- Publicidade -
25.5 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Futuro da temporada de verão em Balneário Camboriú depende da saúde pública

Aumento de casos de gripe (H3N2 e Influenza), além de Covid-19 e suas variantes pode prejudicar o movimento

O final de ano, incluindo o histórico Réveillon, e a primeira semana de janeiro em Balneário Camboriú estão agradando – e muito – os empresários que atuam no segmento do turismo, como hoteleiros, donos de bares e restaurantes e comerciantes. 

Porém, o aumento da procura por atendimento médico de pessoas com síndromes respiratórias acende um alerta da necessidade de cuidados como uso de máscara e distanciamento social (as aglomerações de fim de ano mostram que isso não vem acontecendo).

Caso a situação não melhore, o movimento de verão poderá ser afetado.

O Carnaval que seria outro ‘pico’ de forte movimento, foi cancelado nesta quinta-feira (6), após reunião do prefeito Fabrício Oliveira, com o secretário de Turismo, Geninho Góes e o vice-presidente da Liga Carnavalesca, Evandro Rocca, a exemplo de Florianópolis, que já suspendeu a festa e várias outras cidades que decidiram pelo cancelamento.

O Página 3 ouviu diversas pessoas ligadas ao turismo em Balneário Camboriú que analisaram a temporada de verão até aqui e o atual cenário da saúde. Acompanhe.

.

(foto PMBC)

.

“Acredito que agora se mantém um bom movimento na cidade, mas claro que não se compara com o Réveillon”

Geninho Góes

Secretário de Turismo de Balneário Camboriú

“Com certeza o período entre Natal e Ano Novo é o mais movimentado da cidade, no Réveillon a cidade recebeu centenas de milhares de pessoas, mas com uma praia alargada, em alguns lugares sobrou espaço. 

A hotelaria beirou os 100% de ocupação. Acredito que agora se mantém um bom movimento na cidade, mas claro que não se compara com o Réveillon. 

Espero que tenhamos um fluxo equilibrado, que possa movimentar nossos equipamentos e serviços, que as pessoas tenham consciência da importância de se cuidarem seguindo as recomendações que já se conhece. 

Sobre o que esperar com os novos casos [de Covid, variantes, Influenza e H3N2], eu acredito que os profissionais da saúde estão monitorando dia a dia a situação para dar as orientações necessárias”.

Réveillon foi considerado histórico em Balneário Camboriú (foto Patrick Rodrigues)

“Até dia 15 vamos ter movimento muito forte”

Margot Rosenbrock Libório

Hoteleira e presidente do Balneário Camboriú Convention & Visitors Bureau

“O movimento do Réveillon foi muito legal, com um fluxo dentro da expectativa, onde a ocupação esteve por volta de 97%, com picos maiores. 

Mas uma semana com ocupação de 97% para Balneário é muito interessante, principalmente porque a infraestrutura deu conta. 

A maioria das pessoas não fica na hotelaria, temos 24 mil leitos disponíveis, a grande maioria fica em apartamento de aluguel, casa de amigos ou familiares. 

O fluxo é muito grande e mesmo não estando todos os turistas nos hotéis ou pousadas é primordial a questão da infraestrutura ter suportado – houve quedas de energia, mas bem pontual, dia 31 não faltou, não faltou água. 

O trânsito é realmente impactante porque muita gente vem dar ‘uma volta’ em Balneário e ficam presos no trânsito e não tem como evitar isso. 

No geral, foi muito bom. 

A limpeza urbana funcionou, não diante da consciência da maioria das pessoas e sim porque teve planejamento. 

Não tivemos nenhum surto de virose, o que em anos anteriores acontecia. 

Mostra que álcool gel e máscara também ajudam. 

Até dia 15 vamos ter movimento muito forte, depois do dia 15 o fluxo segue positivo, mas dependemos de toda a questão do Réveillon, para saber se houve aumento considerável nos casos de Covid, e agora também com a Omicron que se alastra com muita força, mesmo vindo de forma mais fraca pode ter impacto. 

Vejo que as pessoas seguem com vontade de sair, se divertir, mas essa gripe surgiu e não é algo que gostaríamos de conviver. 

As expectativas seguem positivas para o longo da temporada, em relação ao Covid vamos ter que focar mais no acompanhamento de número de internações do que em relação ao número de casos, então talvez os casos aumentem, mas internações não aumentem. 

Infelizmente temos pouca testagem, e não é um problema só de BC, é sim de nível federal”. 

(foto PMBC)

.

Imagem do último dia do ano e do primeiro dia do ano (fotos Renato Aiolfi)


83% de ocupação na hotelaria em janeiro, mas fevereiro pode cair para 40%, com temporada mais curta

Osny Maciel Junior

Gerente do Hotel Sibara e membro do Núcleo de Turismo da Associação Empresarial de Balneário Camboriú e Camboriú (Acibalc)

“A temporada começou muito boa, o mês de dezembro foi de ocupação excelente. No Hotel Sibara, que possui o maior número de leitos da cidade, tivemos ocupação de mais de 81% e foi muito bom. 

A ocupação do Natal foi ótima também, o que foi uma surpresa, porque normalmente as famílias ficam mais juntas em suas residências. 

Réveillon nem se fala, a gente realmente fechou com chave de ouro, teve uma ocupação altíssima, 98% em toda a cidade, com diárias mais altas. 

O mês de janeiro caminha para a mesma perspectiva, na faixa de 83% de ocupação, com pico de 99% de ocupação a partir desta quinta-feira (6). 

Na segunda semana cai para 82% e na terceira e quarta perspectiva de 71% de ocupação. 

Na minha opinião a temporada não será muito longa, deve finalizar já no início de fevereiro por conta do início das aulas e porque as pessoas voltaram a ter um pouco de medo de comprar devido a esse surto da gripe e o problema da Flurona. Esse intervalo de compra dos turistas tem diminuído, antes reservavam com 60, 90 dias, hoje com tudo que vem acontecendo, essa nova variante, as pessoas estão reservando muito em cima da hora. 

Acredito que será ocupação de 40% e isso me preocupa, com picos, no Carnaval há perspectiva de 90% de ocupação, a Páscoa já está iniciando com perspectiva de alta ocupação, mas o restante do mês de fevereiro me preocupa. 

Foi perceptível na cidade a mudança do turista, vimos turistas vindo de carro, com maior poder de compra, piorou o trânsito, mas não vimos tantos ônibus como víamos em outras temporadas. 

O turista vem, vai a hora que quer. O que avalio de negativo na temporada, infelizmente, foi a falta de mão de obra, isso realmente, mesmo com aumento de salários e bonificações, aconteceu”.

(foto PMBC)

Turistas estrangeiros devem vir mais a partir do fim de janeiro, se a Covid e Influenza permitirem

Belen Papparella

Proprietária das agências Sul Travel Turismo & Receptivo e MBP Travel, e presidente da Associação das Agências de Turismo Receptivo de Balneário Camboriú (Receptur BC)

“Está sendo positivo o verão, dia 28 chegou a primeira turma da Argentina, tem paraguaios também, chilenos chegam essa semana, uruguaios começaram a vir bastante também. 

O Mercosul todo com a abertura da fronteira começou a vir. Não é muito expressivo esse movimento ainda, estão vindo poucas turmas, mas a projeção é de que no fim de janeiro/começo de fevereiro, se a Covid e Influenza deixarem, venham cada vez mais grupos. 

Dependemos muito do Covid para ter uma temporada boa. Está se falando bastante da nova cepa, o pessoal fica com medo, os governos começam a falar de fechar ou não [as fronteiras], ficamos muito na mão disso, mas se for pelas pessoas, elas querem vir. 

Balneário tem novidades, a praia alargada, os atrativos, muito para oferecer, e isso foi muito divulgado lá fora. 

O movimento tem sido ótimo, com a capacidade hoteleira em quase 100%, foi muito bom para todos. 

A praia estava bem cheia, veio muita gente, e ainda assim não estava todo mundo em cima do outro por conta do alargamento. 

Pelo o que escutamos, os turistas ficaram fascinados, acharam o alargamento maravilhoso. 

Apesar de não conseguirmos ir para as praias, tinha muito trânsito, todos gostaram e aproveitaram muito. 

Resumindo, hoje dependemos 100% da questão da saúde, as expectativas seguem positivas, se não for por isso, Covid e Influeza, vai ser uma temporada ótima”.

Muitas pessoas se reuniram na orla para celebrar a chegada de 2022

“Uma das melhores temporadas dos últimos anos”

Vilton Santos

Presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Balneário Camboriú

“De fato, o final de ano em Balneário Camboriú confirmou o que já prevíamos para este verão: uma das melhores temporadas dos últimos anos. 

A cidade segue bastante movimentada e toda a economia local já sente este movimento. Observamos também, um retorno (ainda que tímido) do turista do Mercosul, especialmente do Paraguai e Uruguai, que começam a chegar nestes primeiros dias de janeiro. 

Claro que a ameaça de um possível surto de Omicron e gripe H3N2 deixa o comércio em alerta e é preciso estar atento, seguindo com o uso de máscaras em locais fechados e evitando aglomerações sempre que possível. 

Ainda assim,  até o momento temos muita confiança que a temporada será uma das melhores dos últimos anos até o Carnaval”.

(foto PMBC)

“Se todos tomarem consciência a temporada não acaba por aqui”

Rosemari Tomazoni

Presidente do Sindicato do Comércio Varejista e Atacadista (Sindilojas) de Balneário Camboriú

“O fechamento de dezembro foi maravilhoso, um êxito para todo o comércio. A Virada do Ano, tudo o que pudemos presenciar, foi de comércio cheio, percebíamos a alegria dos turistas, comprando, todo mundo satisfeito. 

Já janeiro, dentro do ponto de vista de hotéis e aluguéis, temos que aproveitar o momento e dar o melhor. 

Mas está acontecendo a questão da saúde, o que preocupa. 

Os cuidados precisam continuar, a saúde é preocupante. 

O alargamento da praia e o pós-Réveillon, que foi um sucesso, despertou um momento muito positivo para janeiro, mas para fevereiro estamos nas mãos do que vai acontecer. 

Hoje está satisfatório, a realidade é essa. Continuamos otimistas, mas dependemos da questão da saúde, mesmo assim temos hospital, PA e UPA. 

Já deixamos para trás algo muito ruim, se todos tomarem consciência a temporada não acaba por aqui”.

Essa imagem viralizou nas redes, mostrando a falta de noção de frequentadores da praia, que amanheceu cheia de lixo após ‘noitada’ dos últimos dias de 2021

.

Fila para as duchas no primeirodia do ano (foto Renato Aiolfi)

“A quantidade atrapalha muito o nosso turismo”

Olga Ferreira

Presidente do Sindicato dos Empregados no Comércio Hoteleiro, Bares, Restaurantes e Similares de Balneário Camboriú e Região

“O foco da administração pública foi econômico, quando eu estava presidente do Conselho Municipal de Turismo (Comtur) bati muito na pauta de que Balneário Camboriú precisa saber qual turista quer para a cidade. 

Balneário é belíssima, tem muito a oferecer, mas temos que escolher o perfil que queremos para a nossa cidade. Quantidade nem sempre é qualidade, não quer dizer que tivemos uma boa temporada. 

Aumenta lixo, poluição, violência, assaltos, vandalismo… aumenta a quantidade de tudo. Se tivéssemos qualidade de turistas que vem realmente para gastar, movimentar restaurantes, aí os trabalhadores também iriam ganhar mais, a cidade iria ganhar mais e teríamos menos despesas. 

Vimos trânsito caótico, filas absurdas nos supermercados e padarias. 

Temos que mudar esse perfil. 

Balneário é uma grife, todo mundo quer vir, quer dizer que veio, é um status vir, e é isso que tem que ser explorado e não a quantidade. 

A quantidade atrapalha muito o nosso turismo, em Penha isso está acontecendo também. 

A pandemia veio para dizer que aglomeração transmite doenças, e olha o que vimos! 

De que adianta estar aquele bolo, todo mundo amontoado? 

O nosso planeta está saturado. 

Parece efeito manada, todos vão para o mesmo lugar. 

Está na hora do Comtur e prefeitura pararem e pensarem qual tipo de turista queremos para a nossa cidade, se soubermos o perfil vamos ter turista o ano todo. 

Acredito que mesmo com o aumento de casos de Covid e Influenza vão continuar vindo (os turistas), as reservas foram feitas antecipadamente. 

O prefeito vai ter que correr para dar assistência aos trabalhadores de turismo. 

É complicado porque é agora que vem o positivo da temporada, pessoas que querem desfrutar da cidade e que não querem o agito todo de Réveillon. 

É a hora de fazer bom marketing de cuidados, que todos os trabalhadores da linha de frente do turismo estão seguindo os protocolos, para que esses que reservaram não cancelem. Conseguimos negociar na Convenção de Trabalho 2021/2022 uma cláusula referente a vacinação dos empregados para segurança dos mesmos e dos clientes [as empresas deverão incentivar que os funcionários mantenham a carteira de vacinação atualizada, incluindo vacina da gripe e Covid]. Estamos com o Sindicato aberto, em plantão, para atender os trabalhadores. Aproveitamos para lembrar que não assinem nenhum documento sem nos consultar”.

Muito se discute a qualidade do turismo em Balneário Camboriú, a foto mostra o amanhecer pós Réveillon
(foto Ambiental Limpeza Urbana, Divulgação)

“Acredito que será uma temporada longa”

Isaac Pires

Hoteleiro e presidente do Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Balneário Camboriú e Região

“O verão está sendo positivo, o Réveillon foi muito bom. Acredito que será uma temporada longa porque o Carnaval vai ser quase em março, muitas famílias estão aqui, a cidade está bem estruturada e organizada, os protocolos estão sendo atendidos. 

Está bem dentro da normalidade e continuidade de 2021, o Natal foi muito bom também. 

A Secretaria de Turismo tem feito um bom trabalho de divulgação, o engordamento da faixa de areia tem sido um grande apelo para os turistas. 

A cidade está muito bonita e estruturada. 

Tivemos ainda a notícia muito importante do lançamento do Centro de Eventos, que será um marco para nós, ter ele operando em 2022. 

Eu peguei a gripe, e é uma gripe generalizada, os sintomas são leves. 

Eu diria para as pessoas seguirem os protocolos para seguirmos tendo uma temporada harmoniosa e saudável. Antes do Réveillon estávamos mais preocupados, ninguém sabia muito bem como era a gripe, graças a Deus a normalidade está chegando. 

Balneário trabalhou muito na saúde e segurança, a praia atendeu as expectativas de todos os públicos. 

Os turistas do Mercosul estão começando a vir também, mesmo com muitas imposições os turistas querem vir muito, temos tido muita procura deles. 

Nessa temporada abriram muitos negócios novos, quando teve o auge do Covid muitos trabalhadores voltaram para suas cidades natais, mas estamos nos restabelecendo, há casos isolados de falta de mão de obra, como chefs de cozinha, trabalhos mais específicos. 

No geral não estamos tendo grandes problemas. Todo esse trabalho em Balneário é para desenvolver a indústria do turismo, e a nossa cidade tem vocação para isso. Precisamos do morador para que o turista seja bem assistido”

(foto PMBC)

Texto: Renata Rutes

- Publicidade -
- Publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -