- Publicidade -
- Publicidade -
20.7 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Israel declara guerra após Hamas lançar ataque surpresa; ao menos 22 morrem

O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, declarou guerra após o Hamas lançar um ataque surpresa e de grande escala neste sábado (7), em ação que já é considerada uma das maiores ofensivas contra o país nos últimos anos. Ao menos 22 pessoas morreram, e autoridades dizem que o número de vítimas pode aumentar.

Em mensagem de vídeo, Netanyahu disse que o grupo extremista islâmico que controla a Faixa de Gaza pagará “um preço sem precedentes” pela ofensiva, que teria usado mais de 5.000 foguetes. “Estamos em guerra. Esta não é uma operação simples”, afirmou Netanyahu.

A ofensiva surpresa combinou a infiltração de homens armados em cidades israelenses com uma saraivada de foguetes, disparados da Faixa de Gaza. Segundo as Forças Armadas de Israel, dezenas de militantes se infiltraram por terra, mar e ar, alguns dos quais com a ajuda de parapentes.

- Publicidade -

Pelo menos 22 israelenses foram mortos nos ataques, e outras 545 pessoas ficaram feridas, segundo autoridades do serviço de ambulância de Israel, com a ressalva de que os números devem aumentar.

Trata-se de uma infiltração sem precedentes de um número desconhecido de homens armados do Hamas em Israel a partir de Gaza, e uma das mais graves escaladas no conflito israelo-palestiniano em anos.

A imprensa israelense relatou tiroteios entre bandos de combatentes palestinos e forças de segurança em cidades do sul de Israel. O chefe da polícia de Israel disse que houve “21 cenas ativas” no sul de Israel, indicando a extensão do ataque.

Em Gaza, as pessoas correram para comprar mantimentos, antecipando os dias de conflito que se avizinham. Alguns deixaram suas casas e foram para abrigos.

O comandante militar do Hamas, Mohammad Deif, anunciou o início da operação numa transmissão nos meios de comunicação do Hamas, apelando aos palestinos de todo o mundo para que lutassem. “Este é o dia da maior batalha para acabar com a última ocupação na Terra”, disse ele.

O último grande conflito entre Israel e o Hamas foi uma guerra de 10 dias em 2021.

Líderes internacionais reagiram. O presidente francês, Emmanuel Macron, disse que condena os ataques contra Israel. “Expresso a minha total solidariedade às vítimas, às suas famílias e às pessoas próximas delas”, escreveu Macron na rede social X, o antigo Twitter.

- Publicidade -

Ursula von der Leyen, a presidente da Comissão Europeia, afirmou no X que o ataque do Hamas contra Israel “é o terrorismo na sua forma mais desprezível” e que o país tem o direito de se defender. Josep Borrell, chefe da diplomacia da União Europeia, disse que “esta violência horrível deve parar imediatamente”.

(FOLHAPRESS)

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -