- Publicidade -
- Publicidade -
20.7 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Caminhada contra a violência doméstica reuniu quatro mil pessoas em Balneário Camboriú

A Caminhada de Conscientização Contra a Violência Doméstica, que aconteceu na manhã desta quinta-feira (14), em Balneário Camboriú, reuniu, segundo a secretária de Inclusão Social da cidade, Christina Barichello, pelo menos quatro mil pessoas.

A secretária salienta que a Caminhada foi ‘muito linda e significativa’ porque reuniu mulheres e também homens, incluindo o prefeito Fabrício Oliveira, além de associações de moradores, Sinduscon, Rede Feminina de Combate ao Câncer, Rotary e Lions Clube. 

(Divulgação/PMBC)

“Foi muito representativo – é uma pauta que a sociedade está atenta. Foram cinco mil camisetas entregues, fora as dos associados à Casa da Família que alguns já tinham, certamente passou das duas mil que esperávamos – acredito que dobramos a meta, tinha pelo menos quatro mil. Me surpreendi com o número de pessoas, mesmo sendo cedo, horário comercial, calor e sol, as pessoas estavam lá firmes e fortes para refletir e comemorar que existe uma rede forte de proteção à mulher em nossa cidade”, diz.

Abraço à Mulher é 24h

Christina afirmou que o programa Abraço à Mulher é diferenciado porque é 24h, todos os dias da semana, e totalmente gratuito para as moradoras de Balneário Camboriú. Ela cita também que a rede de proteção é integrada ao Abraço, com polícias Civil e Militar e Guarda Municipal atuando juntamente em prol da causa.  

“Se você olhar, os índices de violência contra a mulher diminuíram, mas não diminuiu a denúncia – neste ano, até o momento, só houve um feminicídio em Balneário Camboriú, e uma infinidade de mulheres em atendimento porque no primeiro indício de violência, quando chega no limite, denunciam, o que é reflexo das políticas públicas da cidade. Muitas mulheres procuram primeiro o Abraço à Vida por estarem com depressão, e veem que é fruto da violência que sofrem em casa, muitas vezes nem física, mas a psicológica, que também afeta muito”, acrescenta.

- Publicidade -
(Divulgação/PMBC)

Rede de apoio para vítimas e também para tratar agressores

O apoio da sociedade fortalece a pauta, acredita a secretária, que lembra que a conscientização para o problema vem sendo abordada também nas escolas, através de palestras para alertar crianças e adolescentes a não aceitarem a violência doméstica e reflitam para modificar essa situação. 

“Vejo que a primeira coisa que a mulher vítima precisa é se sentir segura, e para isso tem que entender que a rede de proteção em Balneário Camboriú é forte, que ela vai ser abraçada, justamente porque é agredida onde deveria ser o lugar mais seguros da vida dela – a casa dela. Que essa mulher saiba que Balneário tem vários programas que vão dar suporte a toda essa trajetória, esse ciclo da violência, e ninguém vai julgá-la. O objetivo é que não sofra violência, porque o ser humano não nasceu para a violência, inclusive queremos tratar também esses homens agressores, que estão doentes, e muitas vezes reproduzem o que viram e vivenciaram em casa, e tem tratamento para isso”, completa.


Para receber notícias do Página 3 por whatsapp, acesse este link, clique aqui




- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -