- Publicidade -
- Publicidade -
24.2 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Ato público pela Educação de Balneário Camboriú marcado para este sábado

Foi criado um perfil no Instagram intitulado Frente de Luta pela Educação Pública de BC (FLEBC), que se define como um movimento independente da Categoria da Educação mobilizada.

O primeiro ato está marcado para este sábado (17), às 15h, na Passarela da Barra.

O jornal tentou contato com a organização do FLEBC, mas não obteve sucesso até o fechamento desta matéria.

Através das redes sociais foi divulgado que a Frente luta por construção de novas escolas, vale-alimentação para todos na Educação, eleição para direção escolar, FGTS para ACTs, revogação da Lei 91/2022 e cumprimento do Piso Nacional.

O secretário de Educação de Balneário Camboriú, Marcelo Achutti, disse que não estava sabendo do ato e que também não tinha conhecimento a respeito da FLEBC, mas disse que antes dos professores envolvidos se manifestarem poderiam ter dialogado.

“Estou à disposição para receber todos, explicar as pautas que eles estão questionando e todos os pleitos também podem ser repassados ao Sindicato, que nos comunica”, disse.

Secretário adianta posição sobre os questionamentos

Achutti explicou cada um dos apontamentos divulgados como solicitações do movimento.

Sobre o Piso Nacional, ele disse que a proposta já está sendo encaminhada ao Sindicato [saiba mais aqui],

Sobre FGTS para ACTs – ele afirmou que teria que mudar a lei.

“Somos estatutários e não celetistas. Se fizerem a pergunta aos nossos 1390 professores, será que vão querer deixar de ser estatutários para ser celetistas? Eu acredito que isso é retrocesso”, pontuou.

Sobre a demanda para construção de novas escolas, Achutti citou como fonte o próprio diretor do Página 3, Waldemar Cezar Neto, que citou o assunto em sua coluna (leia aqui).

“Sobre o vale-alimentação, nós aderimos ao piso. Vou usar um dado porque eu gosto de ser polêmico – vou desconstruir – a média salarial do P1 é R$ 7.976, P4 R$ 11.000, P5 R$ 14.911, P6 R$ 20.957. E qual a proporção de cada um desses? A média, de 1.390 servidores, 970 ganham R$ 11.706. O pleito [pedir vale] é válido, mas a média salarial é mais de R$ 11 mil. Temos outras categorias para rever, em virtude que estamos pagando o Piso Nacional”, comentou.

Sobre a eleição nas escolas e núcleos de educação infantil da rede municipal, Achutti disse que o assunto já está na Secretaria de Articulação e que até o fim do ano haverá eleição por lei municipal nas escolas e núcleos.

“Quanto ao tema de revogação de lei aí não é comigo, tem que encaminhar para a Câmara. Não vou entrar no mérito dessa lei. Mas, resumindo, eu respondo tudo com tranquilidade. Os nossos servidores da educação ganham, em sua maioria, R$ 11 mil, que é um bom salário. Se pegarmos o diagnóstico de Santa Catarina, Balneário Camboriú é um dos primeiros – eles têm direito ao vale, mas remuneramos muito bem os nossos profissionais. Parece ser muito mais político esse ato agendado para sábado”, completou.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -