- Publicidade -
12.5 C
Balneário Camboriú

Casal de catadores despejados seguem em situação de rua, mesmo com apoio da prefeitura

- publicidade -

Leia também

- Publicidade -

O casal de catadores, Ezequiel e Simone, que foram despejados e mobilizaram a comunidade de Balneário Camboriú na última semana [relembre aqui], receberam ajuda da prefeitura e, na quinta-feira (13) o Resgate Social levou os itens deles para a Casa de Passagem, espécie de albergue municipal, mesmo assim, os dois seguem em situação de rua.  

Relembre 

Na quarta-feira (12) o Página 3 noticiou que Ezequiel e Simone permaneciam na Rua 600 – mesmo com a chuva forte daqueles dias, onde estavam ‘acampados’ com uma barraca e todos os seus pertences pessoais [saiba mais aqui].

- Publicidade -

Inicialmente, eles não aceitavam ir para a Casa porque tinham cachorros com eles, depois porque não poderiam deixar para trás seus pertences pessoais. 

Na ocasião, o diretor geral da Secretaria de Inclusão Social e responsável pela equipe do Resgate Social e Casa de Passagem, Roberto Pereira de Faria, disse que haviam combinado com o casal que, se eles não recebessem uma ajuda financeira (‘vakinha’) da comunidade, que eles estavam esperando, iriam para a Casa de Passagem. A prefeitura se comprometeu a levar todos os pertences e os cães que estavam com eles. 

Casal de catadores aceita ajuda, mas segue na rua 

Roberto informou ao jornal, na manhã desta quarta-feira (19), que na quinta-feira (13) buscaram o casal e levaram junto seus cães e pertences. Os dois não queriam ficar na Casa de Passagem, já que lá ficam pessoas em situação de rua. Por isso, foi montado um abrigo especial para eles – no salão paroquial que há em anexo a uma igreja que existe na localidade. 

“Fizemos toda a mudança deles, colocamos eles nesse local separado. Eles não foram no primeiro dia, aí foram no segundo, na segunda e terça-feira (17 e 18) não foram, e hoje (quarta-feira, 19) foram para tomar café. Só que lá [na Casa de Passagem] há regras. Precisa ter horário para chegar e eles não respeitam, querem que seja do jeito deles. Eles podem usufruir de nossas marmitas, dos serviços que oferecemos, mas precisam seguir as regras”, diz. 

O diretor salienta que a prefeitura está fazendo a parte de acolhê-los, inclusive cuidando dos pertences e até dos cães deles. Roberto informou ainda que Ezequiel e Simone permanecem dormindo na rua nos dias que não vão na Casa de Passagem, e também possuem problemas com álcool.

- Publicidade -

“Estamos assistindo eles em tudo, mas eles precisam permitir serem ajudados”, completa.

- Publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -