- Publicidade -
- Publicidade -
23.9 C
Balneário Camboriú
- Publicidade -

Leia também

- Publicidade -

Pato declara amor e diz que trocaria tudo para ser campeão pelo São Paulo

O atacante Alexandre Pato foi apresentado como reforço do São Paulo nesta terça-feira (30), declarou amor ao Tricolor paulista e afirmou que trocaria todos os gols da carreira para ser campeão pelo clube.

“A gente tem planos, expectativas. Na primeira passagem quase fui campeão. Na segunda, quando eu saí o São Paulo foi campeão. Seria incrível. Tudo aquilo que eu mais quero é ser campeão. Time está indo bem, Dorival tem dado estabilidade. Eu trocaria agora todos os gols e títulos em outros times por um título no São Paulo”, afirmou o centroavante.

Para ele, jogar no São Paulo é diferente. “Estou com a mesma motivação de quando comecei a jogar futebol, mas estou mais maduro com o futebol e com a vida. O meu amor pelo São Paulo não vai mudar. Vou entregar tudo aquilo que o torcedor me entregou. São Paulo pra mim é mais que especial. Precisava colocar a camisa porque vestir a camisa do São Paulo é diferente. De todos os clubes que passei, é diferente. Farei aquilo que sempre quis fazer: jogar e me divertir.”

- Publicidade -

O novo reforço tricolor, contudo, não definiu uma data para sua reestreia. “Vamos dar tempo ao tempo. Temos que respeitar o processo. Hoje foi meu segundo dia, eles vão me dando feedback. A data não é o principal agora, mas a adaptação.”

Veja outras declarações de Alexandre Pato:

– Voltar ao São Paulo

Sempre existiu o amor. Eu saí de uma situação difícil na minha vida e eles me abraçaram. Deus foi bom, colocou no coração deles que algo eu teria a dar a mais para o São Paulo. Cheguei para fazer uma recuperação, tinha muitos pensamentos daquilo que iria fazer aqui. Tive algumas discussões com o Rogério algum tempo atrás, fazia parte de jogo. Ficava: será que o Rogério vai deixar eu fazer a fisio? Logo em seguida, o Rogério me inscreve, o Rui me inscreve e aí eu converso com o presidente. Não quis pressionar. Falei com toda a diretoria: “o São Paulo está diferente, tem algo que há muito eu não via”. A gestão, a parte de fora, o vestiário, a fisioterapia que é muito importante – tem volta à referência que sempre foi. Parte da alimentação também. Falei pra minha esposa: amor, só vou voltar pra casa quando você ligar, porque vou ficar o dia inteiro no CT. São Paulo tem deixado o jogador muito mais à vontade.

– Auto-avaliação

Quando escolhi sair do São Paulo aquela época, eu falei pra minha esposa que queria um lugar que queria morar em paz, jogar e se divertir. Infelizmente, no primeiro jogo machuquei. Voltei, tive outras propostas e quis voltar pra lá. Comecei bem, jogando, me divertindo, fazendo gol e assistência. Logo em seguida, machuquei de novo. Quando as portas do São Paulo abriram, falei pra minha esposa que algo iria acontecer. Estou com a mesma motivação de quando comecei a jogar futebol, mas estou mais maduro com o futebol e com a vida. O meu amor pelo São Paulo não vai mudar. Vou entregar tudo aquilo que o torcedor me entregou. São Paulo pra mim é mais que especial. Precisava colocar a camisa porque vestir a camisa do São Paulo é diferente. De todos os clubes que passei, é diferente. Farei aquilo que sempre quis fazer: jogar e me divertir.

– Julgamentos e comparações

- Publicidade -

Acho que o julgamento sempre vai existir. Ontem eu saí com meu cabelo pra treinar e fui criticado várias vezes. Tem que critique e quem goste. Temos que seguir uma linha. Tenho que agradar quem está do meu lado, minha família, meus pais, as minhas autoridades. Sempre tenho que fazer algo por eles. Comparação sempre vai existir. Uma pena que jogador muito jovem no Brasil não tem tempo de amadurecer e já com comparações muito altas. Eu nunca fiquei preso à comparação. Tive com 17 anos uma das maiores lendas do futebol no mundo que é o Ronaldo, tive Cafu, Maldini. Quero passar aquilo que passei e não tive para os mais jovens. Eu não entendia o futebol, fui entender com 27 anos. Queria só jogar futebol, futebol, futebol… Quando você leva pra casa que futebol é seu trabalho, você tem que saber o que acontece no vestiário, ter relação com jogador.

– O que quer para essa temporada

Não queria machucar, mas indo para o jogo de Nova York eu já sabia que aconteceria algo. Sabia que teria que passar por algo para chegar onde estou. As expectativas e minhas vontades, eu tenho que viver a cada dia. Eu quero ser campeão, entrar na história do São Paulo, fazer muitos gols, mas é um passo de cada vez. Eu passei um tempo parado, fico muito nervoso, mas é uma emoção grande, não sei explicar. Chegar em um grande clube de novo é muito satisfatório. Meu foco sempre será o mesmo e acho que tem alguma coisa para se concretizar nessa terceira passagem. Vai ter muita entrega, dedicação para fazer sempre o melhor.

– Conversas com o São Paulo

Rogério me deve porque a gente fez uma aposta e ele foi embora sem pagar. Eu apostei que o Milan passaria pelo Napoli e iria até a final, ele apostou no Napoli.

As coisas que aconteceram pra eu chegar até aqui foram indo tudo no seu tempo. Passou pelo Rogério, foi para a direção até a liberação de todos. Foi no tempo que deveria ser. Era para ser agora. É o momento justo. Tenho que agradecer a todos. São Paulo me deu tudo que eu precisava. Estava almoçando nos EUA e falei que precisava ir embora, estava incomodado, não estava em paz. Era pra ser agora. Não vejo a hora de estar no BID e representar o São Paulo em campo.

– Produtividade

Todo mundo soube, eu saí, mas não era justo fazer com o São Paulo porque sempre me abriram as portas. Amadureci muito depois daquele tempo. Essa volta para o São Paulo foi mais de gratidão por todo o trabalho que o presidente e sua comissão fizeram. Contrato não precisa ser explicado aqui. Só queria vestir a camisa do São Paulo e representar todo o carinho.

– De onde vem amor pelo São Paulo

Minha volta para o São Paulo é de muita responsabilidade. Não adianta ter amor e não fazer o papel que você tem que fazer. São Paulo pra mim tem esse amor, mas tenho que devolver o que me dão. Minha relação com o São Paulo foi criada depois de ter saído do Corinthians de forma conturbada, torcedor me abraçou, mas infelizmente naquele ano o Cruzeiro não perdia nenhuma e chegamos em segundo. Eu sempre entendi que tudo o que eu precisava o São Paulo me deu. Tenho ainda dentro de mim que tudo pode acontecer, com a sequência que o time está indo, eu devo algo para o Sâo Paulo. Torcida sempre me tratou super bem, sempre me senti em casa. Não vejo a hora de voltar e jogar.

– Poderia ter disputado Copa? O que vai entregar?

Se eu merecia ir pra Copa, não sei. Já passou. Meu pensamento é hoje. Graças a todas as passagens que tive na minha vida, como falei há um tempo, talvez eu não estaria aqui. Talvez não teria todo o amor que tenho na minha casa, a união da minha família. Se tivesse lá fora, não veria eles todos os meses.

– Quando joga?

Vamos dar tempo ao tempo. Temos que respeitar o processo. Hoje foi meu segundo dia, eles vão me dando feedback. A data não é o principal agora, mas a adaptação.

– Camisa 12

Joguei com a 7, a 10, a 11. Acho que é tudo novo. É o número disponível e vamos lá. Muitos grandes jogadores usarem a 12. Meu trabalho é mais ir lá dentro de campo e fazer o melhor. Se eu puder ir lá dentro e me sentir como 12º jogador seria incrível.

– Ser campeão

A gente tem planos, expectativas. Na primeira passagem quase fui campeão, a segunda quando eu saí o São Paulo foi campeão. Seria incrível. Tudo aquilo que eu mais quero é ser campeão. Time está indo bem, Dorival tem dado estabilidade. Eu trocaria agora todos os gols e títulos em outros times por um título no São Paulo.

– Lesões

Muito tempo atrás, quando tinha 17, 18, não tinha toda a estrutura que tinha hoje. Jogador hoje tem psicólogo, nutricionista, preparador físico. Eu precisava, mas não tive. O conselho que poderia dar para jovens: cuide-se. Não precisa acabar o treino e ir pra casa. São Paulo tem toda a estrutura aqui. Tudo que eu vivi foi um aprendizado. Thiago Silva é o melhor jogador do Chelsea com 38 anos. Não tem que se preocupar com idade. A última lesão que eu tive, não tinha como evitar. Um esporte de contato, de queda, não tem como evitar. Você tem que se preparar na parte física, mas evitar lesão a gente não consegue.

(UOL/FOLHAPRESS)

- Publicidade -
- publicidade -
- publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -
- Publicidade -