- Publicidade -
- Publicidade -
16.1 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Delegados da PF rebatem Lira e dizem que investigações não perseguem ninguém

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – Após o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), dizer em entrevista à Folha de S. Paulo que o governo precisa ter “cuidado” com excessos que têm aflorado em investigações da PF, a ADPF (Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal) afirmou que a atuação da corporação não privilegia nem persegue ninguém.

“A Polícia Federal é órgão de Estado e conquistou ao longo de sua história o prestígio e a confiança da sociedade na seriedade de seus policiais. As investigações conduzidas pela PF não privilegiam nem perseguem ninguém, são sempre pautadas pela legalidade e pela imparcialidade”, afirmou Luciano Leiro, presidente da ADPF.

Na entrevista publicada na segunda-feira (18), Lira declarou que a “Polícia Federal não trabalha nem como promotor de Justiça nem como juiz.” “Ela tem que ir até a investigação. Acabou a investigação, acabou o papel. Ela não pode ir além disso. Tem policiais indo além disso”, concluiu o presidente da Câmara.

- Publicidade -

A avaliação de integrantes da PF é que não há o que comentar sobre as críticas do presidente da Câmara. Eles dizem que as investigações são baseadas em fatos e que a melhor resposta que a Polícia Federal pode dar é seguir com seu trabalho nas investigações em curso.

Aliados de Lira foram alvo da PF em junho deste ano, em apuração sobre suspeitas envolvendo kits de robótica. O nome do presidente da Câmara apareceu no inquérito com a deflagração da operação, ocasião em que os policiais encontraram uma lista com pagamentos atribuídos a ele. A PF enviou o caso ao STF e, semanas depois, o ministro Gilmar Mendes mandou paralisar a investigação.

“Isso é uma alegação. Mais um abuso, um excesso. Não tem nada que foi provado com relação a isso, inclusive toda essa operação foi anulada”, afirmou Lira na entrevista.

Ele também criticou a Operação Perfídia, deflagrada na semana passada, que investiga suposta fraude em licitação do Gabinete de Intervenção Federal no Rio de Janeiro, então comandado pelo general Walter Braga Netto (PL). O militar foi ministro do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e candidato a vice na chapa derrotada em 2022.

Integrantes da PF também viram na declaração de Lira uma tentativa de intimidar a corporação a frear novas investigações.

Já Leiro afirma que, “se há casos em que, após a investigação, a Justiça decide pela inocência dos investigados, isso só demonstra o êxito do sistema de persecução penal, e não abuso ou excesso dos investigadores, é assim na democracia e no próprio sistema de justiça criminal do Brasil.”

Para o presidente da ADPF, “não podemos nunca abrir mão da autonomia funcional e investigativa dos delegados federais, que é prerrogativa fundamental para o bom andamento e o êxito de uma investigação policial, que conta sempre com a participação de representantes do Ministério Público e do Poder Judiciário.”

- Publicidade -

Na entrevista, Lira foi questionado sobre a atuação do ministro Flávio Dino (Justiça), mas o poupou de críticas. O presidente da Câmara afirmou que tem uma boa relação com o titular da pasta. Mas mirou na PF. “O que não deve ter é uma polícia política, para nada. Isso é o pior dos mundos. Nem um polícia com autonomia para fazer o que quer. Nós não temos isso. Polícia é órgão de estado para cumprir determinações legais.”

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -