Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Opinião
Máscaras

Por Hélvion Ribeiro

Segunda, 13/7/2020 9:27.

Publicidade

O Fantasma da Ópera (O ignorante…)
O Ópera Garnier

Fiquei abismado quando descobri, agora há pouco, que a estupenda criação O Fantasma da Ópera - livro, teatro e filme - tem tudo a ver com o extraordinário Ópera Garnier de Paris.

O livro de Gaston Leroux é de 1911, conta uma história mítica moderna, que se passa dentro do Ópera Garnier ( 1861-1875 ), no próprio teatro e em seu subterrâneo.

A ópera/musical estreou em 1987, é de Andrew Lloyd Webber, já foi assistida por 140 milhões de pessoas em 16 países. Tem um filme também, de Joel Schumacher.

Quem puder ouvir e ver o vídeo com a professora Lúcia Helena Galvão - O Fantasma da Ópera - vai ficar muito feliz em conhecer o significado profundo da obra.

Na verdade, uma cantora nova e bonita, Christine - mas insegura - toma o lugar da diva e cantora principal do Teatro, e recebe instruções de um mascarado, que perseguido pela população, que quer matá-l, se esconde no subterrâneo do teatro Ópera Garnier (que tem mesmo um subterrâneo em função da drenagem do terreno pantanoso).
O mascarado é monstruoso, tem o nome de Erik, mas é um gênio musical.

Erik se encontra com Christine e a instrui na música e na vida, procurando fazer com que ela entenda que a essência da pessoa com a sua própria existência e espiritualidade, está muito além dos aplausos, da fama e do palco. Vivendo neste dilema Christine tem um conflito tremendo em sua consciência, o que é a base do livro, filme e teatro.

A rosa vermelha também tem um grande significado.

No final cai aquele magnífico candelabro.

Eu já gostava demais do musical - que tive a felicidade de ver (como muitos de nós) em New York, e já tinha uma admiração gigantesca pelo Ópera Garnier, então ao saber que estas obras tinham ligação direta, enriquece muito as duas criações de genialidade humana.
No caso, o ignorante, era eu.

Nestes tempos difíceis em que todos nós precisamos de MÁSCARA, o Fantasma da Ópera com suas belíssimas músicas e o fenomenal Ópera Garnier, embalam nossas lembranças e matam um pouco das saudades de Paris. Assim, segue o baile ...


Hélvion Ribeiro é dentista aposentado, seu trabalho mais importante é contribuir como voluntário, especialmente pela universidade gratuita e divide seu tempo entre o sítio em Balneário Camboriú e sua casa em Urubici.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3

Máscaras

Por Hélvion Ribeiro

Publicidade

Segunda, 13/7/2020 9:27.

O Fantasma da Ópera (O ignorante…)
O Ópera Garnier

Fiquei abismado quando descobri, agora há pouco, que a estupenda criação O Fantasma da Ópera - livro, teatro e filme - tem tudo a ver com o extraordinário Ópera Garnier de Paris.

O livro de Gaston Leroux é de 1911, conta uma história mítica moderna, que se passa dentro do Ópera Garnier ( 1861-1875 ), no próprio teatro e em seu subterrâneo.

A ópera/musical estreou em 1987, é de Andrew Lloyd Webber, já foi assistida por 140 milhões de pessoas em 16 países. Tem um filme também, de Joel Schumacher.

Quem puder ouvir e ver o vídeo com a professora Lúcia Helena Galvão - O Fantasma da Ópera - vai ficar muito feliz em conhecer o significado profundo da obra.

Na verdade, uma cantora nova e bonita, Christine - mas insegura - toma o lugar da diva e cantora principal do Teatro, e recebe instruções de um mascarado, que perseguido pela população, que quer matá-l, se esconde no subterrâneo do teatro Ópera Garnier (que tem mesmo um subterrâneo em função da drenagem do terreno pantanoso).
O mascarado é monstruoso, tem o nome de Erik, mas é um gênio musical.

Erik se encontra com Christine e a instrui na música e na vida, procurando fazer com que ela entenda que a essência da pessoa com a sua própria existência e espiritualidade, está muito além dos aplausos, da fama e do palco. Vivendo neste dilema Christine tem um conflito tremendo em sua consciência, o que é a base do livro, filme e teatro.

A rosa vermelha também tem um grande significado.

No final cai aquele magnífico candelabro.

Eu já gostava demais do musical - que tive a felicidade de ver (como muitos de nós) em New York, e já tinha uma admiração gigantesca pelo Ópera Garnier, então ao saber que estas obras tinham ligação direta, enriquece muito as duas criações de genialidade humana.
No caso, o ignorante, era eu.

Nestes tempos difíceis em que todos nós precisamos de MÁSCARA, o Fantasma da Ópera com suas belíssimas músicas e o fenomenal Ópera Garnier, embalam nossas lembranças e matam um pouco das saudades de Paris. Assim, segue o baile ...


Hélvion Ribeiro é dentista aposentado, seu trabalho mais importante é contribuir como voluntário, especialmente pela universidade gratuita e divide seu tempo entre o sítio em Balneário Camboriú e sua casa em Urubici.

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade