Jornal Página 3

A cozinha ideal, segundo a teoria de Taylor

© Página3
Sábado, 23/8/2008 14:49.

Por Lilian Primi

Uma boa cozinha deve ter de 2,5 a 3 metros de largura, bancada de trabalho coma pia debaixo da janela e equipamentos na parede oposta, com não mais do que 90 centímetros de espaço livre entre eles. Essa planta foi idealizada, segundo o arquiteto Paulo Bruna, a partir dos estudos realizados pelos adeptos da teoria de Taylor, que no início da industrialização pretendeu a organização científica do trabalho.

Bruna conta que os tayloristas se reuniam em casa para estudar o movimento dos operários e encontrar uma planta racional. "As senhoras ficavam ouvindo e sugeriram que racionalizassem a planta da casa", conta. Descobriram que as cozinhas eram muito mal projetadas e que a solução estava nos navios de guerra americanos. "De pequenas dimensões e poucos cozinheiros, era suficiente para produzir comida para toda a tripulação."

Os parâmetros de medidas e localização foram criados com base nessas plantas: um corredor onde se instala a bancada de trabalho especializada e pia na parede oposta a dos equipamentos, com espaço livre de 90 cm e armários sobre a pia, para aproveitar melhor o espaço.

A mais famosa cozinha projetada com esses parâmetros, a cozinha de Frankfurt, da alemã Margareth Shute-Lihotzky, foi precursora das cozinhas planejadas. "Ela projetou essa cozinha para habitações de interesse social, incluindo os móveis, e criou uma linha industrial que entre os anos de 1924 e 1933 produziu mais de 100 mil cozinhas", conta Bruna.

EVOLUÇÃO - O arquiteto Francisco Segnini, professor da área de Projeto da FAU/USP, orienta também na escolha de revestimentos e na definição das áreas de passagem. "Tem que ser final de linha, a circulação não pode atravessar a área de trabalho", diz. Para isso, a porta tem que ficar na lateral menor.

Segnini diz que a tendência atual, quando o objetivo é a funcionalidade, é colocar azulejo apenas nas paredes da área de trabalho. "Nos locais onde estarão os armários é um desperdício e nas demais paredes, com a evolução das tintas e dos exaustores, não há necessidade", justifica.

As janelas sobre a pia garantem iluminação natural na área de trabalho. E as despensas com prateleiras em concreto são preferíveis aos armários. "São mais baratas e fáceis de limpar. Dá para entrar com o esguicho", explica.

Detalhes
Largura - 3,00 metros é a largura máxima e a mínima é de 2,5 m. Não há limite de comprimento.
Bancadas - 65 cm tanto para a bancada de trabalho, quando para a área dos equipamentos.
Circulação - 1,20 metro no máximo.
O ideal é 90 centímetros. O limite é para evitar longos percursos.
Altura da pia - 93 cm no máximo. Esta altura obedece ao padrão americano. A altura mínima é de 82 cm
 
 
 
Cozinha sem perigos para os vovôs
Por Lilian Primi
A evolução do mobiliário e ferragens para cozinha criou produtos especiais, como os lançados este ano pela Blum, especialista em ferragens. A empresa está colocando no mercado uma linha de ferragens pensadas para o público da terceira idade e outra para reduzir o tempo de trabalho e o esforço necessário para realizar as tarefas, como os tayloristas

A Dynamic Space promete ser a cozinha do futuro e melhorar em até 55% o tempo na cozinha. E a Servo Drive troca as prateleiras pelos gavetões, além de automatizar todas as gavetas Elas se fecham com um leve empurrão. Um sistema amortecedor impede que "bata" bruscamente. A empresa promete que dura mais de 20 anos.

IDOSOS - Gavetas, gabinetes e prateleiras, que antes contribuíam para organização, dificultam a vida de uma pessoa de 60 anos na cozinha. Para este público, a Blum desenvolveu produtos como gavetas com acionamento elétrico e sistema de amortecedor, prateleiras com extensão total, que permite a abertura até o final sem que a gaveta caia e prateleira com porta ajustável, que se movimenta para cima e não para o lado.

Estas técnicas foram ajustadas por meio de uma tecnologia utilizada no exterior e inédita no Brasil, o Aged Explorer, um macacão com dobras, bandagens e pesos que limitam os movimentos do corpo e com acessórios que simulam o desempenho de um idoso com artrite, por exemplo.

 

ATRIZ MIKA LINS CARREGA A COZINHA JUNTO

A atriz Mika Lins, que gosta de cozinhar, escolheu uma planta racional quando fez o projeto de reforma de seu apartamento no Copan. "É um projeto que parte da planta básica em ‘U’ e com tudo à mão", conta Francisco Segnini, que assinou o projeto de reforma do apartamento da atriz. Além de não ter azulejos nas paredes, o projeto utilizou estantes vazadas em alumínio, uma solução encontrada por Mika nas lojas da rua Gasômetro, tradicional centro comercial de São Paulo, voltado para o setor. "Guardo a comida em grandes vidros ou na parte fechada do armário e as louças e vidros na estante. Fica tudo prático e visível", explica.

A atriz já não mora no Copan. "Tive filho e acabei me mudando para um local mais tranqüilo. Mas trouxe as estantes comigo", conta. A nova cozinha tem azulejo em meia parede. "Não gosto de azulejos e como não posso retirar, porque o apartamento é alugado, estou fazendo um patchwork de papel de presente", diz

Segnini também é adepto de revestimentos alternativos à cerâmica no piso e azulejo na parede. "No piso, o importante é que seja resistente a impactos e pressão. É a área com maior pisoteio da casa", avisa.


Publicidade


Colunistas
por Fernando Baumann
por Sonia Tetto
por Saint Clair Nickelle
por Augusto Cesar Diegoli
por Marcos Vinicios Pagelkopf
por Enéas Athanázio
Cidade

PIB cresceu forte sob Pavan e Spernau e desacelerou entre 2010 e 2015


Cidade

Crise econômica impacta negativamente nas contas públicas  


Cidade

Vigoroso trabalho de recuperação está em andamento 


Policia

Soldados tiveram sete meses de aulas práticas e teóricas no 12º Batalhão


Guia Legal BC

Banda se apresenta no dia 5 de janeiro


Geral

Consórcio pode ser o fato mais relevante desde que as duas cidades se separaram 53 anos atrás 


Publicidade