- Publicidade -
16.1 C
Balneário Camboriú

Fiscalização intensificará nesse feriado mas público precisa colaborar

- publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Seguindo a linha de que a pandemia não acabou, mesmo com o início da vacinação, os órgãos da segurança, Secretaria de Saúde, Vigilância Sanitária e Fiscalização de Posturas continuarão atuando no combate às festas ilegais e cobrando o distanciamento social do público, de forma mais intensa neste feriado, para que não se repitam as aglomerações percebidas no Réveillon. Uma preocupação é a falta do uso de máscara, algo que as equipes consideram até mesmo difícil de exigir, já que a população insiste em não utilizá-las mais.

“O vírus está ativo, está matando, precisamos seguir com os cuidados”

Secretária Leila (foto Divulgação)

A secretária de Saúde de Balneário Camboriú, Leila Crócomo, lembra que a vacinação de Covid-19 não acontecerá ao longo do final de semana e nem na segunda e terça-feira de Carnaval (de 13 a 16), mas que a logística está seguindo. Os horários e pontos de vacinação devem ser ampliados assim que mais faixas etárias entrem na lista de prioritários [saiba mais aqui]. 

- Publicidade -

Da mesma forma que houve a intensificação do SeCuidaBC no Réveillon, os fiscais vão intensificar o trabalho de vistorias neste feriado. É importante que a comunidade também denuncie, é assim que iremos combater essas aglomerações”, diz.

Leila cita que quatro unidades de saúde estarão abertas para receber ao público durante o feriado: a UPA do Bairro das Nações, o PA do Bairro da Barra, o Hospital Ruth Cardoso e o Centro Covid. 

“Estamos preparados para atender moradores e turistas se for necessário a realização do exame [teste de Covid] e o início da medicação. Continuamos orientando que o vírus está ativo, está matando, e que precisamos seguir com os cuidados. A vacina é uma realidade, mas por muito tempo ainda precisaremos seguir com os cuidados, como o uso de máscara e distanciamento social”, explica. 

A secretária lembra ainda que apesar de não estarem cobrando o uso de máscara nas ruas, todas as pessoas sabem que é necessário utilizar, já que a pandemia continua forte.

- Publicidade -

“Cada um precisa fazer a sua parte. Pode usufruir da praia com a família, mas é preciso evitar aglomerações. Os jovens perderam o medo, podem ser assintomáticos, mas podem levar o vírus pra casa e contaminar um idoso”, acrescenta.

Segurança fará blitzes pela cidade e apoiará a Fiscalização

Castanheira (foto Renata Rutes)

O secretário de Segurança de Balneário Camboriú, Antônio Gabriel Castanheira Junior, explica que a Guarda Municipal e a Polícia Militar atuarão em conjunto, com blitzes pelo trânsito da cidade, em diversos pontos, desde centro como também nos bairros e entradas e saídas do município. 

“A programação oficial do Carnaval foi cancelada, mas não podemos deixar de considerar que vai ter movimento mesmo assim. Iremos atuar com um efetivo maior, com os guardas que ficam em sobreaviso, e a PM conta com o reforço da Operação Veraneio”, comenta. 

Castanheira lembra que além do combate ao crime, os guardas e policiais também atuarão em apoio às equipes da Fiscalização e Vigilância Sanitária, combatendo as festas ilegais e aglomerações. 

“Estaremos intensificando as fiscalizações e faremos as regras serem cumpridas”, pontua.

“Não vamos tolerar desrespeito”

Fiscalização vai intensificar as ações (foto Divulgação)

O diretor da Fiscalização, Wagner Basso, complementa a fala do secretário Castanheira sobre a SeCuidaBC, citando que desde que intensificaram as ações algumas casas noturnas foram fechadas (a exemplo de Shed e La Belle, que seguem interditados por medida judicial). 

“Porém, mesmo sem programação oficial sabemos que a cidade estará movimentada e vamos trabalhar intensamente com o objetivo de manter a ordem na cidade. Nesta semana Balneário voltou para o nível laranja (grave para transmissão de Covid-19), e algumas pessoas podem achar que a situação está ‘ok’, mas não está”, afirma.

Basso explica que outra preocupação são as festas ilegais e que quando vão fiscalizar utilizam do bom senso – por exemplo, se é um apartamento pequeno onde estão 20, 30 pessoas caracteriza festa. 

“Mas já fomos chamados e estavam dois casais ouvindo música enquanto comiam sushi. Tem também casos de cobrança de ingressos. Estamos monitorando algumas festas que estão sendo divulgadas pelas redes sociais, o que até facilita o nosso trabalho, pois vemos que vai ter o evento e já vamos até lá para fiscalizar. Acontece ainda de os empresários obedecerem, mas o público não seguir as regras. Não vamos tolerar superlotação e desrespeito, todos precisam entender que a pandemia não acabou”, informa. 

Segundo Basso, cobrar o uso de máscara em espaços públicos se tornou algo ‘inviável’ porque realmente boa parte das pessoas se recusa a utilizar. 

“Não aceitam mais, ficam com a máscara no bolso somente para entrar em estabelecimentos e na rua e locais públicos não usam. É preocupante, porque a pandemia continua e queremos que a situação melhore, ter voltado para o laranja não pode ser uma desculpa para nos descuidarmos, assim voltaremos para o vermelho (gravíssimo), por isso não iremos tolerar nenhum tipo de aglomeração”, completa.

- Publicidade -

Jornal Página 3 nas redes

39,752FãsCurtir
18,100SeguidoresSeguir
6,508SeguidoresSeguir
12,000InscritosInscrever
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -