- Publicidade -
- Publicidade -
13.9 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Centro de Controle Operacional na Praia Central de Balneário Camboriú deverá ser montado no verão/2024

Pelo segundo ano consecutivo, Balneário Camboriú instalou o Centro de Controle Operacional (CCO) na Praia Central, concentrando atendimentos das secretarias de Turismo, Segurança, Inclusão Social, Saúde e Fiscalização de Posturas durante a temporada. 

Divulgação/PMBC

Mais uma vez, o serviço foi aprovado por conta da proximidade com a comunidade e deve ser instalado novamente no verão/2024. 

A estrutura segue na praia até o próximo dia 08 de março (quarta-feira).

- Publicidade -

Mais agilidade no trabalho da Guarda Municipal

O secretário de Segurança de Balneário Camboriú, Antônio Gabriel Castanheira Junior, disse que ter o CCO novamente neste verão foi ‘super positivo’ e ele acredita que tem tudo para a estrutura se tornar ‘marca registrada’ dos verões na cidade. 

“O tempo de resposta que nós damos para a comunidade com o CCO é muito mais rápido e a população também se sente muito mais segura, pois estamos perto de todos. Há atendimentos que sequer são gerados porque já é bate-pronto, já damos informação, a pessoa já sai com o problema resolvido. Um exemplo disso foi a mulher que tentou pegar a criança, em janeiro (relembre aqui). Conseguimos resolver situações de forma muito rápida”, explicou.

Segundo Castanheira, o contato entre os guardas também acaba sendo facilitado, porque os que estão fazendo o monitoramento da praia repassam informações para os demais colegas e pedem para verificar suspeitos. 

“Atendemos muitas situações de tráfico e usuários de drogas, mas esse tipo de trabalho na praia é mais preventivo, porque antecipamos ações criminosas – se há situações suspeitas já mandamos viatura, inibimos o crime e isso dá um resultado muito positivo”, acrescentou.

O secretário disse que em datas movimentadas como Carnaval e Réveillon, o CCO também ajudou, já que a estrutura está justamente onde há o maior movimento na cidade – a Avenida Atlântica, próximo do Calçadão da Avenida Central. 

Castanheira informou que neste ano a estrutura foi ‘mais encorpada’ e que querem melhorar ainda mais para o próximo verão. 

“Seguimos até dia 8 ali, ficando até o fim do movimento, mas sabendo que os finais de semana seguem agitados na cidade. Foi muito bacana, porque sentimos que as pessoas também se sentiram mais seguras, com o serviço público tendo toda a estrutura ali, acolhendo visitantes e moradores. Tudo indica que no próximo verão vai ter o Centro novamente, pois neste verão teve uma satisfação ainda maior. Visivelmente tivemos uma temporada diferenciada, nos outros anos tinha movimento do fim do ano até os primeiros dias de janeiro e depois baixava bastante, e este ano percebemos que o verão foi de movimento intenso sem parar, incluindo durante a semana”, completou.

- Publicidade -
Divulgação/PMBC

Inclusão Social: apoio psicológico no CCO

A secretária de Inclusão Social de Balneário, Christina Barichello, contou que no CCO o foco do trabalho foi no suporte à saúde mental de visitantes e moradores, focando ainda na violência contra a mulher – através dos programas Abraço. 

“Foi um trabalho positivo e divulgado também na hotelaria e comércio, para que turistas soubessem que ali contavam com nosso suporte. Percebemos que o movimento foi abaixo da temporada passada, a procura foi menor, acredito que também porque tivemos a Casa da Família aberta no verão. No CCO fizemos 324 atendimentos e na Casa 8937 (de dezembro a fevereiro). Mas acabou sendo um ponto de apoio para os fiscais de rua e agentes sociais, que trabalham na abordagem a pessoas em situação de rua”, explicou.

Christina afirmou que a presença nesse local estratégico auxiliou no serviço da Abordagem Social, já que estando na Praia Central estavam mais próximos das pessoas em situação de rua. 

“Ali no Centro é um ponto crítico, é onde quem abusa de álcool e drogas está e isso inibe um pouco – sabem que o poder público está ali atuando e isso acaba dando algo mais de controle sobre o espaço público. Vejo que é positivo porque lojistas, o público, donos de restaurantes percebem a nossa presença, e elogiaram o CCO”, destacou.

Fiscalização também aprovou

Já para a Fiscalização de Posturas o CCO foi um ponto de apoio importante para as equipes de praia e também da área central, segundo o diretor, Artur Gayer. 

“Nesta temporada tivemos uma Fiscalização mais presente em todas as partes da cidade, mais próxima aos moradores e turistas levando informações sobre Balneário Camboriú e também orientações sobre o Código de Posturas do município, além de várias ações integradas com as forças de segurança e demais órgãos da prefeitura”, disse.

Segundo Artur, apesar de a temporada ter sido ‘tranquila’, trabalharam bastante, com plantão das 8h às 23h, além de que durante o Réveillon e Carnaval aumentaram as equipes no período noturno. 

“Fizemos o trabalho na praia durante o dia e a noite o trabalho preventivo nas calçadas, tirando ambulante que, por exemplo, vendia saco de bebida alcoólica, pipoca irregular, espetinho… trazendo mais ordem para o passeio, com isso a PM e Guarda Municipal conseguiam focar somente na segurança. Tivemos uma integração muito bacana com as forças de segurança”, acrescentou.

Divulgação/PMBC

O diretor da Fiscalização comentou ainda que sabem que não conseguirão impedir os ambulantes irregulares, já que muitos vêm de fora e não sabem que precisam de autorização para trabalhar, mas que depois de duas ou três fiscalizações (na primeira buscam orientar, mas se é produto perecível, como queijo e picolé – itens apreendidos neste verão, já recolhem e descartam) apreendem a mercadoria, que pode ir para leilão [no caso de óculos, pano de prato, etc.] ou ser encaminhada para instituições [uma carga de picolé foi levada para um asilo da região]. 

“Ter o CCO ajudou bastante na logística, serve como ponto de apoio para toda a fiscalização da praia e área central, onde conseguimos fazer intervalo, entrega de camisetas dos ambulantes, às vezes uma apreensão ocorrida à noite para não ter que deslocar de carro no trânsito, guardávamos no CCO e no outro dia levávamos para o departamento…”, informou.

Trabalho intenso: caixa de som e pets são proibidos nas praias

Divulgação/PMBC

Questionado pelo jornal sobre as principais ocorrências, Artur disse que a fiscalização atuou bastante também na fiscalização de caixa de som e da presença de pets na praia. 

“As caixas de som em 2021/2022 deram muita dor de cabeça, mas neste ano tinha muita informação sobre a proibição e foi mais tranquilo, mas com os pets foi complicado. Há uma falta de educação enorme dos tutores. É algo que exige conscientização em todos porque há problema tanto para o pet quanto para o ser humano [na última semana o Página 3 fez uma matéria sobre o assunto, leia aqui]. Nas praias agrestes também atuamos com a fiscalização, junto dos monitores do Bandeira Azul, monitorando as restingas e cuidando com as praias, assim como no Morro do Careca, sempre das 8h às 18h, e na Praia Central e Centro o dia todo, até à noite”, completou.


Para receber notícias do Página 3 por whatsapp, acesse este link, clique aqui




- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -