- Publicidade -
- Publicidade -
25.7 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Projeto Montanha sem Limites leva cegos ao cume do Pico da Pedra

Segundo relatos de comerciantes e moradores locais, essa é a primeira vez que deficientes visuais sobem o Pico da Pedra, em Camboriú

O fim de semana foi marcado por superação para dois deficientes visuais que participam do projeto “Montanha sem Limites”. Eles conquistaram o cume do Pico da Pedra, em Camboriú, acompanhados pelo voluntários e guias do projeto. Segundo comerciantes e moradores da região, Antônio Américo Neto, de 52 anos, e Gerson Almeida Cardoso, de 32, são os primeiros cegos a subirem a montanha. 

(Foto Daiana Brocardoagente)

A subida começou por volta das 6h30 da manhã de domingo (29) e foram cerca de três horas até o topo com mais de 670 metros acima do nível do mar e mais três horas para a descida. A trilha tem aproximadamente dois quilômetros de extensão e é considerada de nível médio de dificuldade. Porém, nesse dia as dificuldades aumentaram porque houve chuva durante a madrugada o que deixou a trilha muito escorregadia. 

“Eu achei que não ia conseguir, mas estou aqui! Para mim isso aqui é muito mais do que subir uma montanha, significa que eu posso tudo”, disse Antônio ao chegar no cume.  

- Publicidade -

O guiamento

Para que os deficientes visuais conseguissem superar o desafio a equipe de guias tem treinado junto com os participantes, desde setembro do ano passado. 

Subiram o Pico da Pedra, cinco guias e outros seis voluntários que auxiliaram no carregamento das mochilas com mantimentos e equipamentos. 

A subida contou também com socorrista e um especialista em resgate em altura, que auxiliou na travessia dos pontos críticos com o uso de cordas. 

A chegada

A chegada ao cume do Pico da Pedra foi por volta das 10h da manhã, e foi marcada por muita emoção dos participantes do projeto e de outros trilheiros que estavam no local. Antônio e Gerson foram recepcionados com uma salva de palmas. 

(Foto Daiana Brocardoagente)

“O Montanha sem Limites é muito mais do que um projeto social. É uma oportunidade de crescimento para eles e para nós que saímos daqui transformados diante do exemplo de superação deles. É uma forma de mostrar que mesmo com limitações eles podem sim fazer muitas atividades ao ar livre e também incentivar outras ações como essa,” fala Alessandro Nelito Adriano, o Lê, que é o idealizador do projeto, guia e socorrista especializado em resgate em altura.

- Publicidade -

O projeto 

O Projeto “Montanha Sem Limites” realizado pela Associação Live the Life tem como objetivo treinar deficientes visuais – com baixa visão e cegos – para praticar montanhismo. 

Para conseguirem encarar os desafios de subir uma montanha, os deficientes serão conduzidos por guias que também serão treinados durante o projeto dentro das técnicas de condução e audiodescrição. Além de terem acompanhamento profissional para preparação física. 

Quando a equipe estiver devidamente treinada e preparada, a intenção é subir as montanhas mais altas do Estado, da Região Sul e finalmente do Brasil, com a quebra de recordes na modalidade para pessoas com deficiência. 

Essa foi a segunda montanha conquistada pelo grupo, em outubro do ano passado o projeto fez a subida do Pico da Teta, em Balneário Camboriú. 

O próximo desafio será o Morro Cambirela, em Palhoça, com mais de mil metros de altitude.

Texto e Fotos – Daiana Brocardoagente

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -