- Publicidade -
18.1 C
Balneário Camboriú

Após vencer pandemia, indústria de apostas online tem futuro promissor

- publicidade -

Leia também

- Publicidade -


Mercado explodiu nos EUA e em países da Europa ao longo de 2020

Enquanto boa parte dos setores econômicos sofreu para encontrar alternativas em meio à pandemia, sites de apostas conseguiram surfar uma onda positiva ao longo de 2020. As medidas sanitárias para conter a disseminação do vírus restringiram a sociabilidade das pessoas, ao mesmo tempo em que o número de usuários da internet aumentou. Com isso, muita gente encontrou em sites como o bet365 apostas um refúgio para passar o tempo e tentar a sua sorte.

- Publicidade -

Um movimento importante para entender o resultado positivo está no fato de que muitos apostadores foram impossibilitados de frequentarem cassinos físicos. Com isso, eles foram em busca de opções na internet para continuar participando de jogos como pôquer, blackjack, roleta, entre outros. Agora, as plataformas online querem manter esses jogadores mesmo com a retomada dos espaços físicos, o que tem acontecido de maneira gradual em lugares como Las Vegas e Macau.

Outro fator positivo para a indústria foi o aumento de pessoas interessadas nos eSports. Enquanto os eventos esportivos foram cancelados em boa parte do mundo, houve pouca oferta de jogos ao vivo. Boa parte desse público migrou para os jogos eletrônicos, que estão em alta neste momento. É um público que está conhecendo jogos como Counter Strike, Fortnite, League of Legends. Mais do que conhecer, estão investindo nos campeonatos desses jogos.

Com uma profusão de fatores, a indústria de apostas online parece cada vez mais fortalecida. As opções são variadas e isso ajuda o cliente no momento de decidir se vai ou não aderir à prática. Um estudo recente publicado nos EUA mostrou que ao longo de 2020, a receita de sites de apostas atingiu a marca de US$ 1,6 bilhão ( cerca de R$ 6 bilhões), um aumento de 69% em relação a 2019.

Para se ter uma ideia do impacto das apostas online no setor, e de sua importância na indústria atualmente, a indústria de jogos físicos, dos tradicionais cassinos como conhecemos há décadas, sofreu uma queda de 31% em relação ao ano passado.  De acordo com a American Gaming Association, ao menos 650 mil pessoas foram demitidas nos pouco mais de 900 cassinos funcionando atualmente nos EUA. É um dado chocante, mas que mostra a realidade e o futuro dessa indústria.

- Publicidade -

Parte desse desenvolvimento se deve não só a pandemia, mas também ao avanço da legislação que regula o mundo das apostas esportivas em muitos países. O entretenimento conta muito, não há dúvida, mas a segurança jurídica também tem fator decisivo para que mais empresas se envolvam em um mercado promissor e que não para de crescer. O resultado disso é que oferta e demanda caminham juntas, em um trabalho efeito coletivo de crescimento.

Por exemplo: cerca de 75% dos estados norte-americanos legalizaram ou introduziram projetos de lei para legalizar as apostas esportivas, de acordo com o Legal Sports Report. Ainda que muitos desses estados só tenham liberado a prática em 2020, portanto sem maturidade no setor, isso tem um impacto significativo em um momento no qual a demanda está alta. Quem se preparou, mesmo sem imaginar uma pandemia no caminho, pode lucrar com o fato.

Para se ter uma ideia, estados como Pensilvânia, Iowa, Arkansas, Indiana e Oregon legalizaram as apostas online ao longo de 2019, antes mesmo de a pandemia existir. No ano passado, Colorado e Illinois entraram na onda, assim como Michigan, que autorizou a prática em janeiro de 2021. Como se vê, o fluxo de estados aderindo às apostas online nos EUA é alto, e isso tem um impacto no restante do mundo.

Os mesmos números do Legal Sports Report mostram que as receitas dos cassinos online cresceram 214% em relação a 2019. Quando o assunto é pôquer, o aumento foi de 60%. Se considerarmos o IGaming geral, o salto alcançou 206%. Ou seja: a indústria de apostas online venceu a pandemia e seguirá crescendo.

- Publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -