- Publicidade -
18.2 C
Balneário Camboriú

Gévelyn Almeida palestrou para acadêmicos da Uniavan sobre a realidade da pessoa com deficiência

- publicidade -

Leia também

- Publicidade -

A atleta e técnica do Instituto Catarinense de Esportes para Deficientes (ICED), de Balneário Camboriú, realizou palestra para acadêmicos de fisioterapia da Uniavan, com o propósito de apresentar um pouco sobre a realidade que pessoas com deficiência enfrentam no cotidiano. 

Gevelyn, Lenir, Suzana, Carlos, Arthur, Charles, Jucelio, Lucas, Antonio Sanchez. Na frente, a professora Angelise, acadêmica Elisabeth e as professoras, Morgana Vecchi e Amanda Roncada.

O encontro aconteceu no último dia 25, com a participação de paratletas do Instituto e da Fundação Municipal de Esportes (FMEBC): Lenir do Carmo Maciel (natação paralimpica); Suzana Cristina da Silva (handebol em cadeira de rodas); Carlos Eugênio Bastos Ramos (natação paralimpica); Arthur Teixeira Camargo (handebol em cadeira de rodas); Charles Tiago Bessim (fisiculturismo e handebol em cadeira de rodas); Jucélio Torquato da Silva e Lucas Correia (tenis em cadeira de roda) e Antonio Carlos Sanches, (paraciclismo).

Com a palestra ‘Eficiência, Acessibilidade e Inclusão’, Gévelyn falou sobre as atividades realizadas em Balneário Camboriú, a legislação da pessoa com deficiência, os tipos de modalidades paralímpicas, como são tratadas as pessoa com deficiências, entre outros assuntos.

“Temos bastante estigmas, estereótipos enraizados na sociedade e estas oportunidades vem para quebrar algumas barreiras que nós enfrentamos, barreiras atitudinais, que dependem do outro e também aquelas que estão ligadas a acessibilidade. Tratamos de passar um pouco sobre o ciclo da visibilidade e da invisibilidade da pessoa com deficiência na sociedade e o quão o esporte auxilia a romper barreiras e derrubar preconceitos”, resumiu Gévelyn.

- Publicidade -

Além da palestra, também aconteceu uma vivência com os acadêmicos, que puderam experimentar um pouco do handebol em cadeira de rodas, na prática.

“Momentos assim são extremamente importantes, onde debatemos a inclusão na sociedade. Levamos os acadêmicos a fazer as práticas para entender um pouco melhor essa inclusão reversa que tanta gente faz junto às escolas do município e conhecendo um pouco a história de cada atleta. Os paratletas levam para dentro do ambiente acadêmico a busca de também levar informação para esse local diretamente associado à formação de futuros profissionais que estarão atuando em nossa causa”, segue Gévelyn. 

A jogadora de handebol em cadeira de rodas Suzana Silva disse que esse tipo de movimento é extremamente importante para formação dos profissionais.

- Publicidade -

“Eles estarão mais conscientes e mais capacitados para atender pacientes que tenham algum tipo de deficiência e assim consigam ampliar sua capacidade de desenvolvimento através da sua profissão com a diversidade das pessoas na sociedade”, afirmou.

Carlos Eugenio Bastos Ramos, do handebol e travessias aquáticas enfatizou o aprendizado que os acadêmicos receberam.

“Acho que todos que participaram puderam aprender um pouco mais sobre inclusão”, acrescentou.

Charles Bessim disse que ficou observando a maneira que escutaram, as anotações que fizeram, o interesse que demonstraram.

“Vão ter uma visão diferente , um conhecimento a mais na sua área profissional”, emendou.

A nadadora Lenir contou que começou a prática esportiva por uma melhor qualidade de vida, para melhorar sua condição física e superar limites. 

“Saber que posso ir um pouco mais além é o que me motiva no dia a dia. Participando da palestra e falando das especificidades e dificuldades da pessoa com deficiência e dos atletas foi muito promissor, porque mostramos nossa realidade e foi válido pela troca de experiência, através do jogo de handebol que fizemos”, destacou a atleta.

Calendário de atividades

Gévelyn aproveitou para divulgar os eventos que o Instituto participará neste semestre. Todos com número reduzido de paratletas e seguindo todos os protocolos de segurança determinados pelos organizadores por causa da pandemia.

“De 8 a 18 de julho, o paradesporto de Balneário Camboriú vai participar dos II Jogos Paradesportivos de Blumenau (online). Será a segunda participação. Ano passado fomos vice-campeões em equipes, entre os três estados participantes, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. O mesmo evento esse ano será aberto para todo o país”, disse a técnica.

Em setembro Balneário Camboriú disputará os ParaJasc, de 13 a 19, em Rio do Sul; depois os Jogos Paralímpicos Universitários; dois Meetings do atletismo e natação paralímpicos, em Porto Alegre e Florianópolis, que classificarão para os campeonatos brasileiros.

- Publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -