- Publicidade -
- Publicidade -
24.6 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Pacotes da 123milhas suspensos, rodeios esperam faturar R$ 10 bi e o que importa no mercado

**123MILHAS SUSPENDE PACOTES ‘PROMO’**

A agência de viagens digital 123milhas anunciou na última sexta (18) a suspensão de pacotes e emissão de passagens aéreas da linha “Promo”, que oferecia valores abaixo dos praticados no mercado, entre setembro e dezembro deste ano.

Clientes que já receberam passagem, eticket ou localizador estão com as viagens garantidas, segundo a empresa.

- Publicidade -

A 123milhas disse que a taxa de juros elevada e os preços das tarifas aéreas foram alguns dos fatores que levaram a empresa a tomar a decisão.

ENTENDA

Os pacotes Promo, além de baratos –entre 30% a 40% de economia, segundo a companhia–, eram flexíveis. As passagens dessa linha poderiam ser emitidas para 24 horas antes ou depois da data escolhida pelo consumidor.

A 123milhas disse que os clientes prejudicados serão ressarcidos com vales, com valor corrigido em 150% do CDI ao mês.

Os vouchers valerão apenas para outros produtos do site (passagens aéreas, hotéis ou pacotes) e têm validade de 36 meses após a solicitação de reembolso, que pode ser feita neste site.

CRÍTICAS

Nas redes sociais, pessoas reclamam que o valor dos vouchers não basta para comprar passagens vendidas a preço de mercado, em função do preço promocional dos pacotes.

- Publicidade -

O anúncio da suspensão levou o Ministério do Turismo a pedir ao Ministério da Justiça que investigue a companhia. O Procon-SP também se manifestou, informando que notificará a empresa na segunda-feira (21).

O secretário Nacional do Consumidor, Wadih Damous, disse que a 123milhas não pode oferecer apenas a opção de voucher como forma de devolução do valor gasto e que ela deve dar o direito de optar pelo ressarcimento em dinheiro.

**RODEIOS ESPERAM FATURAR R$ 10 BI**

Retomados no ano passado após dois anos de paralisação, os rodeios ganharam um impulso neste ano, com mais eventos, públicos maiores e a expectativa de R$ 10 bilhões em faturamento.

Até o ano passado, a receita era estimada em pouco mais de R$ 8 bilhões.

O principal evento do setor, a Festa do Peão de Boiadeiro de Barretos, está em sua 68ª edição e espera 900 mil visitantes neste ano. São gerados por ela 10 mil empregos diretos e indiretos e R$ 1,24 bilhão de impacto na economia da cidade e região.

MAIS NÚMEROS QUE EXPLICAM A FORÇA DO SETOR

– 400 dos 645 municípios paulistas devem sediar rodeios no decorrer do ano;

– R$ 200 mil é a estimativa do custo de organização de um pequeno rodeio;

– R$ 1.000 é o valor médio da diária de um touro usado nos principais rodeios do país.

– R$ 500 mil a R$ 700 mil é o custo médio de cachês de artistas no auge, segundo empresários do setor ouvidos pela Folha.

**POR QUE BOLSA BATEU RECORDE NEGATIVO?**

A última semana no mercado financeiro brasileiro ficou marcada pelo recorde de quedas consecutivas da Bolsa, quando o Ibovespa atingiu 13 pregões no vermelho até fechar em alta na sexta (18).

Apesar da marca negativa, o recuo acumulado no período foi de menos de 6%, algo não tão fora do comum para os investidores.

O QUE EXPLICA O RECORDE NEGATIVO

↳ Cenário externo: o que acontece lá fora por muitas vezes costuma ditar o ritmo dos negócios aqui dentro, e analistas apontam essa como a principal causa da queda recente da Bolsa.

– Entre os destaques da semana estão os sinais de desaceleração da economia chinesa (a maior parceira comercial do Brasil), agravados pelo temor de uma nova crise no setor imobiliário de lá.

– Nos EUA, as taxas de retorno dos títulos de 10 anos do Tesouro atingiram seu maior nível desde outubro do ano passado. A Renda fixa costuma ser uma “rival” da Bolsa.

↳ Realização de lucros: apesar da queda recente, o ano ainda é bem positivo para a Bolsa local. Quando investidores veem um cenário azedo lá fora, muitos optam por embolsar o lucro gerado até agora para ficar de olho em uma nova oportunidade.

↳ Mercado “vidente”: o leitor pode estranhar o recorde negativo da Bolsa logo após o BC ter iniciado o corte de juros. Acontece que muito do dinheiro que é feito por operadores depende de sua análise de antecipar movimentos que acontecerão na economia.

– Nesse caso, os analistas já previam uma queda de juros nessa parte do ano, apesar de haver divisão sobre o tamanho do corte.

– Uma redução de 0,75 ponto na Selic nas próximas reuniões, essa sim não antecipada, foi descartada por muitos assim que saiu a ata da reunião do BC.

**STARTUP DA SEMANA: ASAAS**

Fundada em 2014, em Joinville (SC), a fintech foi criada para facilitar a gestão de cobranças e pagamentos por PMEs (pequenas e médias empresas), e hoje virou uma espécie de banco digital para esses negócios.

EM NÚMEROS

A Asaas anunciou recentemente ter levantado R$ 50 milhões por meio de um FIDC (fundos de investimento em direitos creditórios, entenda aqui).

Ao todo, entre FIDCs (esse é o segunda da empresa) e os aportes envolvendo o capital da startup, ela diz ter recebido mais de R$ 200 milhões em investimentos em sua história.

QUEM INVESTIU

QUE PROBLEMA RESOLVE

A fintech é uma espécie de banco digital para PMEs, com conta digital, gestão de cobranças e cartão de crédito.

– Os R$ 50 milhões levantados agora irão para o serviço de antecipação de recebíveis do cartão de crédito, em que as empresas pagam uma taxa para adiantar o valor de vendas feitas a prazo.

– A Asaas diz ter transacionado R$ 15 bilhões de clientes nos últimos 12 meses. Desse valor, R$ 1 bilhão veio do cartão de crédito.

POR QUE É DESTAQUE

No atual período conhecido como “inverno das startups”, em que os aportes e o volume de grana das rodadas diminuíram, mais empresas têm optado por levantar dinheiro via operações de dívida no mercado, como os FIDCs.

A opção pode ser vantajosa aos fundadores ao levar em conta que um aporte em troca de capital, nesse cenário, pode rebaixar a avaliação de mercado da startup –um pesadelo para empreendedores e antigos investidores.

**O QUE MAIS VOCÊ PRECISA SABER**

REFORMA TRIBUTÁRIA

Famílias antecipam heranças e doações para fugir de tributação maior após reforma. Proposta altera tributação de transferência de patrimônio no Brasil e no exterior.

SÃO CAETANO DO SUL

Michael Klein volta ao berço da Casas Bahia e investe em Itaquera, em meio a disputa por herança. Empresário recorre a perícia para rebater acusação do irmão, Saul, de que teria falsificado assinaturas do pai em documentos que o beneficiaram.

MERCADO

Cervejarias investem em moderação com avanço de jovens sóbrios. Vendas de bebida com teor alcoólico quase zero se aproximam de meio bilhão de litros em 2023.

CHINA

BC chinês surpreende e mantém inalterados juros para o setor imobiliário. Bolsas em Pequim e Xangai abrem em queda; instituição vem tomando outras medidas para reagir à desaceleração.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -