- Publicidade -
- Publicidade -
20.7 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Prefeitura de BH desmonta acampamento após marginais bolsonaristas agredirem fotógrafo

Menos de 24 horas após um repórter fotográfico ser agredido no local, um acampamento de apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro foi desmontado nesta sexta-feira, 6, na zona sul de Belo Horizonte. A Polícia Civil de Minas Gerais investiga a agressão ao fotógrafo do jornal Hoje em Dia, ocorrida na quinta-feira, 5.

Equipes da Guarda Municipal, da Procuradoria-Geral do Município e da Subsecretaria Municipal de Fiscalização retiraram as barracas, banheiros químicos e grades instaladas em meia a pista da Avenida Raja Gabaglia, em frente ao Comando da 4ª Região Militar do Exército. Em lágrimas e rezando, os bolsonaristas que ainda permaneciam no local – esvaziado após a posse de Lula – não resistiram ao desmonte da estrutura.

Na manhã desta sexta, 6, porém, houve nova agressão a jornalistas que acompanhavam o desmonte do acampamento. Desta vez, os bolsonaristas atacaram uma equipe do jornal O Tempo. A reação dos manifestantes foi gravada por colegas da imprensa. Houve confusão, resistência, mas o acampamento acabou sendo mesmo desmontado.

- Publicidade -

O nome do repórter fotográfico, de 60 anos, não foi divulgado. Ele foi agredido nesta quinta e teve o seu equipamento avariado e roubado por integrantes do acampamento montado há dois meses. O grupo pedia a intervenção de militares e contestava a eleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A Polícia Civil divulgou nota afirmando estar “empenhada para apurar a materialidade e a autoria de possíveis suspeitos” no caso. Ninguém havia sido preso até a publicação deste texto.

O governador de Minas, Romeu Zema (Novo), condenou o episódio. “É inaceitável que profissionais de imprensa sejam intimidados e agredidos durante o exercício de sua profissão. As forças de segurança irão apurar os fatos para identificar e buscar responsabilização legal dos autores.”

Por meio de nota, o prefeito de Belo Horizonte, Fuad Noman (PSD), afirmou que a operação foi realizada para desobstruir a via onde “um jornalista foi brutalmente agredido enquanto exercia sua profissão”. “Não podemos tolerar essa escalada de violência.”

Agressão

O fotógrafo estava no local para produção de uma reportagem. Mantendo distância do acampamento, ele fazia fotos da manifestação quando foi visto e perseguido pelo grupo de bolsonaristas. Ele correu e tentou se proteger, escondendo-se atrás de um veículo estacionado na via. Localizado pelos agressores, foi arrastado pelos braços, recebendo socos, chutes e pauladas.

A câmera fotográfica usada por ele foi roubada e as lentes do equipamento ficaram destruídas. O fotógrafo sofreu um corte na cabeça e foi levado para o Pronto Atendimento do Hospital João 23, na área central de Belo Horizonte. A Polícia Militar foi acionada e registrou um boletim de ocorrência.

- Publicidade -

O Sindicato dos Jornalistas de Minas Gerais condenou a agressão e pediu punição para os autores. Por meio de nota, o diretor-executivo do Hoje em Dia, Rodrigo Cheiricatti de Carvalho, classificou a agressão ao fotógrafo como covarde. “Não há justificativa nenhuma para essa covardia ou qualquer ato de violência. É por isso que reafirmamos nosso compromisso de diariamente mostrar injustiças, defender liberdades e a democracia”, disse.

(Por Carlos Eduardo Cherem, especial para AE)

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -