- Publicidade -
- Publicidade -
17.1 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Presidente do Real promete a Vinicius Jr. ir ‘às últimas consequências’ para defendê-lo

(FOLHAPRESS) – Após colocar em dúvida sua permanência no futebol espanhol depois de novamente ser vítima de insultos racistas durante partida do campeonato nacional, no domingo (22), contra o Valencia, o atacante brasileiro Vinicius Junior teve uma reunião nesta segunda-feira (22) com o presidente do Real Madrid, Florentino Pérez.

No encontro, o dirigente afirmou ao jogador que o clube “irá até às últimas consequências face a situação repugnante de ódio”.

Momentos antes de divulgar imagens da reunião, o Real publicou uma nota de apoio ao atleta, na qual diz que, “dada a gravidade dos fatos ocorridos, recorreu à Procuradoria-Geral do Estado, sem prejuízo de seu caráter de ação penal privada”, por entender que as agressões sofridas por Vinícius configuram crime de ódio.

- Publicidade -

No texto, o clube espanhol agradece todo o apoio que Vinicius Junior tem recebido de jogadores, clubes, personalidades, entidades e governos e cita o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que cobrou “medidas sérias” para “não permitir que o fascismo e o racismo tomem os estádios de futebol”.

O clube também criticou a arbitragem da partida, pois, diz a nota, “o árbitro e os responsáveis pelo VAR fugiram de suas responsabilidades e tomaram decisões injustas com base em imagens incompletas, não vistas na íntegra, tendenciosas e que levaram à expulsão direta do nosso jogador Vinicius Júnior.”

Ainda no comunicado, o Real Madrid afirma que os acontecimentos da última rodada envergonharam toda a Espanha. “Desde o Washington Post ao L’Équipe, para citar apenas alguns exemplos emblemáticos, sublinham de forma muito contundente o grave problema do futebol espanhol.”

Veja a nota do Real Madrid na íntegra

“O Real Madrid CF agradece pelas inúmeras manifestações de carinho, solidariedade e afeto recebidas de todo o mundo ao nosso jogador Vinicius Júnior.

Os ataques odiosos e racistas devem ser erradicados de nossa sociedade para sempre, e assim se pronunciaram personalidades de todas as esferas da vida e de diferentes instituições nacionais e internacionais após o que aconteceu, ontem, no estádio Mestalla.

Nosso clube agradece à maior autoridade do futebol mundial, o presidente da Fifa, Gianni Infantino, que disse que as partidas em que esses crimes de ódio são cometidos devem ser interrompidas e suspensas.

- Publicidade -

Também o nosso agradecimento ao presidente do Brasil, Lula da Silva, que apela para que sejam tomadas medidas sérias para combater este problema e cuja vítima é, como disse, “um jovem que venceu na vida e que se está a tornar um dos melhores futebolistas do mundo”.Da mesma forma, seus companheiros demonstraram solidariedade e apoio a Vinícius, tanto os do Real Madrid quanto os de outras seleções do mundo. Lendas, jogadores e treinadores, alguns deles tão significativos no panorama internacional como Ronaldo Nazario, Mbappé, Rio Ferdinand, Neymar, Kaká, Jadon Sancho, Lineker, Roberto Carlos ou Casemiro, entre dezenas e dezenas de figuras do futebol mundial.

Os infelizes acontecimentos ocorridos correram o mundo e envergonham o nosso futebol, ao serem refletidos e denunciados nos principais meios de comunicação internacionais. Do Washington Post ou do L’Équipe , para citar apenas alguns exemplos emblemáticos, sublinham fortemente o grave problema do futebol espanhol.

E, finalmente, estamos surpresos com as declarações do presidente da Federação Espanhola de Futebol, Luis Rubiales, porque, sendo o chefe do futebol espanhol e do estabelecimento de arbitragem, ele permitiu que não fossem tomadas medidas contundentes, de acordo com os protocolos da Fifa , para evitar a situação que foi alcançada. A imagem do nosso futebol está seriamente danificada e deteriorada aos olhos de todo o mundo.

Sua passividade tem contribuído para a impotência e indefesa do nosso jogador Vinícius. Os árbitros, longe de agir com firmeza e aplicar os protocolos regulamentares, optaram na maioria dos casos por se inibir e evitar tomar as decisões que lhes correspondiam. Ainda ontem, o árbitro e os responsáveis pelo VAR fugiram de suas responsabilidades e tomaram decisões injustas com base em imagens incompletas, não vistas na íntegra, tendenciosas e que levaram à expulsão direta do nosso jogador Vinicius Júnior.

Infelizmente, o que aconteceu ontem -e a gestão que foi feita pelos árbitros e pelo VAR- não percebemos como algo isolado, mas sim como algo que se repetiu em muitas de nossas partidas. A vítima que a sofre nunca poderá ser responsabilizada pelo crime.

Por todas estas razões, estamos muito preocupados que nenhuma ação tenha sido tomada pela Federação Espanhola de Futebol durante todo este tempo, apesar dos óbvios e repetidos sinais de alarme que o nosso clube tem vindo a denunciar.

O Real Madrid espera que, dada a gravidade da situação atual e a imagem que o futebol espanhol está oferecendo ao mundo, ações contundentes e imediatas sejam tomadas por todos aqueles que têm responsabilidades e poderes para combater esses flagelos que são o racismo, a xenofobia e ódio. O nosso clube continuará a trabalhar para que os valores que sustentaram a nossa história continuem a ser um modelo de convivência e exemplaridade.”

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -