- Publicidade -
- Publicidade -
26 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Massa avalia processar F-1 e contestar título de Hamilton em 2008: ‘Só me interessa a justiça’

Vice-campeão mundial de Fórmula 1 em 2008, Felipe Massa admite que poderá acionar a Fórmula 1 e a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) na Justiça para assegurar a conquista que não veio naquele ano por apenas um ponto. O piloto brasileiro estuda as ações legais por causa de declarações recentes de Bernie Ecclestone, ex-chefão da categoria, de que sabia da manipulação do resultado do GP de Cingapura daquele ano e de que Massa poderia ter ficado com aquele título mundial, desbancando Lewis Hamilton.

“Reforço que não me interessa o lado financeiro nessa história e, sim, a justiça! Se as duas pessoas mais poderosas (da categoria), o chefão da Fórmula 1 e o chefão da FIA, sabiam em 2008 e se calaram, isso é muito grave e inadmissível para o esporte. A corrida de Cingapura afetou diretamente todo o automobilismo brasileiro”, afirmou Massa.

“Como um título mundial poderia ter alavancado o automobilismo brasileiro nos últimos 15 anos? Nunca mais teremos essa resposta Vejo com tristeza por ser algo injusto e, repito, inadmissível para o esporte. No momento, estou estudando o que pode ser feito a partir das recentes declarações do Bernie”, confirmou o atual piloto da Stock Car.

- Publicidade -

O chamado “Cingapuragate”, um dos casos mais rumorosos da história da F-1, aconteceu em setembro de 2008, na 15ª de 18 etapas daquela temporada. Na ocasião, Massa disputava o título com Hamilton. Foi o pole position da corrida e liderava a prova quando Nelsinho Piquet sofreu uma batida, o que mudou os rumos da disputa. Fernando Alonso, da mesma equipe Renault de Nelsinho, acabou ficando com a vitória naquele GP.

Um ano depois, Nelson Piquet veio a público para denunciar que seu filho batera de propósito por ordem de Flavio Briatore, então chefe da Renault, para beneficiar o companheiro de equipe, Alonso. O caso foi investigado pela FIA, que puniu os envolvidos Briatore foi banido da F-1, embora a decisão já tenha sido revogada, e o engenheiro Pat Symonds, outro responsável pela ordem para a batida, foi suspenso por cinco anos – atualmente é o diretor técnico da F-1.

A polêmica foi revivida no início de março, quando Ecclestone concedeu entrevista ao site F1-Insider na qual admitia que ele e o então presidente da FIA, Max Mosley, estavam cientes da armação ainda em 2008, após o episódio, antes mesmo da denúncia de Nelson Piquet, feita apenas no ano seguinte.

“Tivemos informações suficientes a tempo de investigar o assunto De acordo com os regulamentos (da época), deveríamos ter cancelado a corrida em Cingapura naquelas condições”, declarou. “Decidimos não fazer nada. Queríamos proteger o esporte e evitar um grande escândalo. Por isso me esforcei para convencer meu ex-piloto Nelson Piquet a manter a calma”, disse Ecclestone, em referência ao período em que era chefe de Piquet na já extinga equipe Brabham.

O então chefão da F-1 admitiu que poderia ter anulado o GP por causa da manipulação da Renault. “Naquela época, havia uma regra de que uma classificação ao Mundial após a cerimônia de premiação da FIA no final do ano era intocável. Então Hamilton foi presenteado com o troféu e estava tudo bem.”

Se a prova tivesse sido anulada, Massa poderia ter se sagrado campeão mundial, uma vez que Hamilton terminou em 3º, enquanto o brasileiro foi apenas o 13º, sem somar pontos, após enfrentar um problema nos boxes – o pit stop havia sido motivado justamente pela entrada do safety car na pista após o acidente protagonizado por Nelsinho Piquet.

“Felipe Massa se tornaria campeão mundial, e não Lewis Hamilton. Hoje me solidarizo com Massa, sinto muito por ele. Afinal, ele ganhou a corrida em casa, em São Paulo, mas foi enganado e não levou o título que merecia. Hoje eu teria feito as coisas de outra forma”, reconheceu Ecclestone. O título de 2008 foi decidido por apenas um ponto de diferença.

- Publicidade -

MASSA ESTUDA PRÓXIMOS PASSOS

“Isso é muito triste. Você sabe que uma coisa foi roubada, o resultado dessa corrida era para ser cancelado e eu teria um título. No final, quem mais saiu perdendo com esse resultado fui eu. Estamos indo atrás para entender tudo isso”, disse Massa em entrevista ao site Motorsport.com.br.

“Eu pretendo estudar a situação. O resultado, os estudos do que dizem as leis, as regras… A gente tem que ter uma ideia do que é possível fazer. Como eu disse, eu não tenho interesse financeiro nisso. Vou processar a FIA para ganhar dinheiro em cima, mas sem mudar o resultado? Isso não me interessa. O que me interessa apenas é a justiça correta dessa situação”, declarou.

O brasileiro, contudo, admitiu que é improvável dividir o título com Hamilton. “Eu não sei se é possível dividir um título. Se foi comprovado que aquela corrida foi roubada, ela tem que ser cancelada, essa é a justiça. É muito difícil dizer ‘ah, tadinho’ Não existe ‘tadinho’ no mundo, a situação é clara. Nós já vimos outras situações acontecendo no esporte, como (o ciclista) Lance Armstrong, que foi provado que ele estava dopado, ele perdeu todos os títulos. Qual é a diferença?”

(Por Felipe Rosa Mendes/AE)

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -