- Publicidade -
- Publicidade -
22.8 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Praia da Galheta, em Florianópolis, recorre a fiscais e drones para caçar pelados

FLORIANÓPOLIS, SC (FOLHAPRESS) – Tradicional refúgio nudista, a praia da Galheta, em Florianópolis (SC), decidiu combater a presença de pessoas sem roupa. O plano inclui fiscais e até uso de drones para encontrar quem burla as regras.

A medida por vezes tem gerado confusões entre comerciantes a favor da proibição e praticantes do nudismo.

Escondido por morros com densa vegetação nativa e com grandes pedras, o local -ao leste da ilha- está há décadas na lista de balneários recomendados para a prática da Federação Brasileira de Naturismo.

- Publicidade -

A Prefeitura de Florianópolis considera que a presença de pessoas sem roupas na região dificulta o acesso da população geral à praia, gera perturbação do sossego durante a noite e cria um cenário que facilita atos obscenos e casos de importunação sexual.

A gestão Topázio Neto (PSD) afirma ainda que não há atualmente previsão legal nem regulamentação da prática na Galheta. A situação, porém, já foi diferente.

Em 1997, uma atualização na Lei nº 3.455 de 1990 permitiu a prática de nudismo na praia, com o uso de roupas sendo opcional. A norma perdurou por quase duas décadas.

Vereadores aproveitaram um projeto para transformar a Galheta numa área protegida, em 2016, para aprovar um pacote que passou a proibir churrascos, animais e fogueiras na praia -além de vetar a nudez nas áreas públicas.

A regra, porém, tem sido desrespeitada. A reportagem esteve na praia no sábado (31). Na entrada, uma placa avisa aos visitantes sobre a proibição do nudismo no local. Fiscais do município estão por toda parte, contando com drones para caçar quem estiver pelado.

Ocorre ainda reforço de comerciantes. Aos berros e ameaças, eles buscam afastar os naturistas a fim de atrair turistas, ainda reticentes em frequentar a área.

“Meu lucro vem de famílias, não de gente safada”, diz Fernando Kempel, 43, dono de um quiosque na Galheta. Ele compõe um grupo de empresários contrário à presença de pessoas sem roupa.

- Publicidade -

Para fugir da supervisão, alguns nudistas escolhem ficar entre as pedras, em trilhas no meio da mata ou ir ao local somente ao anoitecer -quando é comum a realização de orgias. Outros ignoram a situação e exibem os corpos nus, mas logo alguém aparece para repreender o ato.

Um advogado adepto do nudismo disse à reportagem que considerava a praia um um local de liberdade, mas agora tem medo de ficar nu na região.

A associação naturista Amigos da Galheta cobra uma regulamentação nacional do movimento. Membros também criticam o que chamam de guinada conservadora em Florianópolis.

“Aqui é um lugar de gente ser gente”, diz a argentina Luz Arroyo, 28, que vende doces na praia. “Você anda pela areia e vê peitos por toda parte, vê pintos de todos os jeitos. É lindo.”

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -