- Publicidade -
- Publicidade -
23.2 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Presidente da Confederação Brasileira de Atletismo veio a Balneário Camboriú prestigiar encontro do IABC

O presidente da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), Wlamir Motta Campos, veio especialmente a Balneário Camboriú, para participar do encontro realizado pelo Instituto Atletismo Balneário Camboriú (IABC), nesta quinta-feira (13), no Hotel Geranium.

Deraldo Oppa (C ), dirigentes, técnicos e atletas, Edson Luciano (à esquerda, de azul), atleta olímpico e vice-presidente da CBAt, ao lado de Talles Silva (camisa clara), atleta olímpico em 2016, que agora compete pelo IABC

A reunião teve por objetivo fazer uma apresentação e pedir apoio da comunidade ao Instituto, criado para profissionalizar o atletismo em Balneário Camboriú, uma iniciativa dos técnicos Diogo e Daiana Gamboa, responsáveis pelo crescimento da modalidade, que hoje tem reconhecimento nacional.

“Estou aqui porque a equipe de Balneário Camboriú é referência hoje no atletismo brasileiro, sobretudo pelo empenho e pela vontade destes dois técnicos”, disse Wlamir.

- Publicidade -

O presidente aplaudiu a equipe de Balneário Camboriú, destacou alguns atletas campeões brasileiros, como os velocistas Anny Caroline de Bassi e Douglas Hernandez Mendes e Talles Silva (salto em altura), integrantes de várias  seleções brasileiras e essa semana foram novamente convocados para o Sul-americano em agosto, em São Paulo.

O superintendente da Fundação, Mazinho (C ) com os técnicos Diogo, Daiana, Diego e Maurício.

Como exemplo mais recente da força desta equipe, Wlamir citou o sexto lugar no recente Troféu Brasil, em Cuiabá.

“Balneário Camboriú ficou em sexto lugar geral entre mais de uma centena de equipes. Como? Também não sei…porque o número de atletas é uma fração dos grandes clubes, eles não tem recursos como tem outras equipes de clubes grandes, não treinam em local adequado, porque Balneário Camboriú precisa muito, mas ainda não tem uma pista adequada, sintética, e mesmo assim, está sempre em destaque”, afirmou. Ele citou que todas estas conquistas tornaram Balneário Camboriú um Centro de Formação de Atletas, categoria Ouro da CBAt, junto com outras três cidades catarinenses.

Todo apoio é benvindo

Wlamir disse que apesar do apoio da prefeitura, é preciso focar na iniciativa privada para desenvolver projetos como esse do IABC.

“Ajudem o IABC, porque o atletismo não é só treinar, a equipe precisa viajar, esse é o grande custo. Treinar é chato, mas competir é legal, mas precisa de todo apoio possível. Peço que os vereadores façam emendas, ajudem, apoiem e o empresariado também pode contribuir, através da Lei de Incentivo ao Esporte, sempre lembrando que investir no esporte é também investimento em saúde, educação e segurança”, falou o dirigente.

Modelo de Gestão

O presidente da Federação Catarinense de Atletismo, Deraldo Ferreira Oppa, também esteve presente e elogiou a iniciativa da direção do IABC.

“O Instituto é um modelo de gestão que será exemplo para outras associações”, disse.

- Publicidade -

Ele também destacou as conquistas de Balneário Camboriú no cenário estadual e nacional, e disse que esse crescimento tem a marca do trabalho dos técnicos Daiana e Diogo Gamboa.

“Em 2015 quando eles começaram o trabalho aqui, Balneário Camboriú foi lá em cima. Eles estão transformando um sonho deles em realidade. Desde 2018, o IABC está cedendo atletas para seleções catarinenses e brasileiras”, completou, pedindo apoio para o IABC.

O superintendente da Fundação, Osmar de Miranda (Mazinho) também enfatizou as mudanças no atletismo desde a chegada de Daiana e Diogo.

“Eles renovaram a equipe e hoje é a modalidade que mais nos representa e onde a Fundação investe mais forte”, disse.

Como apoiar

A treinadora e coordenadora do IABC, Daiana Gamboa detalhou aos presentes os objetivos do Instituto, as conquistas da equipe e a importância do apoio da comunidade, especialmente do empresariado.

“Nossa equipe ficou muito grande para a demanda da Fundação, não podemos depender só dela. Temos projetos aprovados pelo Ministério da Cidadania, somos autorizados a receber verbas através da captação fiscal (Lei 11.438 de incentivo ao esporte, qualquer pessoa pode doar 7% do IR e qualquer empresa que declare lucro real pode direcionar 2% do seu imposto para nosso projeto”, ressaltou a coordenadora do Instituto.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -