- Publicidade -
- Publicidade -
13 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Emasa quer terminar este mês o inventário para supressão de vegetação para construção dos novos tanques da ETE

Foi iniciado nesta semana, pela Emasa, o inventário florestal necessário para obtenção de licença ambiental, junto ao Instituto do Meio Ambiente de Santa Catarina (IMA-SC), para supressão de vegetação na área onde serão construídos os novos tanques de concreto para tratamento de esgoto da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) de Balneário Camboriú, no Bairro Nova Esperança.

É de conhecimento geral que a ETE de Balneário Camboriú passa por problemas, após serem encontradas bolhas no tanque de aeração, porque houve um rompimento da geomembrana, com possíveis danos ao lençol freático e consequente falha na eficácia do tratamento de esgoto. 

(Foto Ivan Rupp)

A prefeitura, através da Empresa Municipal de Água e Saneamento de Balneário Camboriú (Emasa), está refazendo a ETE, com tanques de concreto (seis ao total – todos devem estar funcionando até novembro/2024, após acordo firmado com o Ministério Público). 

- Publicidade -

Até 2019, a cidade tinha eficiência de mais de 90% no tratamento do esgoto, mas este número caiu consideravelmente – atualmente é de, em média, 65%.

O inventário florestal necessário para obtenção de licença ambiental junto ao IMA, vai identificar o quanto de vegetação terá que ser suprimida para  a construção dos novos tanques, que terão a capacidade de tratamento de 1,2 mil litros de esgoto por segundo.

Segundo a  Emasa, os novos tanques projetados serão erguidos em uma área de aproximadamente 20 mil metros quadrados, dos quase 600 mil m² em que a ETE está inserida, no Bairro Nova Esperança. 

A previsão de término do inventário florestal é ainda neste mês de outubro.

O diretor da Emasa, Douglas Beber, detalha que houve melhorias no tratamento preliminar, que antes estaria sendo feito de maneira manual e que também melhoraram a estação de tratamento de lodo, intensificando o tratamento químico para suprir a ausência do tratamento da lagoa (onde houve o problema), além de, segundo ele, mensalmente fazerem limpeza nos dois decantadores. 

“Tudo isso gera uma melhora na eficiência do tratamento que, em média, chega a 65%, mas tem dias que dá menos, outros mais, variando entre 55 e 75%. Até o fim deste ano, para a temporada de verão, já estaremos na metade e esperamos chegar na eficiência de 80% de tratamento de esgoto, para atender a legislação e devolver um esgoto em ainda melhores condições para o rio”, afirma.

(Foto Ivan Rupp)

Nesta semana também chegaram e foram descarregados, na ETE, todos os tubos metálicos que serão utilizados para a montagem da tubulação que servirá ao novo decantador que está sendo construído. Ele deverá estar pronto e em funcionamento ainda este ano, melhorando a eficiência do tratamento de esgoto da estação.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -