- Publicidade -
- Publicidade -
16.7 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Transporte coletivo foi tema de reunião na Comunidade Quilombola do Morro do Boi

Iniciativa partiu do vereador Eduardo Zanatta que esteve acompanhado por autoridades do MPF e Procuradoria de BC

O vereador Eduardo Zanatta (PT) participou de uma reunião nesta terça-feira (9), na Comunidade Quilombola Morro do Boi, junto com o Ministério Público Federal, Procuradoria-Geral do município, representantes da BC Trânsito e da empresa Transpiedade, que presta o serviço de transporte coletivo com tarifa zero em Balneário Camboriú, para debater a urgência de mais horários que atendam os moradores daquele local.

“Conseguimos fazer a empresa rever um horário que estava previsto 7h da manhã saindo do Morro do Boi e que não estava mais passando lá e hoje, quarta-feira, às 7h  o ônibus estava lá no ponto. Também se comprometeram a arrumar o ponto de ônibus que está destelhado e sem cobertura. Durante a reunião também foram discutidos mais horários de linhas e novas rotas, porque a comunidade fica completamente isolada e sem transporte em alguns períodos do dia. O MPF concordou com todos os pleitos”. comemorou o vereador Zanatta, que há muito tempo busca uma solução para esse problema.

“Conquistamos a tarifa zero em nossa cidade, mas ainda precisamos lutar por uma oferta de qualidade do transporte público em todas as regiões de Balneário Camboriú e essa é uma demanda antiga dos moradores do Quilombo, que se agravou durante a pandemia. Se falamos sobre direito de ir e vir, de acesso à cidade, precisamos garantir que ele seja efetivamente para todos”, afirmou Zanatta.

(Divulgação)

A líder da Comunidade, Sueli Leodoro, disse que os moradores estão esperando há muito tempo por uma solução, porque necessitam do ônibus para ir ao trabalho, para ir ao mercado, para ir ao posto de saúde.

“Pedimos por dois horários de manhã e um horário de retorno após 18h. Tem uma senhora que mora nos fundos do morro, bem longe, ela sai de casa 4h30, 5h para chegar até o ponto e pegar o ônibus às 7h. Isso é um absurdo, porque todos temos o direito de ir e vir. O prefeito não está dando atenção, parece desconhecer que existe a comunidade Quilombola. Gostaríamos que ele reconhecesse a nossa Comunidade porque quando ele estava em campanha, ele veio aqui, então ele sabe que a Comunidade Quilombola existe”, disse Sueli, agradecendo o empenho do vereador Zanatta, que nunca deixou de frequentar a comunidade e lutar pelos problemas, desde que se elegeu, ao contrário de outros que só ‘encontram a comunidade na hora que precisam pedir votos’.


Para receber notícias do Página 3 por whatsapp, acesse este link, clique aqui




- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -