- Publicidade -
- Publicidade -
22 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Caiado se lança para 2026, defende anistia do 8/1 e nega submissão a Bolsonaro

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – Citado como pré-candidato à Presidência da República por integrantes da União Brasil, o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (União Brasil), diz à reportagem que pretende trabalhar para viabilizar seu nome na disputa pelo Palácio do Planalto em 2026.

Para isso, ele admite ser importante contar com o apoio do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), que está inelegível por oito anos e de quem voltou a se aproximar após afastamento durante a pandemia.

“Se realmente ele tiver condições de ser candidato, é indiscutível a liderança que ele exerce para poder ser candidato. Ora, não sendo ele, a minha trajetória de vida é exatamente no mesmo eleitorado do presidente Bolsonaro”, afirma.

- Publicidade -

O governador avalia que Lula (PT) instiga o acirramento na sociedade. Caiado também defende a anistia aos envolvidos nos ataques do 8 de janeiro como forma de pacificar o país.

PERGUNTA – O nome do sr. é citado por correligionários e pela oposição como potencial candidato ao Planalto. O sr. já se considera um pré-candidato?

RONALDO CAIADO – Isso será tratado pelo partido. Agora, eu me vejo como uma pessoa que posso me apresentar à União Brasil. Vejo uma trajetória de vida que me credencia para que eu possa ver se existe a possibilidade partidária de transformar isso numa realidade ou não. É um trajeto ainda muito longo, de um assunto que vai ser tratado em 2026.

PERGUNTA – Disputar a Presidência é um desejo?

RC – O desejo sempre existiu, nunca neguei. Até porque fui o candidato mais novo da história do país, com 39 anos de idade, em 1989, não é nenhuma surpresa. Me coloquei como candidato naquela época que ninguém tinha coragem de defender o setor rural, a livre iniciativa, o direito de propriedade.

PERGUNTA – Diante da configuração política atual, a posta do sr. é herdar o espólio político de Bolsonaro, que está inelegível?

RC – Primeiro [é preciso] avaliar se essa decisão realmente será definitiva. Se ele tiver condições de ser candidato, é indiscutível a liderança que ele exerce para poder ser candidato. Ora, não sendo ele, a minha trajetória de vida é exatamente no mesmo eleitorado do presidente Bolsonaro.

- Publicidade -

Não existe outro eleitorado que não seja condizente com minha vida política durante esses 40 anos. Isso aí todos nós reconhecemos e não tem a menor dúvida que, mesmo sem mandato, nesse processo de impedimento de uma candidatura, ele tem a capacidade de mobilizar milhões e milhões de pessoas em todos os lugares que chega.

O eleitorado conservador hoje atinge próximo de 70% da população brasileira. Nós reconhecemos que o ex-presidente Bolsonaro conseguiu, como nenhum outro, aflorar esse sentimento. Eu fui candidato em 89 e naquela época você tinha muito mais preconceito ao setor rural e às teses que nós defendíamos do que um apoiamento por parte maior da população. Hoje você vê o contrário, hoje você vê que a direita está muito mais consistente, com projetos cada vez melhores e podendo demonstrar isso na vida prática.

PERGUNTA – O sr. era aliado do Bolsonaro, mas se afastou na pandemia por divergir da condução do combate à Covid-19. Depois vem se reaproximando. Isso gerou comentários, como o do pastor Silas Malafaia, de que o sr. estaria fingindo ser próximo de Bolsonaro de olho na posição que ele vai deixar. Como avalia essa leitura?

RC – Sobre essa colocação, eu prefiro não comentar. Eu não acho que devo fazer qualquer análise de um assunto que, realmente… Eu não preciso hoje de atestado de quem quer que seja. Sempre tive muita coerência. Esses assuntos eu acho que não merecem que devam ser discutidos e muito menos ser relevados a essa posição de uma entrevista.

PERGUNTA – O sr. rechaça essa ideia que Malafaia insinuou de que estaria sendo oportunista?

RC – Sim. Em primeiro lugar, eu já disse a você que esse assunto não será respondido por mim. Em relação à minha amizade com o presidente Bolsonaro, eu sempre tive muita independência em relação a tudo que faço. Sempre fui uma pessoa aliada, mas nunca fui subjugado. É diferente. Aliado não quer dizer que tem que concordar em tudo. A minha posição é de conhecimento científico. Sou médico, cirurgião.

Mas desculpe, esse tipo de divergência não pode ser motivo de amanhã dizer: ‘Olha, então a partir de agora não se conversa sobre o todo’. Nunca me coloquei como um pré-candidato tendo que ficar sendo cordeirinho de A ou de B. Esse detalhe do ti-ti-ti para cá, ti-ti-ti para lá, é coisa de menor relevância. A pessoa está preocupada com isso ou com criar o filho dela, dar uma educação de qualidade, ter segurança para poder chegar ao trabalho.

PERGUNTA – Como o sr. vê a direita no Brasil, lembrando que hoje a pauta de costumes parece ter relevância?

RC – Em primeiro lugar, acho que nós precisamos ver o que a população sente neste momento. As pesquisas mostram que 59,2% da população está preocupada com a violência e o avanço do narcotráfico no país. Esse é o tema de maior relevância que temos hoje. Segundo lugar, o que é educação? Como é que você considera hoje um país onde a média de primeiro lugar no Ideb no Brasil atinge uma nota de 4,83 no máximo de 10? Esses são os desafios que precisamos de encarar.

Agora, não podemos admitir, de forma alguma, que você venha… pode ser um livro de literatura muito bom, cada um compra o seu, cada um lê o que quiser. Mas para utilizar isso na grade escolar não tem nada a ver.

PERGUNTA – Está falando da decisão do sr. de recolher o livro O Avesso da Pele das escolas?

RC – Exatamente. Você não vê nada parecido com isso em nenhum outro país do mundo. São distorções que não constroem nada e que não produzem nenhum resultado.

PERGUNTA – O sr. foi acusado de censura ao livro.

RC – Não é questão de censura. Lê quem quiser. É uma obra literária. Agora, nós não podemos confundir os sinais. Uma coisa é uma obra literária, outra coisa é um conteúdo didático. São coisas distintas.

PERGUNTA – É possível ter um candidato forte do campo oposto a Lula sem o apoio do Bolsonaro?

RC – No cenário atual, lógico que não. Lógico que a posição dele [Bolsonaro], hoje, é extremamente importante para que o candidato tenha a perspectiva de ganhar uma eleição. É óbvio, isso aí está escancarado. Como é que uma pessoa que é um ex-presidente, que não tem previsão de ser candidato agora pela decisão [do TSE], pode colocar 750 mil pessoas na Paulista?

PERGUNTA – Se ele vier a ser condenado, a força eleitoral dele se mantém a mesma?

RC – Bom, isso foge da minha capacidade de aprendizado na política e muito menos de poder prever o que vai acontecer. Eu não saberia. O que deve ser feito é respeitar o trâmite normal do julgamento das pessoas e não antecipar situações, reverberar a possibilidade de ser preso, de ser condenado. Isso é muito ruim. Isso aí parece outros momentos da história do mundo. Julgamento inquisitivo nunca deu certo.

PERGUNTA – O sr. manteria apoio a ele se for condenado?

RC – Não dá para fazer um julgamento sem que haja direito a defesa e também sem que consolide as provas.

PERGUNTA – Vê paralelo entre essa situação e a que o presidente Lula passou na Justiça? Ele foi condenado e depois teve as penas anuladas. Avalia que ali houve um julgamento precipitado, ou são situações diferentes?

RC – Eu acho que é aquilo que você e que todos nós já aprendemos, né? Na questão do Supremo, você muitas vezes pode concordar ou não, mas respeita.

PERGUNTA – Como o sr. avalia a posição do ministro Alexandre de Moraes, que tem sido criticado na direita por suas decisões? O sr. defende anistia às penas do 8/1 a que apoiadores de Bolsonaro foram condenados, como defendeu o ex-presidente na Avenida Paulista?

RC – Gosto sempre de construir um processo de pacificação. O mais engraçado é que eu me lembro, quando era deputado, quem puxou a anistia dos bombeiros do Rio de Janeiro foi a esquerda. As circunstâncias mudam. Se você buscar a história, você vê que Juscelino Kubitschek sofreu, sim, uma ameaça de golpe real, onde a Aeronáutica reagiu à posse dele, tomou Jacareacanga (PA), tomou Aragarças (GO). Então terminado, abafou-se aquilo, e logo a seguir ele propôs também uma anistia. Falou: “deixa eu trabalhar, deixa eu construir Brasília, deixa eu fazer o Brasil desenvolver”. Não vou ficar me apegando a essas coisas menores, eu preciso dar solução para os brasileiros’.

PERGUNTA – Seria essa sua posição?

RC – Juscelino Kubitschek deu um exemplo muito bom para nós. Então, julgar uma tese que ficou na intenção é realmente um pouco complicado para a gente poder fazer esse juízo de valor como se quer fazer.

PERGUNTA – Está dizendo, com outras palavras, que o ideal seria dar anistia.

RC – Acho, porque afinal de contas são momentos que nós precisamos buscar arrefecer o clima do nosso país para ter governabilidade. Não se governa com essas ferramentas que nós estamos vivendo. Já se passou um ano e três meses.

PERGUNTA – Mas o senhor vê crime por parte daqueles manifestantes no 8 de janeiro?

RC – Como houve quando eu era deputado Federal [em 2013] e invadiram a Câmara, destruíram o plenário, destruíram ministérios, destruíram o Itamaraty, tudo isso. Eu não admito agressão ao direito de propriedade, aos Poderes públicos.

PERGUNTA – Então acha que não aconteceu uma tentativa de golpe?

RC – Eu não sou muito adepto à tese do achismo, eu sou cirurgião, então eu sou muito diagnóstico. O achismo normalmente é quem não tem muito conteúdo.

PERGUNTA – Vimos agora mais um episódio de brigas internas na União Brasil que levou ao afastamento do presidente Luciano Bivar do seu partido. A União é capaz de ser uma legenda unificada para o sr. disputar a eleição?

RC – Posso lhe atestar, não é achismo que a União Brasil será um dos partidos mais representativos e mais importantes no processo político do país nos próximos meses. Hoje o partido volta para o seu leito normal, o leito partidário, de discussões políticas com as pessoas que realmente têm preparo intelectual para discutir cada um dos temas como o terceiro maior partido do país.

PERGUNTA – O seu partido tem três ministros no governo. É possível manter essas pessoas no governo Lula e ao mesmo tempo ter um pré-candidato à presidência de oposição?

RC – É assunto que será discutido pelo diretório. Vai ser pautado e vai ser discutido. Cada um vai se colocar numa posição, tem-se o resultado dos 85 votos e esse resultado deve ser respeitado.

PERGUNTA – O senhor defenderá a manutenção deles?

RC – A pauta será colocada na hora certa. Você pode ter certeza que lá você vai ver o meu voto e a minha coerência em discutir o assunto, tá bem?

PERGUNTA – Se Bolsonaro pedir que o sr. vá para o PL, o sr. vai?

RC – Ele nunca falou isso comigo.

PERGUNTA – Houve no governo Lula decepção com a sua participação no ato da Avenida Paulista ao lado de Bolsonaro. Como fica essa relação?

RC – Eu não confundo sinais, jamais. Eu não misturo campanha eleitoral com administração de Estado.

RAIO X

Ronaldo Caiado, 74

Atual governador de Goiás, foi reeleito no primeiro turno das eleições de 2022 com 51,81% dos votos. Foi deputado federal entre 1991 e 2014 e senador entre 2015 e 2018, quando pediu licença do cargo para assumir o governo goiano. Natural de Anápolis (GO), é médico e pecuarista.

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -