- Publicidade -
- Publicidade -
18.9 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Fluminense espanta pesadelo da semifinal e vai à decisão do Mundial

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Em sua estreia no Mundial de Clubes da Fifa, o Fluminense afastou a armadilha das semifinais que assombra as equipes sul-americanas e venceu o confronto contra o Al Ahly, do Egito, por 2 a 0, em partida realizada nesta segunda-feira (18) no estádio King Abdullah Sports City, em Jedá, na Arábia Saudita.

O primeiro gol da partida saiu aos 25 minutos do segundo tempo, após o lateral esquerdo Marcelo ser derrubado dentro da área pelo atacante sul-africano Percy Tau. Na cobrança, o meia Jhon Arias bateu firme no canto direito, sem dar chance de defesa para o goleiro El-Shenawy.

Aos 44 minutos, o atacante John Kennedy recebeu na entrada da área e ampliou o placar, sacramentando a classificação do Fluminense para a final.

- Publicidade -

O jogo foi equilibrado e contou com chegadas de perigo ao gol de ambos os lados. O time egípcio ameaçou o gol do Fluminense em especial por meio de jogadas de contra-ataque conduzidas pelo atacante El Shahat, contando com intervenções importantes do experiente arqueiro Fábio que impediram o gol do Al Ahly.

O Tricolor das Laranjeiras aguarda agora a definição do adversário na final. Na outra semifinal do torneio, na terça-feira (19), o campeão europeu, Manchester City, debuta no Mundial contra o Urawa Red Diamonds, do Japão. O campeão asiático se credenciou para enfrentar o clube inglês ao derrotar na fase anterior o time mexicano do León.

A final da competição está prevista para a próxima sexta-feira (22), às 15h (horário de Brasília), com transmissão pela Globo, na TV aberta. Globoplay, ge, Cazé TV (YouTube) e Fifa+ (streaming) também transmitem a decisão.

Se o Manchester City confirmar o favoritismo contra o time japonês e passar para a final, os torcedores poderão acompanhar o aguardado duelo de estratégias entre Fernando Diniz, que também é o treinador interino da seleção brasileira, conhecido por valorizar o toque e a posse da bola, e o espanhol Guardiola, responsável por difundir há anos um estilo de jogo semelhante nos principais clubes da Europa e considerado um dos maiores treinadores de sua geração.

O técnico espanhol inclusive já demonstrou curiosidade a respeito do estilo de jogo do atual treinador da seleção brasileira.

“Gostaria de saber”, respondeu Guardiola, ao ser questionado recentemente sobre a tática “aposicional” defendida por Diniz, segundo a qual os jogadores não precisam seguir uma posição fixa durante toda a partida, com liberdade para se movimentar pelo campo. “A próxima vez que nos vermos, talvez ele possa me contar [a respeito da tática aposicional]”, acrescentou o ex-meia espanhol.

Diniz, ao participar de um programa no SporTV no ano passado, chegou a comentar sobre as comparações entre o estilo de jogo de seus times com o do treinador do City.

- Publicidade -

“Por conta de gostar de ter a bola, as pessoas me associam ao Guardiola. Mas a maneira dele ter a bola é o oposto da minha”, afirmou o técnico do Fluminense. Diniz explicou que, nos times treinados pelo espanhol, os jogadores têm posições fixas bastante delimitadas dentro de campo, enquanto ele busca uma formação mais fluída.

A última vez que um time brasileiro chegou à final da competição foi na edição de 2021, quando o Palmeiras foi derrotado pelo Chelsea por 2 a 1. A última conquista foi em 2012, quando o Corinthians bateu o mesmo Chelsea por 1 a 0, com gol do peruano Paolo Guerrero.

São Paulo (2005, contra o Liverpool) e Internacional (2006, contra o Barcelona), também venceram o mundial da Fifa no formato atual.

Neste domingo (17), a entidade do futebol anunciou que, a partir de 2024, o mundial de clubes no modelo vigente passa a se chamar Copa Intercontinental, com um formato ampliado com 32 clubes estreando a partir de 2025.

Essa foi a segunda partida entre Fluminense e Al Ahly, que já se enfrentaram em 1961, em amistoso no Cairo que terminou com a vitória do time brasileiro por 2 a 1, com gols de Waldo e Telê Santana.

O time egípcio tem um histórico de confronto contra times brasileiros pelo Mundial. Em cinco partidas na competição em que enfrentou equipes do Brasil, perdeu quatro (Inter, em 2006; Corinthians, em 2012; Palmeiras, em 2021; e Flamengo, em 2022), e ganhou uma, em 2020, quando bateu o Palmeiras na disputa por pênaltis pela definição do terceiro lugar.

Os campeões africanos nunca chegaram à decisão, tendo como melhor resultado na competição o terceiro lugar em três ocasiões (2006, 2020 e 2021).

Times da África chegaram à final duas vezes: em 2013, o Raja Casablanca, do Marrocos, foi vice-campeão, ao ser derrotado pelo Bayern na decisão. Na ocasião, os marroquinos eliminaram o Atlético-MG, na semifinal. Em 2010, o Mazembe chegou à final contra a Inter de Milão, após derrotar o Internacional.

Estádio: Rei Abdullah, em Jedá (Arábia Saudita)

Árbitro: Szymon Marciniak (POL)

Assistentes: Tomasz Listkiewicz (POL) e Adam Kupsik (POL)

Cartões amarelos: Martinelli (FLU); Abdelmonem (AHY)

Gols: Arias, 23min do 2º tempo; John Kennedy, aos 44min do 2º tempo

FLUMINENSE

Fábio, Samuel Xavier (Guga), Nino, Felipe Melo (Marlon) e Marcelo (Diogo Barbosa); André, Martinelli e Ganso (Lima); Arias, Keno (John Kennedy) e Cano. T.: Fernando Diniz

AL-AHLY

El Shenawy, Hany, Yasser Ibrahim, Abdelmonem e Maâloul; Ateya (El Solia), Akram Tawfik (Afsha) e Ashour (Rabia); Percy Tau (Taher Mohamed), Kahraba (Fouad) e El Shahat. T.: Marcel Koller


Para receber notícias do Página 3 por whatsapp, acesse este link, clique aqui




- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -