- Publicidade -
- Publicidade -
25 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Na abertura da COP-27 a pergunta: ‘De quantos alertas ainda precisam?’

A Conferência da Organização das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-27) começou neste domingo, 6, no Egito, com um discurso que chamou atenção para a emergência climática. A tônica foi de celebração das conquistas da última reunião, a COP-26, em Glasgow, na Escócia, mas de entendimento que o desafio segue em nossa frente e que ainda não estamos no caminho para manter o aquecimento global em 1,5°C acima do nível pré-industrial.

“De quantos alertas os líderes ainda precisam?”, questionou Alok Sharma, presidente da conferência passada (COP-26), em uma pergunta que deu o tom do discurso de abertura. “Há muito mais a ser feito nesta década crítica”, completou.

Sharma clamou que a conferência seja de “ação concreta” e frisou que progredir é possível. “Precisamos acelerar esse progresso no restante desta década decisiva. Mas acredito que podemos. Sabemos o que precisamos fazer para manter (a meta de) 1,5°C viva. Nós sabemos como fazer.”

- Publicidade -

Conforme mostrou o Estadão, espera-se que a COP-27 seja a conferência da justiça climática e da implementação dos acordos: a hora de trocar a retórica pela ação. No entanto, apontam especialistas, deve ser uma reunião marcada pelas consequências da Guerra na Ucrânia e pela trava no financiamento para a adaptação e a mitigação do aquecimento global nos países em desenvolvimento.

A Guerra na Ucrânia e suas consequências estiveram presentes nas falas de abertura. “A guerra brutal e ilegal de Putin na Ucrânia precipitou várias crises globais: insegurança energética e alimentar, pressões inflacionárias e dívidas em espiral. Essas crises agravaram as vulnerabilidades climáticas existentes e os efeitos devastadores da pandemia. Apesar desse contexto, houve algum progresso na implementação dos compromissos que firmamos em Glasgow”, falou Sharma.

Na cerimônia, a presidência da COP-27 foi oficialmente assumida pelo chanceler egípcio Sameh Shoukry, eleito por aclamação. Ele frisou que o Egito está comprometido em tornar a conferência um marco, com a renovação de compromissos e ao iniciar a implementação e atingir “ação bilateral coletiva”, a fim de enfrentar o que chamou de “maior desafio da humanidade nos tempos modernos”.

“Todos os tipos de evidência mostram, sem dúvida, que a mudança climática é uma ameaça real para a vida das pessoas”, afirmou Shoukry. “A ciência comprova que o caminho de desenvolvimento que a humanidade endossou desde a Revolução Industrial até recentemente, não é mais sustentável, e que, se continuarmos sem nenhuma mudança radical, as gerações futuras certamente enfrentarão consequências mais graves do que aquelas testemunhadas pelas gerações atuais.”

Shoukry convidou as lideranças presentes a mostrar “ao mundo inteiro” que estão cientes dos desafios que se desenham e que há vontade política para combatê-los.

(Por Leon Ferrari/AE)

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -