- Publicidade -
- Publicidade -
20.3 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Escola de Cães-guias Helen Keller pede apoio de empresas através de campanha

A ‘Empresa Madrinha’ vai incentivar outras a apoiar a escola mensalmente

A Escola de Cães-guias Helen Keller lançou uma campanha para incentivar que empresas tornem-se ‘madrinhas’ da entidade. Com essa iniciativa, a escola pretende manter um caixa para suas despesas fixas e ainda expandir sua atuação tanto na entrega de mais cães, quanto no oferecimento de novas tecnologias de mobilidade e autonomia.  

O presidente da Helen Keller, Emílio Dalçoquio, explica que precisam de 32 empresas que façam uma doação de R$ 2.235,00/mês por dois anos. Esse período corresponde ao tempo e ao custo total da formação de um cão. 

“Desde os cuidados com a herança genética de cão-guia, exames veterinários, medicação, vacinas, os técnicos treinadores entre outros investimentos. Vale lembrar que as doações das empresas de lucro real, as doações podem ser deduzidas do imposto de renda. O importante é colaborar, afinal, quanto vale a visão, a autonomia e a inclusão?”, diz. 

- Publicidade -

Quem quiser doar para a escola atualmente há quatro canais disponíveis, pelo QR Code, pelo e-mail [email protected] e pelo celular (47) 9.9712 0986, que é o PIX da Helen Keller.

Investimento para formar um cão-guia 

O investimento na formação de um cão atinge cifras que giram em torno de R$ 80 mil, durante o período de dois anos – desde a reprodução até a formação da dupla cão/pessoa com deficiência visual. 

Atualmente, há mais de duas mil pessoas inscritas para receberem um cão-guia gratuitamente. Para manter seu funcionamento e ampliar a formação de instrutores e de cães para guiar as pessoas cegas, a Helen Keller depende do apoio da população. 

Atualmente conta apenas com o apoio da sociedade civil e da iniciativa privada para prover os recursos necessários, tais como manutenção de sua estrutura física, pagamento de seus colaboradores, prestação dos serviços de acompanhamento tanto dos cegos como dos voluntários socializadores; e, tão importante quanto, a manutenção do bem-estar dos cães. 

Escola planeja formar 24 cães/ano 

O objetivo da Helen Keller é formar 24 cães por ano, procurando atender e ampliar a entrega de cães às pessoas cegas ou baixa visão de forma gratuita e ainda elaborar e implementar o plano pedagógico contextualizado para formação de técnicos treinadores de cães-guias; escola de uso de bengala articulada e escola de braile; e a construção do Centro Veterinário Helen Keller com ampliação da estrutura física e sustentabilidade financeira. 

Helen Keller cresce mesmo com a crise e pandemia 

Mesmo com a pandemia e com a redução dos apoios financeiros recorrentes, a Escola Helen Keller cresceu no último ano, aumentou a entrega de cães, mas a equipe técnica pretende expandir ainda mais sua atuação. 

“A Helen Keller cresceu, esse ano iremos entregar 12 cães-guias, antigamente eram quatro. Aumentamos nosso número de profissionais, hoje temos três treinadores e mais cinco no suporte técnico e administrativo. E nossos planos são de continuar crescendo e entregando cada vez mais autonomia à pessoa cega ou com baixa visão. A pandemia nos prejudicou bastante, somos uma entidade que vive de doações e elas caíram muito, por isso precisamos da ajuda e colaboração de toda a sociedade. Vale ressaltar que o cego recebe o cão-guia de forma gratuita”, acrescenta o presidente Emílio. 

- Publicidade -

Saiba mais sobre a Escola Helen Keller pelo Instagram @caoguia.org.br ou pelo site www.caoguia.org.br.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -