre fevereiro e maio.

Gévelyn foi convocada para Coordenação de Seleções, um trabalho que ela já vem realizando há quase cinco anos. 

Os quatro atletas convocados são Irene Mendes da Silva, Claudinei Marques Dias, Ezequiel da Luz Geraldo e Tcharles Tiago Besing, todos atletas do ICED, treinados por Gévelyn.

- Publicidade -

O trabalho com as seleções vem sendo feito desde 2017, a formação da base da seleção brasileira iniciou com o camping da seleção no ginásio da Barra com 32 jogadoras e 8 membros da comissão técnica.

“Ali comecei a coordenar as seleções, a convite do professor Decio Ccalegari (in memoriam), que era o presidente da Associação Brasileira de Handebol em Cadeira de Rodas. Em 2018 saiu a base da seleção feminina que disputou em 2019 o Parapan-americano, onde o Brasil obteve êxito nas categorias HCR 4 e HCR7”, disse Gévelyn.

Em fevereiro deste ano, a Federação Internacional (IHF) divulgou as regras atualizadas, reformuladas por um grupo de desenvolvimento do handebol em cadeiras de rodas da Confederação Centro Sul América, do qual Gévelyn faz parte.

- Publicidade -

“Tivemos uma alteração que mudou um pouco, passando a ser HCR4 (masculino e feminino)e HCR6 (misto), porque na Europa não existem muitos times femininos”, segue.

Segundo Gévelyn, a preparação para esse Mundial é um trabalho de quase 5 anos com as seleções. Em Balneário o handebol é esporte de alto rendimento, temos 4 dos 26 convocados para essa base. Destes 26 restarão 12 para chegar na seleção brasileira principal”, afirmou, dizendo que Balneário Camboriú vai trabalhar para trazer uma das etapas de treinamento para cá.

“O trabalho de coordenação não é fácil, tem que acompanhar o monitoramento dos atletas, do corpo técnico, toda questão da base da seleção e sua logística para as etapas de treinamento e a parceria com os clubes e ainda a busca por patrocínio”, resumiu Gévelyn.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -