- Publicidade -
- Publicidade -
23.2 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

“Quebra da bolha”: jovens de Balneário Camboriú fizeram atividade voluntária na Vila Fortaleza

A área de invasão conhecida como Vila Fortaleza é hoje o principal problema social e urbanístico de Balneário Camboriú, lá vivem cerca de 300 famílias que precisam de suporte. Este foi o principal motivo que levou a Juventude do PDT da cidade, fazer uma ação social, recreativa e artística com crianças que lá moram.

Segundo a presidente da JSPDT-BC, Isadora Dümes Bittencourt, foi possível realizar a atividade através do contato com moradores, e que a ação serviu para inspirar os jovens pedetistas, já que mesmo Balneário Camboriú sendo uma cidade rica e com o metro quadrado mais valorizado do país, atraindo anualmente turistas de todos os cantos, ainda há problemas a serem resolvidos.

Divulgação/JSPDT

“É quase um choque de realidade ver que aquela precariedade também faz parte de Balneário Camboriú, mesmo que muitas vezes isso seja esquecido, mas sem dúvidas foi muito gratificante ver o carinho das crianças com a gente e a felicidade delas em passar a tarde brincando conosco, conversando, comendo bolo juntos e nos ajudando na pintura que foi feita no local”, conta.

A presidente salienta que quando lhe perguntam sobre política, pensa exatamente no que buscaram fazer na Vila Fortaleza – dar atenção e oportunidades a todos. 

“Em uma sociedade que todos tenham o direito à educação, ao trabalho e à saúde, independente de onde moram. Além disso, contamos com a colaboração voluntária de duas artistas muito talentosas, a tatuadora Monica Pissolato, e a multiartista Paula Pires da Galeria Ahau, que conduziram a pintura do local”, pontua.

- Publicidade -
Divulgação/JSPDT

Isadora lembra ainda que a atividade foi importante também para fazer a ‘quebra da bolha social’, em que vivem. 

“Serviu para ver que Balneário Camboriú tem várias outras camadas além do cartão postal da cidade, e que as pessoas que ocupam estas outras camadas precisam sim de auxílio e do cuidado do Estado. E fico feliz de poder participar da JSPDT, que assumiu um compromisso importantíssimo com a comunidade da Vila Fortaleza. O compromisso de estar dentro da vila para que junto deles possamos transformar e dar o auxílio que é tão precioso”, completa.

A vice-presidente da JSPDT-BC, Luiza Helena Copetti Leite, também opinou, detalhando que as crianças da Vila Fortaleza são ‘extremamente criativas, talentosas nas artes e nos esportes, além de serem inteligentes, respeitosas e colaborativas’. 

“Ouso dizer que elas têm um senso de justiça e colaboração melhor do que de muitos adultos. Um potencial maravilhoso para a construção de um Brasil melhor, que corre o risco de ser perdido, caso continuem escondidos atrás de um estigma social e do abandono do estado”, afirmou.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -