- Publicidade -
- Publicidade -
23 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Espanha supera crise com técnico, bate a Inglaterra e é campeã da Copa do Mundo feminina

SÃO PAULO, SP, E SYDNEY, AUSTRÁLIA (UOL/FOLHAPRESS) – A Espanha é campeã da Copa do Mundo feminina 2023. Com gol da capitã Carmona ainda no primeiro tempo, as espanholas venceram a Inglaterra por 1 a 0, neste domingo (20), no lotado Accor Stadium, em Sydney, e conquistaram o Mundial pela primeira vez na sua história.

As espanholas controlaram a maior parte do jogo, e não conseguiram um placar maior por causa de Mary Earps. A goleira defendeu um pênalti de Hermoso e fez intervenções importantes no decorrer da partida.

A final contou com quase 76 mil pessoas. Os ingleses foram maioria nas arquibancadas, mas a festa foi dos espanhóis.

- Publicidade -

A Espanha superou a crise e boicote de jogadoras para levantar a taça. Ao todo, 12 atletas se recusaram a servir à seleção neste Mundial devido à permanência do técnico Jorge Vilda.

Jorge Vilda foi vaiado no anúncio das escalações. O comandante espanhol é criticado por parte do elenco desde o ano passado, mas foi bancado pela Federação espanhola.

Do outro lado, Sarina Wiegman é vice pela segunda vez. A técnica da Inglaterra foi a comandante da Holanda no Mundial de 2019.

A Espanha é a terceira seleção europeia a ser campeã do mundo. Ela se junta a Noruega (1995) e Alemanha (2003 e 2007).

Como foi o jogo

Final começou aberta, com bola na trave e milagre de Earps. Espanha valorizou a posse de bola, sempre buscando espaços para aproveitar a velocidade de Paralluelo e Redondo pelos lados e viu a melhor chance parar na melhor goleira do mundo. Do outro lado, a Inglaterra mostrou jogadas mais elaboradas e com recursos para se livrar na forte marcação espanhola, mas a melhor oportunidade explodiu no travessão.

Aos 24 minutos do primeiro tempo, enquanto a Inglaterra se preparava para a cobrança de falta, um torcedor – de máscara e com camiseta contra o Vladimir Putin, presidente da Rússia – invadiu o gramado, chegando próximo à entrada da grande área, mas foi rapidamente contido pelos seguranças.

- Publicidade -

Espanha saiu na frente com gol da capitã e segurou a Inglaterra até o intervalo. Carmona fez a festa espanhola ao finalizar cruzado e abrir o placar em Sydney. Com a vantagem, a Espanha trocou passes e buscou desacelerar o jogo. Quando não tinha a bola, apostou na marcação para segurar uma desorganizada Inglaterra.

Inglaterra voltou com James e Kelly, foi para cima da Espanha, mas faltou pontaria. As britânicas ficaram mais com a bola e encontraram espaços principalmente pelos lados do campo, mas faltou calma na hora de finalizar e empatar o confronto. Do outro lado, a Espanha não abriu mão de atacar e viu Mary Earps manter a vantagem mínima.

Mary Earps encaixou pênalti e deixou a Inglaterra viva no jogo. Após longa demora, o VAR recomendou revisão de toque de mão de Walsh. A árbitra marcou a penalidade, Hermoso foi para a cobrança, e a inglesa mostrou porque é a melhor goleira do mundo e manteve a Inglaterra viva.

Espanha segurou a pressão inglesa em 13 minutos de acréscimo e soltou o grito de campeã. As espanholas valorizaram a posse de bola e aproveitaram substituições para matar o tempo. Já a quantidade de acréscimos deveu-se à demora na marcação do pênalti e pelo atendimento à Greenwood após corte na cabeça em dividida com Paralluelo.

Vaias a Vilda e ingleses em peso

O técnico Jorge Vilda foi vaiado no anúncio das escalações no telão do estádio. Enquanto nas capas dos jornais espanhóis ele acabou sendo a estrela, na Austrália a torcida ficou ao lado das jogadoras na polêmica.

Os ingleses estavam em maior número em Sydney e cantaram alto o hino do país, mas ao longo do jogo os espanhóis de fizeram ouvir. Muitas vezes, cantavam muito mais alto.

Gols e lances importantes

Aos 16 minutos do primeiro tempo, Daly amorteceu a bola na esquerda da área, ajeitou para Hemp e a atacante, em finalização de canhota, acertou o travessão de Cata Coll.

Aos 17 minutos do primeiro tempo, após jogada pela esquerda, Carmona cruzou, a bola passou por Paralluelo e Redondo finalizou. No reflexo, Earps defendeu e Walsh completou.

Aos 29 minutos do primeiro tempo, Carmona foi acionada nas costas de Lucy Bronze, invadiu a área e finalizou cruzado, sem chance para Earps.

Aos 46 minutos do segundo tempo, Paralluelo recebeu de Batlle na marca do pênalti, finalizou de primeira e acertou a a trave esquerda.

Aos 6 minutos do segundo tempo, Caldentey arrumou espaço na entrada da área, bateu de chapa no canto esquerdo e Mary Earps voou para espalmar de mão trocada.

Aos 9 minutos do segundo tempo, Kelly recebeu de Stanway na direita, cruzou para o segundo pau e, de frente para o gol, Hemp finalizou à esquerda de Cata Coll.

Aos 24 minutos do segundo tempo, Hermoso foi para a cobrança de pênalti – marcado com auxílio do VAR por toque de mão de Walsh dentro da área – e a goleira Mary Earps foi buscar no canto esquerdo.

Aos 48 minutos do segundo tempo, Batlle entrou na área pela direita, chutou cruzado e, após desvio de Carter, Earps esticou o pé esquerdo para defender.

FICHA TÉCNICA

ESPANHA 1 x 0 INGLATERRA

Competição: final da Copa do Mundo feminina

Data e horário: 20 de agosto de 2023, às 7h (de Brasília)

Local: Accor Stadium, em Sydney, na Austrália

Árbitra: Tori Penso

Assistentes: Brooke Mayo e Katie Nesbitt

Cartões amarelos: Hemp (Inglaterra); Paralluelo (Espanha)

Gols: Carmona (Espanha), aos 29 minutos do primeiro tempo

Público: 75.784

ESPANHA

Cata Coll; Ona Batlle, I. Paredes, L. Codina (Ivana Andrés) e Olga Carmona; Teresa Abelleira, Aitana Bonmati e Jenni Hermoso; Alba Redondo (Hernández), Mariona Caldentey (Putellas) e Paralluelo. Técnico: Jorge Vilda.

INGLATERRA

Earps; Carter, Bright e Greenwood; Bronze, Walsh, Stanway e Daly (Kelly); Toone (England); Russo (Lauren James) e Hemp. Técnica: Sarina Wiegman.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -