- Publicidade -
- Publicidade -
23 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Silas Malafaia é condenado a indenizar a jornalista Vera Magalhães por danos morais

O pastor Silas Malafaia foi condenado a pagar uma indenização à jornalista Vera Magalhães por afirmar que ela recebia dinheiro do ex-governador de São Paulo João Doria para atacar o então presidente Jair Bolsonaro (PL). As informações são de Rogério Gentile, colunista do UOL e da Folha de S.Paulo.

A defesa ainda pode recorrer da decisão.

Para a juíza Maria Bertoldo, da 21ª Vara Cível do Tribunal de Justiça de São Paulo, Malafaia “agiu com manifesto abuso de direito” ao divulgar a notícia falsa. O pastor foi condenado a pagar R$ 15 mil por danos morais à jornalista.

- Publicidade -

Vera Magalhães é apresentadora do Roda Viva, programa da TV Cultura, e colunista da rádio CBN e do jornal O Globo.

No ano passado, o pastor disse nas redes que Vera recebia R$ 500 mil por ano para criticar o ex-presidente.

“Entendeu? Doria começou a bancar a jornalista que ataca o presidente em todo o tempo”, afirmou.

Na época, a jornalista disse que o ato era uma tentativa de prejudicar seu trabalho e cercear a liberdade de imprensa. Ela também comprovou receber um salário inferior ao montante, pago a ela pela Fundação Padre Anchieta, gestora da TV Cultura.

A defesa do pastor afirmou que a declaração de Malafaia não teve como objetivo ofender a jornalista. Disse também que a imprecisão com relação ao montante foi induzida por um vídeo de terceiros e que a correção da informação foi feita quando o pastor ficou ciente do erro.

O embate começou após Malafaia endossar ataques contra a jornalista iniciados durante debate com presidenciáveis realizado por Band, Folha de S.Paulo, UOL e TV Cultura, em agosto do ano passado. Na ocasião, Vera Magalhães foi ofendida por Bolsonaro após fazer uma pergunta sobre vacinação.

Em setembro do mesmo ano, a Justiça havia determinado que Malafaia removesse de suas redes sociais oito publicações contra a jornalista, como mostrou a coluna Mônica Bergamo, da Folha de São Paulo. A corte ainda ordenou que o religioso se abstenha de veicular ofensas e informações falsas contra a profissional.

- Publicidade -

(FOLHAPRESS) –

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -