- Publicidade -
- Publicidade -
13.9 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

“Na cidade mais segura do Brasil o perigo está no açougue”, por Geninho Goes

Balneário Camboriú é conhecida como a Dubai Brasileira, a cidade com o metro quadrado mais caro do país e entre as mais seguras também, mas não se engane que o perigo pode estar nos açougues e supermercados. 

Um exemplo disso foi a experiência que tive no açougue de um supermercado tradicional da Família  na cidade. O quilo do coxão mole estava 45 reais e na promoção sairia a 35 reais, pedi ao açougueiro que cortasse em tirinhas e o mesmo disse que teria um pequeno acréscimo, para minha surpresa o quilo passou de 35 para 65 reais, ou seja quase 90 por cento mais caro. Quando questionei, a resposta é que quando a carne é picada ela sai da promoção e passa ser carne para estrogonofe. É como o trabalho de uma costureira, o preço altera de acordo com a roupa que você vai fazer. Entendeu? Eu  ainda não . 

Procurei a gerente que foi até o açougue e voltou com a mesma explicação, ou seja , é o preço da mão de obra, calculei e cheguei a R$10 reais por minuto,  ou seja se o açougueiro trabalha 8 horas por dia o salário dele cortando carne seria de 144 mil reais por mês, realmente digno de Dubai. Sem  me conformar procurei alguém da administração que também não soube explicar o cálculo . E eu achando que o açougueiro trabalhava para cortar a carne. Aqui não, tanto que alguns açougues estão usando o nome de Boutique , virou grife mesmo. 

- Publicidade -

Então,  eu chego a conclusão de que tão importante  quanto a segurança de uma cidade nas ruas é no comércio, pois as empresas  encontram maneiras de lesar o bolso do consumidor. Me senti assaltado, só que neste caso não usaram uma arma, o assalto foi sútil, digno de uma Dubai , aliás , será que lá é assim?  

Você deve estar perguntado,  porque por tão pouco um empresário,  pai de 5 filhos ocuparia seu tempo ? É simples. Como pai eu espero deixar um mundo mais digno para meus filhos, que eles saibam dos seus direitos, que compreendam que de alguma forma  alguém  vai  encontrar maneiras  pra tirar o dinheiro que ele ganha de forma digna, que mesmo   pagando impostos para ter escola, saúde , infraestrutura e segurança  de qualidade  ele vai trabalhar mais para pagar tudo isso para a iniciativa privada. Minhas atitudes como pai poderão nortear o futuro e decisões dos meus filhos. 

A impressão  é que não ter acesso aos direitos  se normalizou, não termos lugar para reclamar, porque tudo dá muito trabalho. Dá trabalho e precisamos de tempo para exigir uma escola melhor, saúde, segurança, e por aí vai, então é mais fácil trabalhar mais e pagar por algo de qualidade. Estou na contramão dessa ideia de trabalhar mais para pagar mais. Quero o que já nos pertence. Na educação dos meus filhos que estão na escola pública  estou tendo a mesma atitude de me envolver e exigir qualidade. 

Realmente, tem muita coisa que precisamos  estar atentos, senão o país onde nossos filhos vão viver no futuro, continuará deitado eternamente em berço esplêndido, agindo como um bebê , sem crescer ,  um adolescente inconsequente e  um adulto irresponsável que desconhece seus direitos. 

Eu acredito que podemos nos transformar num lugar mais próspero quando pais mostrarem aos seus filhos quer seja no supermercado, no açougue  ou na escola de que precisamos valorizar o quanto ganhamos e exigir pelo que pagamos, aí sim nossa prosperidade e dignidade não será comparada apenas pela altura dos prédios e sim pela qualidade de tudo que está no entorno.

Sim, eu sei que vivo num lugar  maravilhosa e que podemos inspirar outras cidades com atitudes simples no açougue e na escola, porque o que faz um lugar ser rico de verdade é o povo que nele vive, porque afinal de contas riqueza sem dignidade é apenas ostentação. 

Geninho Goes é Empresário, escritor e pai de 5 filhos


Para receber notícias do Página 3 por whatsapp, acesse este link, clique aqui




- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -