Jornal Página 3
PÁGINA 3 / Saúde
Balneário Camboriú caminha rapidamente para esgotar a capacidade de atender covid-19

Pandemia ganha força com politização e irresponsabilidade social

Segunda, 9/11/2020 5:43.
Divulgação Unimed Litoral.
UTI de covid-19 do Hospital da Unimed Litoral

Publicidade

A pandemia de covid-19 voltou a ganhar força na região de Balneário Camboriú, esgotando neste domingo a capacidade do Hospital da Unimed e avançando rapidamente sobre a disponibilidade do Hospital Municipal Ruth Cardoso.

O rebrotamento da doença se deve à irresponsabilidade social, pois Balneário Camboriú e cidades vizinhas estão classificadas sob risco grave para a doença, mas as autoridades e parcela da população agem como se não existisse pandemia.

Na Praia Brava neste domingo, por exemplo, a aglomeração em bares com música ao vivo foi intensa e não reprimida pelas autoridades itajaienses.

Entre a segunda-feira, dia 2, e este domingo, dia 8, a quantidade de pacientes internados na UTI do Ruth Cardoso aumentou 100% e agora restam 12 leitos disponíveis.

No Hospital Marieta, a quantidade de pessoas internadas na UTI cresceu 60% neste final de semana e embora restem 54 leitos vagos, não existe certeza sobre estrutura de pessoal e medicamentos para enfrentar a doença se ela prosseguir crescendo nesta velocidade.

No Hospital da Unimed, a UTI para covid que havia sido fechada por falta de pacientes, foi reaberta, esgotou 100% da sua capacidade em menos de duas semanas, médicos adoeceram e a enfermaria também está lotada o que leva à perspectiva de transferir pacientes que venham a necessitar de UTI.

Politizados e irresponsáveis

No final de semana, enquanto a irresponsabilidade social se multiplicava em espaço públicos e privados, candidatos a prefeito batiam boca se o adversário irá determinar ou não lockdown logo após a eleição.

Lockdown não depende da vontade de políticos e sim da pandemia, se a sociedade continuar sem consciência da gravidade da situação, os hospitais não terão capacidade de atender e o lockdown será necessário.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade













Página 3
Divulgação Unimed Litoral.
UTI de covid-19 do Hospital da Unimed Litoral
UTI de covid-19 do Hospital da Unimed Litoral

Balneário Camboriú caminha rapidamente para esgotar a capacidade de atender covid-19

Pandemia ganha força com politização e irresponsabilidade social

Publicidade

Segunda, 9/11/2020 5:43.

A pandemia de covid-19 voltou a ganhar força na região de Balneário Camboriú, esgotando neste domingo a capacidade do Hospital da Unimed e avançando rapidamente sobre a disponibilidade do Hospital Municipal Ruth Cardoso.

O rebrotamento da doença se deve à irresponsabilidade social, pois Balneário Camboriú e cidades vizinhas estão classificadas sob risco grave para a doença, mas as autoridades e parcela da população agem como se não existisse pandemia.

Na Praia Brava neste domingo, por exemplo, a aglomeração em bares com música ao vivo foi intensa e não reprimida pelas autoridades itajaienses.

Entre a segunda-feira, dia 2, e este domingo, dia 8, a quantidade de pacientes internados na UTI do Ruth Cardoso aumentou 100% e agora restam 12 leitos disponíveis.

No Hospital Marieta, a quantidade de pessoas internadas na UTI cresceu 60% neste final de semana e embora restem 54 leitos vagos, não existe certeza sobre estrutura de pessoal e medicamentos para enfrentar a doença se ela prosseguir crescendo nesta velocidade.

No Hospital da Unimed, a UTI para covid que havia sido fechada por falta de pacientes, foi reaberta, esgotou 100% da sua capacidade em menos de duas semanas, médicos adoeceram e a enfermaria também está lotada o que leva à perspectiva de transferir pacientes que venham a necessitar de UTI.

Politizados e irresponsáveis

No final de semana, enquanto a irresponsabilidade social se multiplicava em espaço públicos e privados, candidatos a prefeito batiam boca se o adversário irá determinar ou não lockdown logo após a eleição.

Lockdown não depende da vontade de políticos e sim da pandemia, se a sociedade continuar sem consciência da gravidade da situação, os hospitais não terão capacidade de atender e o lockdown será necessário.


Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade