- Publicidade -
- Publicidade -
20.3 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Outubro Rosa: Mulheres que participaram da exposição dividem suas histórias

Sete pacientes que frequentam a Rede Feminina de Combate ao Câncer de Balneário Camboriú estão participando da exposição Outubro Rosa, que encerra nesta segunda-feira (31), no Balneário Shopping. A exposição de 14 fotos é obra da fotógrafa Marília Cardozo e o objetivo foi o de despertar nas mulheres a importância da prevenção e do diagnóstico precoces. 

As mulheres que estão na exposição são Claudia Regina Scandolara, Simone de Castro Zanella Rodrigues da Silva, Fátima Ribeiro Alonso, Fernanda Oliveira Galiano, Sidaleia Medeiros de Souza, Mari Cleci Lopes Ribeiro e Maria Lidia de Paula.

A reportagem conversou com três das pacientes que fazem parte da exposição. Acompanhe o depoimento:

Cláudia Regina Scandolara, 50 anos, dona de casa, formada em Serviço Social

(Foto Marília Cardozo)

“Descobri o câncer em março de 2021, quando fui fazer os exames que faço todo ano. Tenho 50 anos. Não fiz o exame em 2020 por conta da pandemia e em 2021 fui fazer e descobri que podia ser câncer. 

O que me impulsionou a ir foi porque eu tinha dor no seio, mas não desconfiava de câncer. Eu tinha cisto no seio, mas se tivesse aumentado, eu iria precisar tirar o líquido. Foi aí que tudo mudou. Nunca mais doeu, porque o câncer é silencioso. Todo o tratamento foi pelo SUS, tem a lei dos 60 dias, não foi nesses 60 dias, mas foi rápido, tudo bem certinho. 

Fiz a cirurgia em dezembro/2021, não precisei fazer quimio, só as radioterapias. Estou muito bem, faço as manutenções de 3 em 3 meses, e preciso tomar remédio de 5 a 10 anos… 

Com tudo isso, entrei na Rede Feminina, e é incrível. Sempre soube da existência da Rede, mas não fui procurar logo, porque é muita correria com médico, exame, mas quando estava fazendo a rádio conheci uma turma de Balneário e formamos um círculo de amizade e uma amiga ia na Rede e me convidou para a reunião mensal. Minha vizinha, que é voluntária, também me motivou a ir, ainda em abril, e nunca mais saí. 

Muda muita coisa na vida da gente, há muito amor e carinho entre pacientes e voluntárias, uma energia boa. 

A exposição foi uma experiência incrível. As fotos inicialmente seriam só com as carequinhas. Eu tinha cabelo, e foi aberto para participar também. 

Foi muito gratificante, foi maravilhoso, só felicidade. 

A autoestima lá em cima, as fotos ficaram muito lindas. 

O Outubro Rosa faz muita diferença, todas as pessoas que têm a necessidade quando aparece o nódulo, precisam procurar ajuda. 

A veiculação nas redes sociais e imprensa é primordial, porque chama para a prevenção. 

Somos inspiração e exemplo para essas outras pessoas estarem procurando através dessas informações. 

 Outubro Rosa está acabando, mas sempre temos que falar sobre, porque o cuidado é todo dia, é um chamamento para alertar as pessoas a estarem se cuidando. É uma vida em jogo, por isso é preciso fazer o exame”.

Simone de Castro Zanella Rodrigues da Silva, 52 anos, aposentada

(Foto Marília Cardozo)

“Eu descobri o câncer em maio/2021. Eu estava deitada na cama e senti uma bola, mas não levei a sério porque eu tinha um problema no braço. Uma das minhas irmãs tem câncer no rosto e a outra no intestino, mas eu nunca pensei que teria. Foi um baque muito forte. 

Comecei o tratamento em Balneário e hoje me trato em Curitiba. 

O medo vem, tive o pensamento de que ia morrer, mas vi que tinha tempo de viver, de me tratar. Comecei as quimios em 22 de novembro de 2021, até fevereiro. Este ano começamos a pensar na cirurgias, eu tinha 3 nódulos nas mamas e 6 nas axilas. 

Dia 24 de junho fiz a primeira cirurgia, tirei o quadrante (os 3 tumores da mama e 6 axilas). Mas em 27/9 precisei fazer uma nova cirurgia e tirei toda a mama. Não é facil. 

Hoje estou conseguindo me tocar, porque o corte é muito grande. Estou lutando, terminei as rádios. 

Já estou com nódulos nas axilas novamente, vou fazer biopsia para saber se é maligno. 

O segredo para matar o câncer é ser feliz e estou sempre sorrindo, brincando. 

Sou muito feliz, foi um baque, mas aprendi a viver e entender que tudo é um processo. Participar das fotos foi incrível! A Rede Feminina me deu vida. Mesmo com problema, somos felizes. Agradeço a Deus por estar na Rede”.

Fernanda Oliveira Galiano, 40 anos, operadora de caixa

(Foto Marília Cardozo)

“Fui diagnosticada com câncer em dezembro de 2021, às vésperas do Natal. A princípio foi um choque, mas dentro de mim tinha uma força tão grande de que isso não iria me derrubar, então levantei a cabeça e segui em frente. 

Comecei minhas quimioterapias dia 10 de março 2022, foi dolorido foi, perdi o cabelo perdi, às vezes tive vontade de me entregar, sim, por várias vezes, mas meu Deus e minha família são maiores. 

Minha última quimio foi em 31 de agosto, foi aí então que conheci a Rede através do Instagram. 

A Rede é um lugar maravilhoso que nos acolhe com carinho, atenção e muito amor. 

As voluntárias são maravilhosas, sempre nos pondo pra cima. Sobre as fotos, a princípio fiquei meio sem jeito, todo mundo me vendo sem cabelo, se até eu mesma nem me olhava no espelho direito, mas foi um desafio que se eu não tivesse feito teria me arrependido. 

Foi tudo maravilhoso, a começar pela Neusa da loja Hope, a Saionara maquiadora e a Maristela que foi a principal mentora de tudo, sem falar da fotógrafa Marília, um encanto e com muita paciência. 

Enfim, foi tudo de bom e maravilhoso e bem revelador. Espero que tenha ajudado as outras pacientes, porque me ajudou bastante. Graças a Deus estou ótima! Sei que ainda vou ter que passar por alguns procedimentos, como a radioterapia,  mas estou bem feliz com os resultados a meu favor. 

Desde a quimio que já nas primeiras aplicações teve um resultado ótimo, pois meu câncer tinha 9.5 cm e no dia da cirurgia ele estava com 2mm”.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -