- Publicidade -
- Publicidade -
16.7 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Projeto Futuros Disruptivos encerra com desafio para estudantes em Balneário Camboriú

Um desafio para as 25 crianças e adolescentes da rede municipal de ensino que chegaram até o final do projeto encerra a edição deste ano do Futuros Disruptivos, nesta terça-feira (22), a partir das 14h, no auditório da Univali, em Balneário Camboriú. 

(Divulgação/Huna Comunicação)

Em grupos, elas serão estimuladas a colocar em prática o que aprenderam ao longo das últimas semanas, num desafio real, com foco em melhorar a cidade. 

As soluções apresentadas deverão ser desenvolvidas a partir dos modelos de aprendizagem baseada em projetos e design thinking, que fizeram parte do percurso formativo dos estudantes até aqui. 

- Publicidade -

Uma banca de jurados formada por representantes da Univali, Sebrae, Acibalc, Prefeitura Municipal de Balneário Camboriú, Credifoz e Oceanic Aquarium – parceiros colaborativos na realização deste projeto – será responsável pela avaliação das propostas. 

A equipe que apresentar a solução melhor pontuada pelos jurados receberá um prêmio ao final do evento.

A professora idealizadora do projeto, Bianka Cappucci Frisoni, disse que o desafio é resultado de um mapeamento de questões sociais importantes de Balneário Camboriú. 

“Vamos passar por etapas como trabalhar empatia, colaboração, exercitar o diálogo em equipe e fazer uso de ferramentas criativas”, antecipa. Os grupos terão mentoria de professores do projeto, além de contarem com apoio de acadêmicos voluntários da Univali.

(Divulgação/Huna Comunicação)

Esta é a segunda edição do projeto Futuros Disruptivos, que conferiu à professora Bianka a primeira colocação no prêmio Professor Inovador, da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc) neste ano. Hoje, o projeto Futuros Disruptivos é finalista de dois importantes prêmios da área de Design, Educação e Inovação: o Brasil Design Award, na categoria Impacto Social; e o Design For a Better World (DFBW), ambos de abrangência nacional.

“Essas premiações ajudam a validar o caminho que estamos seguindo com o projeto”, avalia Bianka. 

Segundo ela, da primeira edição para esta, foi possível amadurecer abordagens e incluir conteúdos relevantes, como educação financeira e sustentabilidade ambiental, especialmente com a chegada de novos parceiros.

- Publicidade -

Como funciona o projeto

Voltado para estudantes da rede pública com idade entre 11 e 14 anos, o projeto Futuros Disruptivos oferece oficinas em formato intensivo, presencial, com duração de três meses, em contraturno escolar. 

Trata-se de um projeto de aprendizagem criativa baseado em três pilares: Criação e Desenvolvimento; Solução de Problemas; e Design Thinking. 

Neste ano, o programa foi composto por oito módulos: Heróis com propósito; Como vamos mudar o mundo?; Arquitetando um plano!; Guia prático: ajudando a cuidar da natureza; OMG! Essa é uma ótima ideia!; XP Maker – digital e manual; Educação financeira; UHU! Hora de hitar a IDEIA.

Segundo os organizadores, a expectativa é de expandir o projeto para outros grupos de alunos para oportunizar o aprendizado de uma metodologia inovadora, de maneira a contribuir com o desenvolvimento regional. 

Para potencializar essa meta, assim que encerrar a turma de alunos deste ano será oferecido um workshop de Design Thinking para educadores da rede pública em Balneário Camboriú.

Fonte: Huna Comunicação


Para receber notícias do Página 3 por whatsapp, acesse este link, clique aqui




- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -