- Publicidade -
- Publicidade -
18.6 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

No Brasil, quase 40 mil pessoas esperam por transplante de rim, o órgão que lidera a demanda

Campanha nacional lançada pelo Conselho Nacional de Justiça quer mudar essa realidade

Quase 43 mil pessoas aguardam por um transplante de órgão no Brasil e deste total, perto de 40 mil esperam por um rim.

A campanha nacional  “Um Só Coração: Seja Vida na Vida de Alguém”, lançada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em parceria com os cartórios, vem para incentivar, facilitar a doação e assim aumentar o número de doadores de órgãos.

A Fundação Pró-Rim, pioneira no transplante renal em Santa Catarina, chega neste ano de 2024 a 2 mil transplantes. Segundo o Registro Brasileiro de Transplantes, dados de 2023 apontam que a cada mil pessoas falecidas, 14,5 teriam condições de doarem órgãos. Mas apenas 2,6 das famílias realizaram esse ato.

- Publicidade -

Incentivo à doação

O médico urologista e transplantador da Fundação Pró-Rim, Jean Guterres, definiu como positiva a iniciativa do Conselho Nacional de Justiça, referente ao incentivo à doação de órgãos.

 “Foi lançada uma luz no que se refere à doação de órgãos, servindo para estimular o debate sobre o assunto. Esperamos aumentar o número de doadores”, disse.

O médico lembra que “dessa vida não se leva nada, apenas deixamos aquilo que fomos” e que “doar é um ato que beneficia a alma (de quem partiu) e o corpo (de quem fica)”.

Lista ou fila de transplante?

O médico transplantador da Pró-Rim, Christian Evangelista Garcia, explica como funciona a lista do transplante. 

“Em primeiro lugar, é uma lista, não uma fila. O paciente interessado em receber um órgão passa por avaliação realizada pela equipe do transplante e, então, ele recebe ou não a indicação de que está apto a receber uma doação. O paciente vai para essa lista de transplante, onde os critérios são a compatibilidade”, justifica o médico.

Os critérios são peso, altura e, principalmente compatibilidade ABO (classificação do tipo sanguíneo) e Cross-Match (exame em que se mistura o sangue do receptor e do doador para ver se há possibilidade de rejeição nas primeiras horas pós-transplante).

“É por isso que, às vezes, um paciente que entra na lista de transplante de rim hoje consegue ser transplantado amanhã ou depois, pois surge um órgão compatível apenas com ele. Esses testes são feitos pela Central de Transplantes. Então, realmente é uma lista, não uma fila”, reforça.

Para ser doador

A partir do interesse pessoal em ser um doador de órgãos, o cidadão pode fazer essa manifestação publicamente e deixar isso registrado por meio da Autorização Eletrônica de Doação de Órgãos (AEDO). 

Basta acessar o site e preencher os dados. É tudo online e não tem custo.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -