- Publicidade -
- Publicidade -
30 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Prefeitura de Curitiba nega que mandou pessoas em situação de rua para Balneário Camboriú

O caso envolvendo um suposto envio de pessoas em situação de rua de Curitiba para Balneário Camboriú, na noite de sexta-feira (5), movimentou as redes sociais no final de semana. A prefeitura da capital paranaense negou o ato.

A situação foi denunciada através de um vídeo gravado pela equipe da Abordagem Social de Balneário Camboriú, informando sobre um ônibus vindo de Curitiba, que chegaria na rodoviária de Balneário às 22h de sexta-feira. Um homem foi abordado e teria confirmado o recebimento da passagem.

Ao Página 3, a secretária de Inclusão Social de Balneário Camboriú, Christina Barichello,  explicou que recebeu uma mensagem via WhatsApp de uma ex-presidente do Rotary Club de Balneário, contando que estava entrando em ônibus em Curitiba para Balneário e viu algumas pessoas que pareciam moradores em situação de rua. 

- Publicidade -

“Ela contou que uns estavam alterados e que falou com um especificamente, que disse ser de Curitiba, e que o órgão de lá, que encaminha moradores de rua, que não chama Abordagem Social, é outra coisa, o encaminhou, lhe deu a passagem para Balneário”, relatou.

Christina então mandou a equipe da Abordagem Social de Balneário ficar aguardando que o ônibus chegasse até a rodoviária. 

“Quando eles foram abordar, os demais se misturaram, foram descendo do ônibus, e eles [funcionários da Abordagem] só conseguiram abordar um. O homem disse a mesma coisa que falou para a mulher que me procurou, que ele ganhou de Curitiba, desse órgão tal. A Abordagem pediu a passagem dele e não tinha a emissão [emitida por órgão X] como a gente faz. Agora [nesta segunda-feira, 8] eu tive uma informação, que é de um totem a emissão dessa passagem. E é isso que a gente sabe”, acrescentou.

A secretária disse que a prefeitura de Curitiba negou o fato e que alegam que não deram passagem. 

“Eu não posso dizer que foi a assistência social de lá, não posso dizer que foi algum órgão do governo, porque é a palavra de uma pessoa exaltada, um morador de rua, usuário de drogas, mas foi isso que a gente conseguiu averiguar. A gente filmou ele descendo do ônibus, nós verificamos, e ele foi para a Casa de Passagem, onde tomou banho, trocou de roupa e se alimentou”, completou.

O homem abordado teria solicitado para que a prefeitura de Balneário Camboriú entrasse em contato com um familiar dele, do Paraná, para onde planeja retornar. 

A Abordagem Social da cidade irá aumentar a fiscalização na rodoviária para impedir que mais pessoas em situação de rua vindas de outros locais venham para Balneário Camboriú.

- Publicidade -

O que diz a FAS de Curitiba

O órgão responsável pela assistência social de Curitiba é a Fundação de Ação Social (FAS), que se posicionou através da seguinte nota, reproduzida abaixo na íntegra:

“A Prefeitura de Curitiba não confirma as informações veiculadas em vídeos. A Fundação de Ação Social (FAS) informa que apenas atende pessoas com concessão de passagens que desejam retornar para suas cidades de origem no Brasil ou que comprovem vínculos na cidade em que deseja viajar. A concessão é feita somente para pessoas ou famílias em situação de vulnerabilidade, após atendimento e análise técnica, além do contato com familiares na cidade de origem. Ressaltamos que a Fundação de Ação Social de Curitiba respeita as diretrizes e política nacional de atendimento às pessoas em situação de rua”.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -