- Publicidade -
- Publicidade -
22 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Sugestão para isolamento, por Tamara Kaufmann

Tamara Kaufmann

Não precisa nem entender de psicologia para saber que uma pessoa quando fica muito tempo isolada, sem contato com outros, acaba ficando triste, introvertida, estressada ou resumindo, com depressão.O que eu quero dizer é que, quando uma pessoa é obrigada a ficar em isolamento, sem poder reunir-se com amigos, bater um bom papo, nem frequentar cinema, teatro, shows ou qualquer outra diversão, mesmo rotineira, ela, aos poucos vai ficando triste, fechada e acaba entrando em profunda depressão onde a consequência muitas vezes é de revolta, tornando-a agressiva e muitas vezes leva até ao suicídio.Começam então, surgir manifestações de descontentamento, resultando em formação de grupos que fazem passeatas contra governo, contra políticos, contra alta de preços etc etc.

Há desculpa para tudo para se fazer passeata.

E os meios de comunicação hoje não estão ajudando muito. Todos os dias, por horas, há notícias de “quantidades de pessoas que contraíram o “Coronavirus”, com a mesma frase: “não saia de casa” tornando os espectadores de TV e ouvintes de rádio cada vez mais desesperados e com medo de ser o próximo a ter a doença. Francamente, eu deixei de assistir televisão!Mas, eu tenho uma sugestão (desculpem todos se eu for errada). Por que as tevês não fazem programas especiais para distrair um pouco o telespectador? Tais como passar vídeos de programas musicais, shows, filmes, peças de teatro e até programas de circo – por que não?Talvez até um cantor fazendo em sua casa um programinha musical para transmitir na TV (ele poderia até ser patrocinado). Assim o povo teria um pouco de distração já que tem que ficar no confinamento total resultando em depressão.

- Publicidade -

Quanto a mim, tenho conhecimento de várias atividades para distrair-me, estou confeccionando bichinhos de tricô para doar para creches que tem crianças carentes e já tricotei para mim três pulôveres, li 18 livros (e continuo lendo o 19º). Continuo escrevendo crônicas, poesias e quem sabe iniciarei mais um romance – não estou me gabando das minhas qualidades, apenas estou comunicando o que estou fazendo “nas horas vagas”, – enquanto espero a pandemia passar.E para mim, não é fácil, porque moro sozinha mesmo! Não tenho com quem conversar, pois a maioria das pessoas que conheço tem filhos, ou sobrinhos, ou irmã, irmão, prima etc. Eu? Somente tenho 2 sobrinhos (que já são avôs) e moram loooonge (em Americana-SP), portanto, a comunicação diária torna-se um pouco difícil, porque aí o custo é alto. Como podem perceber, realmente tá difícil. Por isso é que eu gostaria que os programas de TV tivessem programas mais alegres e distraíssem realmente o povo, porque ouvir “por horas” noticiário sobre o vírus “já deu pra bolha”! Fica aí a minha sugestão.

Tamara Kauffmann mora em Balneário Camboriú

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -