- Publicidade -
- Publicidade -
22.9 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Estrada da Rainha: prefeitura de Balneário Camboriú procura solução definitiva para um problema bem antigo

Novo projeto para contenção deverá ser entregue até fevereiro

A Estrada da Rainha voltou a ter problemas com desmoronamentos,durante as chuvas de dezembro, quando as canaletas condutoras de água foram destruídas. Desde então, qualquer chuva pode causar pequenos deslizamentos – a exemplo da última sexta-feira (20). A prefeitura estuda uma solução definitiva para esta situação, como uma contenção.

Prefeitura espera novo projeto de contenção (Divulgação/PMBC)

Problema é antigo

O ex-prefeito de Balneário Camboriú, engenheiro Rubens Spernau, trabalha hoje na Secretaria de Planejamento Urbano e relembra que a primeira obra para coibir os desmoronamentos foi executada em seu governo, sendo entregue no início de 2003.

O problema é antigo, anos atrás foi notícia nacional, via CQC (Divulgação/PMBC)

Cinco anos depois, em novembro de 2008, quando o prefeito era Edson Renato Dias ‘Piriquito’, aconteceu um grande desmoronamento porque houve problemas na calha, na parte superior do morro, causado pela enchente daquele ano. Isso se arrastou por vários anos e, em 2011, houve outro desmoronamento.

- Publicidade -
(Divulgação/PMBC)

Isso tudo incentivou a criação do movimento Salve a Rainha, que foi pauta do programa CQC, em 2013, pois na época houve denúncias de que a obra de duplicação de 200 metros da Rainha beneficiaria as construtoras Thá, Silva Packer e Pavoni & Pavoni, que era do então secretário de Planejamento, Auri Pavoni.

(Divulgação/PMBC)

Novo projeto de contenção

Rubens lembra que então foi feita a via lateral da Estrada, que está lá até hoje, e aparentemente está estável. 

Mais recentemente, a Estrada da Rainha ganhou uma ‘nova cara’, com uma via em curvas, para reduzir a velocidade dos veículos e, consequentemente, acidentes de trânsito. 

Só que em dezembro último, a situação dos deslizamentos se repetiu. 

“O que fizemos, após a chuva intensa de dezembro, foi contratar uma empresa de Florianópolis, mas em um período ruim, de recesso de fim de ano. Temos agendada uma sondagem biológica para fazer o projeto de contenção, para saber o que precisa ser feito. A ideia é que o projeto seja entregue no início de fevereiro e a partir daí iniciamos o processo de licitação ou então de contratação emergencial, mas precisamos seguir a legalidade, buscando o caminho mais célere possível”, comenta.

O engenheiro aproveita para acrescentar que buscam um projeto que estabilize a Estrada da Rainha porque, ‘do jeito que está’, qualquer chuva pode causar problemas. 

“Quando ameaça chover, o Mazoca (Osmar de Souza Nunes Filho, secretário de Obras da cidade) fica nervoso, e com razão, porque se chove forte, dá problema lá. Não sabemos ainda quanto vai custar a obra de contenção, mas não temos como não fazer, e é urgente”, completa.

- Publicidade -
A Rainha em curvas, para reduzir acidentes graves (Divulgação/PMBC)

Secretaria de Obras trabalha na manutenção e limpeza 

O secretário Mazoca detalha que está sendo feito o projeto e que, até lá, estão ‘enxugando gelo’. 

“Quando aconteceu a chuva de dezembro, encaminhamos ao Rubens a questão de como ficou. Trabalhamos em sintonia. Agora, estamos esperando secar bem para poder tirar um pouco mais de barro. Estamos cuidando, limpando… neste momento, não tem outra opção. As encostas sofrem muito com a chuva, tanto que tivemos desmoronamento também nos bairros Nações e Praia dos Amores e na Rodovia Interpraias”, afirma.

Ele lembrou que o projeto anterior [da empresa de Florianópolis] ‘não teve sucesso’. 

“Por conta de tudo o que aconteceu, tivemos problemas de infiltração e estamos fazendo esse trabalho – limpando galerias, bocas de lobo, inclusive também nos bairros, como Municípios, Iate Clube, Vila Real… pediremos também ao IMA (Instituto do Meio Ambiente de SC) uma autorização para limpar o Rio Peroba porque teve sedimentação levada pela chuva. Nos problemas climáticos ninguém pode interferir, mas tivemos sorte de nossas bocas de lobo estarem funcionando, porque poderia ter sido pior”, finaliza.

Defesa Civil também acompanha: preocupação é com deslizamento maior

O diretor da Defesa Civil de Balneário Camboriú, Fabrício Mello, aponta que os maiores problemas na Estrada da Rainha foram no fim de 2022, mas que a contenção continua sendo necessária, porque se chover forte novamente, a situação pode piorar. 

“Estamos fazendo vistorias, removemos o material, limpamos, vai ter uma nova vistoria no local. Estamos monitorando com técnicos e geólogos, para avaliar a questão de risco enquanto não fazemos a obra definitiva. Já sabemos que, com as chuvas, podem ter novos deslizamentos porque a área está degradada, por isso estamos monitorando. A nossa preocupação é com um deslizamento maior e por isso estamos fazendo vistorias. A obra de contenção é urgente e muito necessária”, informou.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -